28.1 C
New York
julho 22, 2019
Image default
Featured Teatro & Dança

Theatro Municipal: Bale da China em Lanternas Vermelhas

As superproduções marcam a volta da consagrada companhia chinesa ao Brasil depois de nove anos

Ministério da Cidadania, CTG Brasil e State Grid trazem, depois de nove anos da sua última vinda ao país, o consagrado Balé Nacional da China para turnê brasileira com apresentações no Rio de Janeiro (Theatro Municipal), São Paulo (Credicard Hall), Curitiba (Teatro Guaíra) e Belo Horizonte (Palácio das Artes). A turnê conta com patrocínio de Furnas e apoio da Concremat. Em Brasília, o espetáculo é patrocinado pela ABEC – Associação Brasileira de Empresas Chinesas, em comemoração aos 45 anos do estabelecimento das relações diplomáticas entre a República Popular da China e a República Federativa do Brasil.

Um dos trunfos desta turnê é a apresentação do balé “Lanternas Vermelhas”, com direção do cineasta Zhang Yimou, diretor do filme homônimo indicado ao Oscar e de sucessos como “O Clã das Adagas Voadoras” e “Herói”.

A outra superprodução que virá ao Brasil é o eterno “Lago dos Cisnes”, na versão coreografada e dirigida pela bailarina e coreógrafa russa Natalia Makarova (Kirov Ballet da Rússia, Royal Ballet de Londres, American Ballet Theatre).

O Balé Nacional da China, única companhia estatal de balé do país, é hoje considerada pela crítica especializada internacional uma das mais importantes em atividade no mundo. A companhia traz em seu DNA o diálogo entre a cultura oriental e a dança clássica ocidental, mesclando tradições e referências dos dois universos.

Fundado em 1959, com sede em Beijing, teve construído especialmente para seu trabalho o Teatro Tianqiao – um dos poucos teatros da China especializados em balé e ópera. Seus integrantes são oriundos da Academia de Dança de Beijing, onde recebem rigorosa formação pelo famoso método da Academia Vaganova, de São Petersburgo – berço também das estrelas do mítico Kirov Ballet. Mestre Pedro Gushev, da antiga União Soviética, estabeleceu uma base sólida de balé clássico para a companhia chinesa, e muitos de seus bailarinos são vencedores de medalhas de ouro, prata e bronze em diversas competições mundo afora.

Lanternas Vermelhas
Lanternas Vermelhas

LANTERNAS VERMELHAS
Baseado no sucesso cinematográfico homônimo de Zhang Yimou, indicado ao Oscar. “Na criação dessa obra, minha fórmula foi a de somar 1+1, o que significa combinar o balé ocidental e a cultura chinesa. Acho que é uma maneira interessante, já que neste mundo globalizado todos estão conectados, de uma maneira ou de outra.”, explica Yimou.

Coube ao coreógrafo Xin Peng Wang a delicada tarefa de recontar, através da linguagem do balé clássico, a obra-prima do cineasta chinês, que assina também a direção deste espetáculo. A música é do compositor sino-francês Qigang Chen, criador da música do filme de Yimou, e diretor musical das cerimônias de abertura e encerramento dos XXIX Jogos Olímpicos de Pequim.

Desde a sua estreia mundial em 2001, “Lanternas Vermelhas” já foi apresentada na íntegra em mais de vinte importantes centros na China e no exterior, com turnês a Singapura, Itália, França, Inglaterra, Estados Unidos, Austrália, Grécia, México, Rússia, Coreia do Sul e Holanda.

Lanternas Vermelhas
Lanternas Vermelhas

O Encontro de Múltiplas Expressões Artísticas
O espetáculo promove um verdadeiro encontro das artes cênicas, mesclando teatro, dança, máscaras, malabarismo e, claro, cinema, uma vez que Zhang Yimou imprime na montagem seu olhar cinematográfico, determinante no conceito da iluminação e nas soluções cênicas, que transportam o espectador para dentro de uma cena de cinema. Contribuem para o resultado exuberante de “Lanternas” a beleza e o colorido dos figurinos e a excelência técnica dos solistas e corpo de baile.

Sinopse
A ação do espetáculo se desenrola nos anos 1930. Uma jovem é forçada a tornar-se a terceira esposa de um velho senhor feudal. Suas duas enciumadas esposas a recebem com relutância. O quarteto passa o tempo jogando mahjong (jogo de tabuleiro de origem chinesa) e assistindo em casa aos espetáculos da Ópera de Pequim. O senhor e suas três esposas levam o jogo ao extremo de interagirem com os atores. Em meio às performances, a terceira esposa acaba se deparando com seu amante, um especialista em artes marciais do elenco da Ópera. Mas o segredo do casal é descoberto por obra do ciúme da segunda esposa, que os denuncia ao marido. Para sua surpresa, ao invés de cair em suas graças, ela só consegue enfurecer seu amo e acaba por enlouquecer.

O LAGO DOS CISNES
Balé em quatro atos com música do compositor russo Piotr Ilitch Tchaikovsky (1840-1893) e libreto de Vladimir Begitchev e Vasily Geltzer. Clássico dos clássicos que jamais perdeu o vigor, “Lago dos Cisnes” já recebeu montagens das maiores companhias do mundo e segue sendo encenada regularmente, desde a sua estreia em 1877 no Teatro Bolshoi. Recebeu ainda versões cinematográficas de sucesso – uma delas é o filme “Cisne Negro” (Black Swan, de Darren Aronofsky), com Natalie Portman e Vincent Cassel.

A diretora e coreógrafa Natalia Makarova, numa de suas vindas ao Brasil, falou sobre a importância e a longevidade de “O Lago dos Cisnes”: “O Lago é uma peça única, porque através dos contornos de um conto de fadas surge a face da realidade – as imperfeições, a fixação do verdadeiro amor. Nesse caso, o amor só pode ser realizado com a morte.” (…) “O mistério do sucesso deste balé, por gerações, não encontra resposta apenas na beleza presente na música de Tchaikovsky, mas na profundidade da mensagem poética e na inspiração romântica, no conflito psicológico dos personagens heróicos que, com o desenrolar de seus destinos, retêm toda atenção de todas as plateias.”

Sinopse
“O Lago dos Cisnes” conta a história da bela princesa Odette, por quem o príncipe Siegfried se apaixona, mas que está presa no corpo de um cisne por obra do mago Rothbart. Aliado à sua filha Odile, o mago fará de tudo para impedir a quebra do feitiço e a consumação do amor entre Odette e o príncipe.

FICHA TÉCNICA “LANTERNAS VERMELHAS”
Libretista e diretor: Zhang Yimou
Música: Qigang Chen
Coreografia: Xin Peng Wang (original) e Wang Yuanyuan
Produtora: Zhao Ruheng
Cenógrafo: Zeng Li
Figurinista: Jerome Kaplan
Iluminação: Zhang Yimou
Assistentes do coreógrafo: Monica Fotescu-Uta e Fei Bo
Coordenadores: Joy Gong, Shan Jiang, Lau Chun Keung
Consultor teatral: Wang Zhiming
Consultores da Ópera de Pequim: Gao Mukun and Ma Shuai
Assistente do compositor: Bi Siyue
Estreia mundial: Balé Nacional da China, Teatro Tianqiao, Pequim, 2 de maio de 2001

Balé Nacional da China
Teatro da Ópera Nacional de Pequim da China
Diretor artístico: Feng Ying
Principais patrocinadores da companhia:
Richard Lee (Hong Kong), Banco de Construção da China e UBS

Elenco
Segunda concubina: Zhu Yan, Zhang Jian, Wang Qimin, Liu Qi
Ator da Ópera de Pequim: Li Jun, Sheng Shidong, Huang Zhen, Li Nan
Primeira concubina: Meng Ningning, Zhu Yan,Guan Wenting
A esposa: Lu Na, Yan Qingyun
O Senhor: Huang Zhen, Zhou Zhaohui, Cui Kai
(elenco sujeito a alterações)

FICHA TÉCNICA “O LAGO DOS CISNES”
Composição: Pyotr Ilyich Tchaikovsky
Concepção e Direção: Natalia Makarova
Coreografia: Natalia Makarova, com colaboração posterior de Marius Petipa e Lev Ivanov
Coreografia Adicional: Natalia Makarova e Sir Frederick Ashton
Cenário: Peter Farmer
Figurino: Galina Solovyeva
Iluminação: Han Jiang
Ensaiador Geral: Olga Evreinoff
Ensaiador BNS: Xu Gang
Ensaiadores: Zhu Yan, Zhang Jian, Wang Qimin, Li Jun, Yu Guohua, Chen Li’e, Wang Hao, Wang Qi, Lu Na, Jiang Wei
Coordenação de Produção: Dina Makaroff
Produtor: Feng Ying
Uma produção do Teatro da Ópera Nacional de Pequim da China

O BALÉ NACIONAL DA CHINA
Fundado em 1959, e é a única companhia de dança estatal do país. Desde a sua criação, a proposta é preservar a tradição da dança chinesa e incorporar ao repertório as grandes obras do balé romântico ocidental. Nesta esteira, vieram à luz produções de bailados consagrados como “Lago dos Cisnes”, “Dom Quixote”, “Romeu e Julieta”, “A Bela Adormecida”, entre outros.

Uma das funções da companhia é promover a aproximação entre os povos. Dentro dessa perspectiva, atua como uma autêntica embaixadora cultural, retratando, através de suas criações, os costumes e a cultura de seu país. Foi levando essa mensagem que apresentou bem sucedidas turnês de “Lanternas Vermelhas” em mais de 20 países da Ásia, Europa e Américas, além de Hong-Kong, Macau e Taiwan.O Balé Nacional da China possui uma enorme central técnica, onde se encontra armazenado um vasto acervo de cenários e de figurinos, utilizados em todas as suas produções de bailados e óperas-bailados.

Os Bailarinos
Todos os integrantes do Balé Nacional da China são oriundos da Academia de Dança de Beijing, onde recebem uma sólida formação artística, trabalhando exaustivamente todas as técnicas do balé clássico do famoso método da Academia Vaganova, de São Petersburgo – berço também das estrelas do mítico Kirov Ballet – e aprofundando seu conhecimento da rica tradição da arte chinesa.

Nesse contexto, foi de grande valia a enorme contribuição trazida por gerações de excelentes bailarinos, que não mediram esforços para transmitir aos novos astros e estrelas toda a beleza e rigor de uma forma de arte eminentemente ocidental.

Os resultados não tardaram a aparecer: nos últimos anos, vários bailarinos — com destaque para Zhu Yan, Zhang Jian e Sun Jie — conquistaram uma série de prêmios em concursos internacionais, recebendo gratificantes elogios de seus colegas ocidentais.

ZHANG YIMOU – O DIRETOR DE “LANTERNAS VERMELHAS”
Zhang Yimou, nascido em 14 de novembro de 1951, estreou como diretor em 1987 com o filme “Red Sorghum”. Um dos temas recorrentes de Zhang é a celebração e as festividades do povo chinês em face de dificuldades e adversidades, um tema que foi abordado de “To Live” (1994), até “Not One Less” (1999). Suas obras são especialmente conhecidas por uso da cor, como pode ser visto em uma de suas principais obras, “Lanternas Vermelhas” ou em seus mais recentes sucessos “O Clã das Adagas Voadoras” e “Herói”.

Dirigiu o belíssimo espetáculo de abertura das Olimpíadas de Pequim em 2008 e um remake do primeiro filme dos irmãos Coen, Gosto de Sangue. Seu reconhecimento internacional é unânime: em 1988 ganhou o principal prêmio no Festival de Berlim; em 1992 e 1999 levou para casa o Leão de Ouro, prêmio máximo do Festival de Veneza; em 1994 foi laureado com o grande prêmio do júri no Festival de Cannes; já recebeu três indicações para o Oscar, inclusive por “Lanternas Vermelhas”.

TURNÊ BRASILEIRA APRESENTADA POR CGT BRASIL
Criada em 2013, a CTG Brasil é parte da China Three Gorges Corporation, uma das líderes globais em energia limpa. Com investimentos em 17 usinas hidrelétricas e 11 parques eólicos, o portfólio da empresa tem hoje uma capacidade total instalada de 8,28 GW. Segunda maior geradora privada de energia do País, a CTG Brasil conta com a dedicação de seus talentos locais e combina o conhecimento brasileiro e chinês com o objetivo de contribuir para a produção de energia limpa e um futuro sustentável. Para mais informações acesse: www.ctgbr.com.br

UMA PRODUÇÃO DE DELL´ARTE SOLUÇÕES CULTURAIS
Realização Gaia, Secretaria Especial de Cultura, Ministério da Cidadania, Governo Federal

A Dell’Arte Soluções Culturais é uma marca de qualidade e de competência no cenário cultural brasileiro, há 38 anos apresentando o que há mais significativo no mundo das artes.

Através de suas iniciativas, apresentou ao público brasileiro ícones da dança como Bolshoi e Kirov, Balé da Ópera de Paris, New York City Ballet, Tokyo Ballet, Béjart Ballet Lausanne, Compañia Antonio Gades, Joaquín Cortés, Momix Dance Theater, Pilobolus, entre dezenas de outros.

Responsável por curadorias artísticas, consultorias e prestação de serviços operacionais na área da cultura, seu objetivo principal é levar arte no seu mais sublime estágio para o público brasileiro.

SERVIÇO

Rio de Janeiro
Theatro Municipal do Rio de Janeiro – Pç. Floriano, s/n – Cinelândia
Capacidade: 1.739 lugares

Sessões:
23/05/2019 – 20:00 – Lanternas Vermelhas
24/05/2019 – 20:00 – Lanternas Vermelhas
25/05/2019 – 20:00 – Lanternas Vermelhas
26/05/2019 – 15:00 – Lanternas Vermelhas

Ingressos:

Plateia e balcão nobre Balcão superior Galeria Promocional
R$ 380 R$ 290 R$ 120 R$ 50

 

Posts relacionados

Nó, de Deborah Colker, volta ao Rio

Redação

Paixão de Cristo de Nova Jerusalém | Nova temporada acontecerá de 13 a 20 de abril de 2019

Alyson Fonseca

“Carnificina” expõe e discute as mazelas das massas, em resposta à trilogia “Carne Capital”, na Mostra OST Social é ser Social

Redação

Thiago Soares retorna ao Theatro Municipal do Rio como coreógrafo

Redação

Infantojuvenil ‘É Audição’ estreia no Teatro Vannucci

Redação

Still Reich, da Focus Companhia de Dança se apresenta no Teatro Prudential

Redação

Deixe um comentário