Seminário de dança ‘Em foco 2: Cultura Afro-brasileira no Ziembinski

A segunda edição do Em Foco: cultura afro-brasileira: aprendendo com os mais velhos apresenta, nos dias 27, 28 e 29 de abril, três artistas-criadores, que pesquisam há mais de 20 anos aspectos da cultura afro-brasileira, na interface com a arte – educação e a elaboração cênica. Pensadores que ousam discutir em suas produções:  as questões de sexualidade e gênero; dos ritos culturais e religiosos; do ativismo, da sociabilidade e da política. Cada convidado apresentará uma palestra abordando sua trajetória de pesquisa artística, educacional e política.

Dia 27 de abril quinta-feira

Denise Mancenbo Zenicola
Possui Mestrado em Teatro e Doutorado em Artes Cênicas pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro UNIRIO. Bailarina, Coreógrafa e Diretora Teatral. Formação em Dança Clássica, Contemporânea, Contato Improvisação e Danças Negras. Trabalha com fusões de Danças Contemporâneas com as Estéticas Afro descendentes na cena. É Professora da Universidade Federal Fluminense – UFF e líder no grupo inscrito no CNPQ Coletivo MUANES Dançateatro e Performances Afro Brasileiras. É pesquisadora do Grupo Arte e Literatura Latino Americana e é pesquisadora colaboradora há 18 anos na Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro junto ao NEPAA (Núcleo de Estudos das Performances Afro Ameríndias). É Coordenadora na ABRACE, Associação Brasileira de Pós-Graduação em Artes Cênicas no GT Estudos da Performance. Tem experiência na área de Artes, com ênfase em Estudo da Performance, atuando principalmente nos seguintes temas em Transdisciplinaridade: dança, teatro, memória, arte negra, videodança. Projetos em Desenvolvimento: Efetua performances artísticas com o Coletivo Muanes Dançateatro; Efetua performances artísticas com o Grupo Nepaa; Desenvolve o Projeto de Pesquisa e Extensão Quando Toca o Tambor. Em 2014 lançou o livro Ritual e Performance. Desenvolvendo pesquisa em Pós-Doutoramento Senior em Danças Negras e Grafismos Corporais /financiamento Capes, em Lisboa.

Dia 28 de abril – sexta-feira

Eliete dos Santos Miranda
Formada em dança pela universidade Federal da Bahia. Atuou dez anos em Salvador coordenando o grupo de dança das Yaôs e é uma das percussoras do Bando de Teatro Olodum onde atuou como atriz e bailarina. Foi diretora artística da Escola de Música e Percussão Didá, corégrafa dos blocos afros de salvador e vice-coordenadora da pastoral da mulher marginalizada. Eliete no Rio de Janeiro ministrou oficinas de dança afro no Centro Cultural José Bonifácio, Teatro Carlos Gomes, na UERJ (Universidade do Estado do Rio de Janeiro), FACHA (Faculdades Integradas Hélio Alonso) e UnATI (Universidade Abertura da Terceira Idade). Por quatro anos consecutivos (1984 a 1987) foi convidada a realizar oficinas de dança no Festival Latino-Americano de Arte e Cultura, realizado na UNB, em Brasília. Atuou como preparadora corporal do grupo Nós do Morro e é coordenadora e coreógrafa da Cia. CORPAFRO.

 Dia 29 de abril – sábado

Alexandre Carvalho dos Santos
É professor do departamento de arte corporal da Universidade Federal do Rio de Janeiro e trabalha na área de folclore Brasileiro. É associado a 23 anos à Companhia Folclórica do Rio de Janeiro e Coordena do grupo de Pesquisa de Africanidade na Dança-Educação (PADE). Atua na área de políticas públicas para as comunidades de terreiros. Alexandre é artista, brincante, poeta, pintor, compositor e cantor do Grupo Barravento.