16.9 C
New York
junho 24, 2019
Teatro & Dança

‘Tudo o que há Flora’ no Teatro Maria Clara Machado, na Gávea

Celebrado espetáculo carioca, sucesso de crítica e de público, que realizou temporadas no CCBB RJ e CCBB Brasília, realiza temporada na Gávea

Inspirado na linguagem do Teatro do Absurdo, o espetáculo Tudo o que há Flora fala sobre a solidão, a incomunicabilidade e o inconsciente feminino. A partir dessas três questões, que desafiam a lógica das relações humanas, a Nossa! Cia. de Atores, de Leila Savary, Lucas Drummond e Thiago Marinho/Diego de Abreu, convidou a roteirista Luiza Prado e o diretor Daniel Herz para dar vida ao espetáculo Tudo o que há Flora, que realiza temporada de 11 de janeiro a 3 de fevereiro,  no Teatro Maria Clara Machado, na Gávea. A peça conta a história de Flora, uma dona de casa que desenvolve um transtorno psicológico a partir de um evento traumático causado por seu marido.

Com cenário de Fernando Mello da Costa, que lhe rendeu indicações aos prêmios Botequim Cultural e Cenym 2016, iluminação de Aurélio de Simoni, figurinos de Antônio Guedes e trilha original de Pablo Paleologo, a peça começou a ser idealizada há dois anos pelos três atores, amigos desde os tempos do Tablado, e que, há três, formam o grupo teatral Nossa! Cia. de Atores. “A ideia veio depois da leitura do conto Dora, uma mulher sem sorte, do meu avô, o jornalista Théo Drummond, em 2014. Foi ali que começamos a pensar nessas questões e na possibilidade de realizar um projeto a respeito”, revela Lucas.

Flora é uma dona de casa que cumpre um ritual diário enquanto espera o marido para o almoço. A trama, que poderia ser apenas uma história de amor entre um casal, revela aos poucos um lado sombrio. “Queríamos falar sobre como as pessoas conversam, mas não se escutam e muitas vezes vivem em uma aparente normalidade que nunca existiu, tentando esconder a solidão e suas imperfeições”, resume Leila. Para contar essa história, os três pensaram em seguir uma linha tragicômica, como explica Thiago: “Procuramos uma linguagem que fosse ao mesmo tempo engraçada e que provocasse reflexão. Foi assim que chegamos ao ‘teatro do absurdo’, com seus jogos de palavras e humor non sense”.

O trio convidou Luiza Prado, roteirista de duas temporadas do seriado Vai que cola, do canal Multishow, e ainda de curtas-metragens como O Rio de Paixão (2013), vencedor do concurso O Rio que eu vejo, para escrever o texto e dar forma às ideias da companhia: “Direcionar a experiência que tive ao escrever roteiros que exigiam uma sólida estrutura foi, de fato, um facilitador e um norte quando me deparei com as incontáveis possibilidades de explorar, no universo teatral, a incomunicabilidade humana e as dimensões de personagens extremamente solitários”, comenta a autora.

Premiado diretor teatral, professor, ator, autor e diretor artístico da Companhia Atores de Laura, Daniel Herz abraçou o projeto quando foi convidado a dirigi-lo: “Os temas abordados aqui me tocam muito, me movem enquanto artista. Somado a isto, trata-se de um texto novo, desenvolvido na linguagem do teatro do absurdo, que adoro, e idealizado por três jovens atores talentosos. Eu, aliás, me vi neles quando comecei, porque sempre digo aos jovens atores para que tenham projetos e não fiquem esperando até um diretor desejá-los. E eles fizeram exatamente isso, o mesmo que eu fiz quando tinha 18 anos”, conta.

Em um cenário despojado, com poucos elementos cênicos, entre eles três bancos e três buracos no chão, por onde os personagens entram e saem e que levam a um porão repleto de eletrodomésticos, Flora (Leila Savary) repete um ritual diário antes do almoço, que vai desde a meticulosa arrumação da mesa até o uso do mesmo laquê, à espera de Armando (Cirillo Luna, ator convidado), quando recebe duas visitas inesperadas (Lucas Drummond e Diego de Abreu). Discussões e revelações acontecem em meio à tensão gerada pela iminente chegada do marido, levando Flora a um inevitável e doloroso reencontro com o passado que ela luta, em vão, para esquecer.

O Teatro Maria Clara Machado é um espaço da Secretaria Municipal de Cultura do Rio de Janeiro.

Ficha técnica:

Texto: Luiza Prado
Direção: Daniel Herz
Elenco: Leila Savary, Lucas Drummond, Thiago Marinho/Diego de Abreu e Cirillo Luna
Produção: Palavra Z Produções Culturais
Direção de Produção: Bruno Mariozz
Figurino: Antônio Guedes
Cenário: Fernando Mello da Costa
Iluminação: Aurélio de Simoni
Trilha Sonora: Pablo Paleologo
Fotografia e Vídeo: Paulo Henrique Costa Blanca
Visagismo: Talita Bildeman
Idealização: Nossa! Cia. de Atores

Serviço:

EventoTUDO O QUE HÁ FLORA
Teatro Maria Clara Machado: Av. Padre Leonel Franca, 240 – Gávea, Rio de Janeiro – RJ, 22451-000
Telefone: (21) 2274.7722
Linguagem: Artes Cênicas
Data:  de 11 de janeiro a 3 de fevereiro 
Horário: sexta e sábado 21h; domingo às 19h
Valor do Ingresso: R$40, a inteira 
Classificação: 12 anos
Duração: 75min

Posts relacionados

Temprana Cia estreia comédia de costumes no Centro

Redação

Inédito no Brasil, Uma Intervenção, de Mike Bartlett, estreia no Teatro Ipanema

Redação

Heloísa Périssé encara a passagem do tempo e celebra a amizade em seu novo espetáculo

Redação

Mergulho ou A menina que sangrava poesia

Redação

Daniel Herz estreia “Isso que você chama de lugar” no Teatro Laura Alvim

Redação

Monólogo “Arap”, com Elias Andreato, aporta no Clube Manouche, com lançamento de sua biografia

Redação

Deixe um comentário