18.7 C
New York
maio 23, 2019
Música

Show retro-futurista único do Carlos Trilha (Gal, Marisa, Legião), no Sérgio Porto

Carlos Trilha - foto: Quinho Mibach
Carlos Trilha - foto: Quinho Mibach

No comando de um cockpit com 14 sintetizadores, o músico e produtor também incluirá releituras retro-futuristas de músicas de Villa-Lobos, Jean Michel Jarre e Carlos Gomes

Carlos Trilha faz no Rio de Janeiro o show de lançamento do álbum “Moogbeat – Nação Zumbi para minimoog”, que reúne clássicos da banda pernambucana decodificadas para a linguagem de um sintetizador analógico dos anos 60, o famoso Minimoog, pai (ou avô) da música eletrônica, numa imersiva, orgânica e vibrante performance musical. 
 
Trilha vai misturar essas releituras de hits da Nação Zumbi, composições próprias e versões retro-futuristas de Vangelis, Heitor Villa-Lobos, Jean Michel Jarre, Carlos Gomes e Kraftwerk nesse show, batizado como “Concerto Nº1 para Sintetizadores”. Será nesta sexta, 15 de fevereiro, no Centro Cultural Sérgio Porto, com ingressos a R$60. 

Especialista no uso de sintetizadores, Trilha pensou em surpreender os seus amigos da Nação, com os quais atua na banda ‘Los Sebozos Postizos’, focada no repertório do Jorge Ben. A Nação Zumbi recebeu a homenagem com alegria.

Este disco resgata os tempos áureos do minimoog no Brasil com a mesma importância dos álbuns lançados pelo grande Walter Carlos entre o final dos anos 60 e os anos 80. O meu amigo Carlos Trilha remonta esse quebra cabeça com maestria e a sensibilidade de quem enxerga o possível e eficaz diálogo entre a raiz africana da Nação Zumbi e esse instrumento, com sonoridade atemporal e possibilidades infinitas. Ao ouvir em primeira mão a versão de ‘Meu maracatu pesa uma tonelada’, me senti dentro da trilha sonora de ‘Laranja Mecânica’. Eis um álbum pra ficar nos ouvidos de quem é fã da Nação Zumbi e de quem simplesmente aprecia o novo”, celebra o baterista e compositor Pupillo.

Trilha trabalhou dois meses em silêncio, sintetizando e tocando, apenas no Minimoog, o som de cada instrumento do clássico ‘Meu maracatu pesa uma tonelada’ (Jorge du Peixe e Nação Zumbi), uma das músicas que melhor representam o movimento manguebeat. “Submergi na música. Foi um processo quase hipnótico”, brinca o artista. O resultado sonoro dessa primeira tradução eletromagnética superou as expectativas do músico e encantou todos que a escutaram. Daí para o disco foi um pulo, ou quase: o disco ficou pronto após mais um ano de trabalho artesanal.

Além da supracitada “Meu maracatu pesa uma tonelada”, o álbum traz faixas como “Futura” e “Blunt of Judah” (Jorge Du Peixe, Lúcio Maia, Dengue e Pupillo), mais “Quando a maré encher” (Fábio Trumer, Roger Man e Bernardo Chopinho), a linda “Prato de flores” (Du Peixe, Maia, Dengue, Pupillo e Toca Ogan), “Hoje, amanhã e depois” (os cinco compositores da anterior mais Gilmar Bolla 8). Todas recriadas utilizando como gerador de todos os sons – tanto os percussivos quanto os harmônicos – apenas o emblemático instrumento que fez história nos anos 1970.

Trecho do show em SP – https://www.facebook.com/CarlosTrilhaOficial/videos/1951930435114570/   

Serviço

CARLOS TRILHA NO SÉRGIO PORTO
Espaço Cultural Municipal Sérgio Porto
Rua Humaitá, 163 – Humaitá, Rio de Janeiro
Sexta-feira, dia 15 de fevereiro de 2019, às 20h30
Ingressos: R$60 inteira e R$30 meia-entrada / http://bit.ly/trilha-concerto-rj
Classificação: livre
Duração: 80 minutos 

QUEM É CARLOS TRILHA
Nascido em Florianópolis, Carlos Trilha é músico profissional desde 1986. Interessou-se pelo universo físico e eletrônico envolvido na geração dos sons desde seus primeiros anos na música, a partir do seu primeiro contato com um sintetizador aos dez anos. Em 1989, radicou-se no Rio de Janeiro onde tornou-se um dos tecladistas mais respeitados do Brasil, atuando com grandes artistas como Renato Russo e Marisa Monte.

Em 1992 foi convidado para participar da Legião Urbana. Sua afinidade musical com o grupo despertou o interesse de Renato Russo que o convidou para arranjar e produzir seus álbuns “The Stonewall Celebration Concert” e “Equilíbrio Distante”, que tiveram grande alcance chamando a atenção para o jovem produtor.

Desde então, Trilha vêm trabalhando incessantemente como produtor musical, arranjador, programador e tecladista, participando de gravações de centenas de faixas de artistas do cenário nacional, como Renato Russo, Lobão, Jerry Adriani, Legião Urbana, Ana Carolina, Erasmo Carlos e Gal Costa, além de participações especiais nas turnês internacionais de Marisa Monte.

CARLOS TRILHA NAS REDES SOCIAIS

www.instagram.com/carlostrilha

www.facebook.com/CarlosTrilhaOficial

Posts relacionados

O grupo Musical Clube, que vem animando os domingos de fevereiro na nova temporada do Samba na Cobal fazsua última apresentação.

Redação

Com ator da Globo, banda Fulanos e Ciclanos traz show ao BlankaraDinner Club, na Barra da Tijuca

Redação

Jorge Aragão e Bom Gosto no Vivo Rio

Redação

Barro faz show do disco “Somos” no Rio de Janeiro

Redação

Primeira transmissão ao vivo de show via streaming de áudio do país é na madrugada de sexta para sábado, na Deezer, com Baco Exu do Blues

Redação

Narreal Brewhouse (chope e hambúrguer verdes)

Redação

Deixe um comentário