SBPRJ e Midrash promovem leitura da peça ‘Atrás do Mundo’ e bate-papo com a autora

Encenado no fim de 2017, espetáculo tem a proposta de transformar as adversidades da vida em chances de crescimento pessoal através da arte

A Sociedade Brasileira de Psicanálise do Rio de Janeiro (SBPRJ), em parceria com o Midrash Centro Cultural, promoverá, no dia 3 de maio, uma leitura da peça teatral ‘Atrás do Mundo’, de Maria Eduarda de Carvalho e coautoria de Luiza Wine, com participação do elenco. Em seguida será realizado um bate-papo com a autora e o psicanalista José Renato Avzaradel, mediado pela psicanalista Sônia Eva Tucherman. Estarão em pauta os temas abordados no espetáculo: saudades, separação, morte e excesso de medicalização. Promovido pelo Departamento de Difusão da Formação Psicanalítica da SBPRJ, o evento será no Midrash, no Leblon, a partir das 20h.

Apresentada no Teatro Ipanema entre outubro e dezembro de 2017, ‘Atrás do Mundo’ toca na morte para falar da vida. Através do olhar de duas crianças, a peça trata de temas comuns a qualquer pessoa, como perda, medo e saudade. Uma das personagens é Didia, uma menina de sete anos que perde sua irmã, grande amiga e companheira. Guigo é um menino sozinho e frágil que acaba de vivenciar a separação de seus pais e, na tentativa de amenizar sua solidão, constrói um aparelho para ser capaz de alçar voos e não se sentir mais tão excluído. No desamparo de suas perdas, os dois se encontram e se entendem.

A obra tem como objetivo transformar a dor em possibilidades de crescimento através da poesia, ajudar as crianças a elaborar temas delicados e viver com menos medo e mais fantasia, e falar das perdas de forma lúdica, usando o humor como ferramenta de transformação. Didia e Guigo dividem com o público suas experiências sobre como é possível atravessar as adversidades sem perder o interesse pelos encantos da vida.

A leitura completa da peça tem duração em torno de 50 minutos e em seguida será iniciado o debate. O espetáculo não será encenado na ocasião. O ingresso custa R$ 40 e está à venda no site https://www.sympla.com.br/atras-do-mundo-a-arte-que-transforma-a-dor__275752 . O Midrash Centro Cultural fica na Rua General Venâncio Flores, 184, Leblon, Zona Sul do Rio de Janeiro. Mais informações pelo e-mail secretaria@midrash.org.br.

AUTORA SE INSPIROU NA PRÓPRIA HISTÓRIA

Com direção de Cristina Flores, ‘Atrás do Mundo’ teve no elenco os atores Daniel Chagas, Elisa Pinheiro, Leandro Baumgratz, Luiza Scarpa – que participarão da leitura – e a própria Maria Eduarda de Carvalho, que estreou como autora teatral. A peça surgiu da necessidade que Maria Eduarda teve de falar da morte de sua irmã, vítima de um câncer raro, para a filha, Luiza, de 7 anos. Maria Antonia, a tia da menina, tinha 26 anos quando descobriu que estava doente. Ela morreu um mês depois de Luiza nascer, mas a pequena sempre questionou por que não conhecia a tia, de quem tanto a mãe falava.

“A peça surgiu da necessidade de transformar meu olhar diante do imponderável da vida. Em um intervalo de um mês, desfrutei a alegria infinita de ver minha filha nascer e sofri a dor mais profunda: a morte de minha irmã e grande cúmplice, Maria Antonia. Para além de todo o sofrimento vivido, uma questão não me saía da cabeça: como tornar Antonia viva para Luiza? Como fazer com que Luiza conhecesse sua tia, mesmo nunca a tendo encontrado? Como tocar na morte para falar da vida e de seus encontros irreversíveis, insubstituíveis e eternos? Nasceu ‘Atrás do Mundo’, contou Maria Eduarda de Carvalho em entrevista por ocasião da estreia.

Em artigo publicado na revista literária São Paulo Review em dezembro de 2017, o escritor Jacques Fux comentou: “Adultos e crianças têm se emocionado de formas diferentes com ‘Atrás do Mundo’. Os olhos atentos, extasiados e telescópicos dos miúdos se espantam diante da consumação da fábula, da brincadeira de faz-de-conta levada tão a sério, a ferro, a fogo e sonho que o teatro e a imaginação possibilitam […] E é em ‘Atrás do Mundo’ que pais e filhos se abraçam e compreendem que a arte não salva ninguém. Mas acolhe, aconchega e ajuda na busca do encantamento da vida que muitas vezes deixa de existir cedo, cedo demais.”

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.