Home Teatro & DançaSão Paulo Corpórea Companhia de Corpos estreia espetáculo “Lôas” com temporada na periferia de São Paulo

Corpórea Companhia de Corpos estreia espetáculo “Lôas” com temporada na periferia de São Paulo

por Jorge Rodrigues
Espetáculo Lôas - Corporea - Foto de Sergio Fernandes

O espetáculo narra a trajetória de mulheres negras que buscam se libertar de estigmas para celebrar suas existências através da potência de seus corpos, o que as levam a reverberar não só suas imagens, mas também seus territórios e quilombos.

Corpórea Companhia de Corpos exalta a força das mulheres negras como um caminho para a ancestralidade

De 09 a 11 de dezembro de 2021, a Corpórea Companhia de Corpos estreia seu novo espetáculo “Lôas” como parte das ações do projeto “Fomentar Trajetórias: Movimentos Femininos em Recintos Femil(s)” contemplado na 29ª edição do Programa Municipal de Fomento à Dança para a Cidade de São Paulo.

Nos dias 09 de dezembro (quinta-feira), às 20:00, e 10 de dezembro (sexta-feira), às 10:00 e 20:00, as apresentações serão realizadas no CEU Vila do Sol, que fica na Avenida dos Funcionários Públicos, 369 – Vila do Sol, na Zona Sul de São Paulo.

Em 11 de dezembro (sábado), às 15:00 e 17:00, as apresentações serão no CDC SAJU, que fica na Rua Franklin Távora, 433 – Campo Limpo, também na Zona Sul de São Paulo.

O espetáculo “Lôas” apresenta o entrelaçamento da trajetória de seis mulheres em uma embarcação, que navegam por um oceano composto por suas próprias vivências e memórias. Em um contínuo movimento pendular, as histórias que elas têm para contar transmutam de seus corpos através da leveza, da tensão, da respiração, da gradação e do tremor.

Nestes percursos transatlânticos, que remetem às resistências históricas diante do tráfico de pessoas africanas escravizadas no Brasil realizado em navios negreiros e traçam um paralelo com a atual problemática da mulher negra diante do racismo estrutural, essas mulheres recriam sonoridades, gestualidades e imagens, que confluem na celebração de suas existências, convocando sua força a partir daquilo que vivem no presente.

“Mulheres negras como protagonistas de seus corpos, de suas cenas, de suas histórias, propondo entre si e ao público, a experiência de habitar a ancestralidade pelas vias físicas do corpo”, comenta o coletivo que tem como fundadores Verônica Santos e William Simplicio.

A centralidade poética da obra está na transposição do sentido histórico que chega aos dias atuais através das questões que permeiam as mulheres negras e seus corpos, e que revelam, ao mesmo tempo, a presença da resistência delas. E faz um mapeamento corporal a caminho da ancestralidade que acontece no tempo presente, esvaindo-se da ideia de que a ancestralidade se encontra apenas no passado e por isso marcada apenas por pontos doloridos, como a escravidão.

As intérpretes experienciam dançar suas memórias, corporificando sensações ao compartilhar suas estratégias de travessia. Uma performance que exalta a corporeidade assumindo a dimensão de potência significativa para identidade negra no Brasil.

“O corpo como um mapa que nos direciona. A ancestralidade que flui através dos nervos, da carne, da pele, da lágrima, da saliva. É como se, através dos poros que se abrem, essa ancestralidade viesse à tona para direcionar o nosso olhar adiante”, comenta o coletivo.

Diante do momento complexo vivido em razão da pandemia da COVID-19, em que o setor cultural precisou se adaptar às telas e o coletivo viveu uma experiência coletiva de contato com a morte, a Corpórea Companhia de Corpos propõe uma experiência coletiva de renovação.

“Um espaço pensado e criado para que as pessoas tenham experiências de seus corpos com outros corpos. Com Lôas, propomos uma experiência física pessoal para acessar a ancestralidade e propomos que o público também faça parte disso”, finaliza o coletivo.

Com uma trajetória significativa no campo da pesquisa, criação, pensamento e difusão da dança, a Corpórea Companhia de Corpos, desde sua criação em 2015, vem aprofundando sua pesquisa no cotidiano através do corpo feminino, pensando o protagonismo da sua existência como atravessamento dos tempos no mundo atual.

Com o espetáculo “Rés”, que estreou em 2017, a companhia denunciou a realidade de corpos femininos em situação de cárcere. A montagem recebeu uma indicação ao Prêmio APCA na categoria “Não estreia”, em 2019. A pesquisa deste trabalho rendeu ainda a contemplação no Edital Rumos 2017/2018 do Itaú Cultural, com o projeto: Ocupação Rés – mulheres em Cárcere.

Mais informações em www.corporeacompanhiadecorpos.com e @corporeacompanhiadecorpos

SERVIÇO: Estreia espetáculo “Lôas”

Com Corpórea Companhia de Corpos

Sinopse: Seis artistas, em uma mesma embarcação, cruzam trajetórias em contínuo movimento. Nesta experiência de dançar memórias, corporificam sensações ao compartilhar suas estratégias de travessia. Em um oceano de vivências, o pendular de seus corpos transmuta em leveza, tensão, respiração, gradação e tremor, as histórias que têm para contar. A partir de percursos transatlânticos, re-criam sonoridades, gestualidades e imagens que confluem na celebração de existir. Duração: 50 minutos

Classificação: 14 anos – Grátis

Apresentações no CEU Vila do Sol

Endereço: Av. dos Funcionários Públicos, 369 – Vila do Sol, Zona Sul, São Paulo – SP, 04962-000 – Telefone: (11) 3397-9800

Quando: 09 de dezembro de 2021 (quinta-feira) – Horário: 20:00

10 de dezembro de 2021 (sexta-feira) – Horários: 10:00 e 20:00

Apresentações no CDC SAJU (Clube da Comunidade Saju)

Endereço: R. Franklin Távora, 433 – Campo Limpo, Zona Sul,  São Paulo – SP, 05794-270

Quando: 11 de dezembro de 2021 (sábado) –  Horários: 15:00 e 17:00

Matérias relacionadas

Deixe um comentário