“A Vida Passou Por Aqui”, de Claudia Mauro, estreia temporada no Teatro Gláucio

A peça “A Vida Passou Por Aqui” reestreia dia 1° de setembo, no Teatro Gláucio Gil, equipamento da Secretaria de Cultura do Estado do Rio de Janeiro. O argumento foi criado a partir da experiência pessoal de Claudia Mauro com sua família e lança um olhar otimista sobre o envelhecimento e as angústias da vida e da passagem do tempo. A peça celebra a alegria, a amizade e a importância das relações construídas com generosidade e altruísmo, numa sociedade em que o comportamento humano torna-se cada dia mais autorreferente e imediatista. 

O espetáculo conta a história de uma profunda e sólida amizade entre uma mulher e um homem de estratos sociais diferentes – Silvia (Claudia Mauro), professora e artista plástica, que viveu grande parte da vida às voltas com as crises em seu casamento e Floriano (Édio Nunes), contínuo, de hábitos simples e inteligente por natureza, que sempre levou sua vida com leveza e bom humor. Depois de quase meia década de convivência, Silvia é uma mulher solitária que se recupera de um AVC, e Floriano o único amigo ainda presente. Aos poucos, ele contagia Silvia com sua alegria de viver e senso de humor, que acabam devolvendo a saúde e os movimentos à amiga. Juntos, se divertem e rememoram os altos e baixos de quase 50 anos de amizade. 

A montagem estrutura-se nas idas e vindas entre passado e presente. Valendo-se basicamente do trabalho corporal, os atores passeiam por cinco décadas – dos anos 1970 até os dias de hoje, e por todas as mudanças em suas vidas.

O TEXTO E A MONTAGEM 
“Então, a vida passou por mim e disse: ‘Chegou a hora. Seus pais sairão de cena. Agora é com você, sua vez.’ Pausa. Em meio à mudança de casa da minha mãe – que havia sofrido um AVC – encontrei uma caixa cheia de agendas, que ela escrevia como diários. Estava ainda fazendo o “luto” daquela mãe – que corria atrás dos meus filhos, com uma energia vital incrível – e me acostumando com uma mãe numa cadeira de rodas, que ora me olhava profundamente, ora com distância, ora muito lúcida, ora bastante esquecida. Tive uma súbita inspiração e me lembrei de uma história linda entre ela e um grande amigo. Desandei a escrever um texto sobre amizade. Liguei para o meu pai e mandei as primeiras páginas escritas. Em alguns minutos ele me retornou e disse: ‘Filhota, você é boa de diálogos, hein? Vai em frente!’ E eu fui… Mais algumas páginas, alguns dias no computador, e veio a notícia. Dessa vez, meu pai. Partiu. Tomando vinho com os amigos, rindo e feliz, como ele queria e merecia. Então, recomecei… e a história de amizade virou uma história para contar tantas outras histórias… Histórias de amor, de dor, de perdas e alegrias, histórias de família e de tantos personagens da minha vida.”, conta Claudia Mauro. 

E o ator Édio Nunes, conhecido pela sua presença constante em espetáculos musicais de sucesso – tanto como ator quanto como diretor – complementa: “A minha amizade com a Claudia foi determinante para este projeto, porque falamos da vivência pessoal de ambos, fundamental para este trabalho. Fui muito motivado também por ser convidado a atuar num outro diapasão, longe do registro dos musicais, que posso chamar de minha zona de conforto. Um exercício estimulante e necessário como ator.” 

“Em 20 anos de amizade com a Claudia (Mauro), pude conhecer e conviver de perto com a sua família. Através dessa observação tão íntima, pude conduzir de forma delicada este texto sensível e emotivo, que resgata uma parte dessa história familiar. Minha intenção é levar o público para dentro deste universo poético – e ao mesmo tempo realista – da maneira mais sincera, verdadeira e simples.”, afirma Alice Borges. 

FICHA TÉCNICA 
Texto: Claudia Mauro 
Direção: Alice Borges 
Elenco: Claudia Mauro e Édio Nunes 
Cenografia: Nello Marrese 
Iluminação: Paulo Cesar Medeiros  
Trilha Sonora: Claudio Lins 
Coreografias: Édio Nunes   
Fotos: Dalton Valério 
Produção Executiva: Janaina Santos 
Produtoras Associadas: Alice Borges e Claudia Mauro 
Produção: Forte Filmes   

SERVIÇO 

DATA: dia 1º de setembro (6ªf), às 21h      

LOCAL: Teatro Glaucio Gil – Praça Cardeal Arcoverde, s/nº, Copacabana                   

HORÁRIOS: 6ª e sábado às 21h; domingo e segunda às 20h

INGRESSOS: R$30,00 e R$15,00 (meia entrada)  

DURAÇÃO: 90 minutos 

GÊNERO: comédia dramática 

CAPACIDADE: 100 lugares  

CLASSIFICAÇÃO ETÁRIA:  12 anos 

TEMPORADA: até 18 de setembro 

 

 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.