20.2 C
New York
junho 17, 2019
Exposição

Simone Cadinelli Arte Contemporânea prorroga exposição “Baixa dos Sapateiros”

Devido ao sucesso de público, depois de dois dias de workshop com todas as inscrições preenchidas e do êxito da performance “Pão de Açúcar”, a galeria Simone Cadinelli prorroga a exposição “Baixa dos Sapateiros”, do artista Tiago Sant’Ana, até o dia 28 de fevereiro. Nascido em Santo Antônio de Jesus, município considerado a capital do Recôncavo Baiano, Tiago Sant’Ana imprime suas raízes na maioria dos trabalhos como artista visual e performático. Em “Baixa dos Sapateiros”, que tem curadoria de Clarissa Diniz, a ideia central parte da imagem histórica dos sapatos como símbolo de libertação pós-abolição negra no Brasil. Considerado um dos pontos altos da exposição, as esculturas com sapatos  ̶de açúcar cristal estabelecem um paralelo com o complexo sistema de exploração da cana-de-açúcar e a chegada de muitos engenhos na região do Recôncavo.

 “O açúcar aparece com recorrência em meus trabalhos como uma tática de aproximar o debate sobre colonização com a atualidade, sobretudo para falar sobre racismo e a violência contra a população negra”, afirma Tiago, que foi um dos artistas indicados ao Prêmio PIPA 2018.

Segundo Lilia Moritz Schwarcz, em texto crítico para a exposição publicado no site da Simone Cadinelli Arte Contemporânea, “a arte de Tiago Sant’Ana faz política com estética, com a força das formas, a potência libertadora do negro insubmisso, com o branco do açúcar para exportação e o comércio da mão de obra escrava que atravessou, como diz Alberto da Costa e Silva, ‘esse rio chamado Atlântico’. Esse é um retrato em preto e branco. De preto no branco”.  

EXPOSIÇÃO “BAIXA DOS SAPATEIROS”
A mostra individual, que vai até o dia 13 de fevereiro, trata da imagem histórica dos sapatos como símbolo de libertação pós-abolição negra no Brasil. Essa abolição, oficiosa e sem reparação, era simbolizada pelo gesto de pessoas negras poderem calçar sapatos – tal qual a população branca. O título, “Baixa dos sapateiros”, remete a uma região de mesmo nome em Salvador, na Bahia, local em que muitas pessoas negras recorriam para confeccionar seus sapatos. “O nome surge com essa proposta de falar de um lugar em que muitas pessoas iam desejando essa representação da liberdade, que eram os sapatos”, informa o artista. “Era uma geografia que simbolicamente envolvia uma expectativa por essa promessa de cidadania para as pessoas negras, que nunca chegou completamente até hoje”, completa.

O ARTISTA
Tiago Sant’Ana (Santo Antônio de Jesus, 1990) é artista da performance, doutorando em Cultura e Sociedade pela Universidade Federal da Bahia. Desenvolve pesquisas em performance e seus possíveis desdobramentos desde 2009. Seus trabalhos como artista imergem nas tensões e representações das identidades afro-brasileiras – tendo influência das perspectivas decoloniais.  Foi um dos artistas indicados ao Prêmio PIPA 2018. Realizou recentemente a exposição solo “Casa de purgar” (2018), no Museu de Arte da Bahia e no Paço Imperial, no Rio de Janeiro. Participou de festivais e exposições nacionais e internacionais como “Histórias Afro-atlânticas” (2018), no MASP e no Instituto Tomie Ohtake, “Axé Bahia: The power of art in an afro-brazilian metropolis” (2017-2018), no Fowler Museum at UCLA, “Negros indícios” (2017), na Caixa Cultural São Paulo, “Reply All” (2016), na Grosvenor Gallery, e “Orixás” (2016), na Casa França-Brasil. Foi professor substituto do Bacharelado Interdisciplinar em Artes na Universidade Federal da Bahia entre 2016 e 2017.

“BAIXA DOS SAPATEIROS”

Exposição de Tiago Sant’Ana apresenta vídeo, fotografias, objetos e instalações que questionam a colonização e a abolição

Curadoria: Clarissa Diniz

Visitação: até 28 de fevereiro de 2019

Endereço: Rua Aníbal de Mendonça, 171, Ipanema. Rio de Janeiro.
Telefone: 21 3496-6821 / 99842-1323
E-mail: contato@ simonecadinelli.com
Site: www.simonecadinelli.com

Horário de funcionamento: de segunda a sexta, das 10h às 19h; aos sábados, das 11h às 15h.

Classificação: livre

Posts relacionados

Abertura da exposição “Ville invisible” do fotógrafo Vincent Catala apresenta 24 imagens de uma imersão na periferia carioca

Jorge Rodrigues

Museu de Arte Moderna de Resende recebe mostra de objetos reciclados

Redação

“Uma contínua transformação”

Redação

A brasilidade de Di Cavalcanti’ em exposição na ABI/RJ

Redação

Exposição reforça poder feminino

Redação

Sofitel Ipanema encerra 2018 com exposição coletiva ‘VIAJANTES’

Redação

Deixe um comentário