24.5 C
New York
junho 26, 2019
Notícias

Rock in Rio 2019: Divulgados os 14 shows que completam o Line-Up do Palco Sunset

Parcerias serão eternizadas em faixas gravadas e produzidas no Red Bull Music Studios São Paulo

A organização do Rock in Rio anunciou em evento realizado no Red Bull Station, em SP, na noite desta segunda-feira, os encontros que fecham o Line-Up do Palco Sunset na edição deste ano do festival. Ao todo 14 novos shows foram revelados:

Na sexta-feira, 27 de setembro, Karol Conka convida Linn da Quebrada e Gloria Groove, enquanto Mano Brown se apresentará pela primeira vez no Rock in Rio com um convidado que promete surpreender o público. No dia 28, a programação é para os fãs de rock: a banda Ego Kill Talent abre os trabalhos com participação de Paulo Miklos e os cariocas do Detonautas Roque Clube prometem muita atitude em show com os paulistas do Pavilhão 9. Já os lendários Titãs tocam com Ana Cañas, Edi Rock e Érika Martins. No domingo do primeiro fim de semana de apresentações, Plutão Já Foi Planeta e Mahmundi fazem o show de abertura do Palco Sunset.  Na sequência, Elza Soares convida As Bahias e a Cozinha Mineira, Kell Smith e Jéssica Ellen. Antes da headliner Jessie J, as cantoras IZA e Alcione farão uma união de estilos e atitude.

As atividades da quinta-feira, 3 de outubro, começam com o encontro de latinidades entre as bandas francisco, el hombre e Monsieur Periné. Após o show Pará Pop, o segundo do dia, Emicida recebe as gêmeas do duo Ibeyi. O show Hip Hop Hurricane fecha o palco com um time de peso: Nova Orquestra, Rael, Agir, Baco Exu do Blues e Rincon Sapiência. No sábado, dia 5, a Funk Orquestra fará um passeio pelas fases do ritmo com a participação de Ludmilla, Fernanda Abreu, Buchecha e MC Sapão. O cantor de country pop americano Kane Brown tocará com a revelação Giulia BeA dupla Anavitória e o cantor Saulo farão uma ode ao amor no show que acontece antes da apresentação de Charlie Puth.

Para Zé Ricardo, diretor Musical do Palco Sunset, o Line-Up de 2019 é o mais forte da história do festival. “Temos bandas que nunca vieram ao Brasil como King Crimson, revelações do cenário mundial como Charlie Puth e Jessie J, show do Whitesnake e a última turnê do Slayer. Nós seguimos na busca por qualidade e diversidade. São muitos estilos diferentes, artistas se combinando em reuniões únicas. Os shows são inéditos e montados artesanalmente, com contribuições de todos os músicos, o que resulta em espetáculos novos e surpreendentes. Teremos, por exemplo, a Xenia França com o Seal e a Giulia Be com o Kane Brown. Reunimos o máximo de diversidade que é possível apresentar em uma edição só”, explicou Zé Ricardo.

Até a data do festival, o Red Bull Music Studios, em São Paulo, receberá artistas que se apresentarão em colaboração para gravarem faixas inéditas do encontro antes dos shows. Em 2017, a ação promeveu o encontro e gravação de quatro colaborações (Ney Matogrosso e Nação Zumbi; Céu e Boogarins; Jonnhy Hooker, Liniker e Almério; Baiana System e Titica) . Segundo Zé Ricardo, a parceria da Red Bull com o Rock in Rio serve para reforçar ainda mais o conceito do Palco Sunset. “A Red Bull e o Sunset têm o mesmo DNA. Eles buscam os mesmos tipos de artistas, querem provocar e surpreender. Vamos repetir a gravação de faixas exclusivas no Red Bull Music Studios, como fizemos na edição passada. O produto foi um sucesso! E este ano receberemos  Karol Conka, Linn da Quebrada e Gloria Groove, Emicida e as meninas do Ibeyi e mais algumas faixas”, finalizou o diretor musical que também assina o Espaço Favela, uma das novidades do festival este ano.

O Rock in Rio 2019 acontece nos dias 27, 28 e 29 de setembro, 3, 4, 5 e 6 de outubro de 2019, na Cidade do Rock (Parque Olímpico, na Barra da Tijuca). A venda oficial dos ingressos está marcada para o dia 11 de abril, a partir das 19h.

PALCO SUNSET – PROGRAMAÇÃO COMPLETA

27.09 (Sexta-feira)
Seal e Xenia França
Mano Brown e Guest
Karol Conka convida Linn da Quebrada & Gloria Groove
Lellê & Blaya

28.09 (Sábado)
Whitesnake
Titãs convidam Ana Cañas, Edi Rock & Érika Martins
Detonautas e Pavilhão 9
Ego Kill Talent e Paulo Miklos

29.09 (Domingo)
Jessie J
IZA & Alcione
Elza Soares convida As Bahias e a Cozinha Mineira, Kell Smith e Jéssica Ellen
Plutão Já Foi Planeta e Mahmundi

03.10 (Quinta-feira)
Hip Hop Hurricane: Nova Orquestra, Rael, Agir, Baco Exu do Blues e Rincon Sapiência
Emicida & Ibeyi
Pará Pop: Dona Onete, Gaby Amarantos, Lucas Estrela, Fafá de Belém e Jaloo
francisco, el hombre e Monsieur Periné

04.10 (Sexta-feira)
Slayer
Anthrax
Torture Squad e Claustrofobia convidam Chuck Billy
Nervosa

05.10 (Sábado)
Charlie Puth
Anavitória e Saulo
Kane Brown e Giulia Be
Funk Orquestra com Ludmilla, Fernanda Abreu, Buchecha e MC Sapão

06.10 (Domingo)
King Crimson
Lulu Santos e Silva
Melim e Carolina Deslandes
O Terno e Capitão Fausto

Os artistas: 

Sobre Mano Brown

Nascido em São Paulo, em 1970, Mano Brown (Pedro Paulo Soares Pereira) se tornou nacionalmente conhecido após formar, no final dos anos 1980, o grupo Racionais MC´s, considerado o maior representante do Rap brasileiro, juntamente com Ice Blue, Edi Rock e o DJ KL Jay. Com o grupo gravou oito álbuns, entre eles os memoráveis “Sobrevivendo no Inferno” (1997) e “Nada como um Dia Após o Outro Dia” (2002), que apresentou músicas como “Diario de um detento”, “Vida Loka I”, “Vida Loka II” e “Negro Drama”. 

Sobre Karol Conka

A curitibana Karol Conka, 32 anos, veio para mudar o cenário do rap. Em 2013, foi a vencedora do Prêmio Multishow na categoria “Revelação”, superando indicadas como Anitta e Clarice Falcão. Um ano depois, foi a única fora do circuito Europa-EUA da lista dos “Novos artistas do mundo que merecem ouvidos” da revista americana Rolling Stone. Em 2014, fez sua primeira turnê pela Europa – o sucesso a fez voltar mais duas vezes, passando por Paris, Viena, Amsterdã, Berlim e Londres. Karol Conka marcou presença e se tornou a primeira artista a não cantar em inglês na BBC Radio 1, uma das principais rádios inglesas. O trabalho mais recente de Karol é o álbum Ambulante (2018), nele apresenta novas influências como o reggae na faixa “Saudade” ou o pop em “Vogue do Gueto”.

Sobre Linn da Quebrada

Artista multimídia, Linn encontrou na música uma poderosa arma na luta pela quebra de paradigmas sexuais, de gênero e corpo. As possibilidades de sua performance são tantas, que atualmente Linn tem se dividido em dois tipos de apresentações ao vivo: os shows de Pajubá, seu disco de estreia, e o processo experimental Trava Línguas, este elaborado a partir da diferença e da repetição como busca por novas ideias. Acompanhada pela sua banda – Jup do Bairro (parceira e blackqueen vocal), Dominique Vieira (percussionista), BadSista (DJ) e Pininga (DJ) -, Linn da Quebrada tem se destacado na cena brasileira de música eletrônica e experimental a partir de uma mistura musical indecifrável – e ao mesmo tempo contagiante.

Sobre Gloria Groove

Gloria Groove é a persona artística do multitalentoso Daniel Garcia Felicione Napoleão. O artista é um cantor, compositor, bailarino, rapper e dublador. Com 24 anos, Daniel está no mundo artístico desde 2002, quando integrou uma versão do grupo Balão Mágico. Em 2016, já como Gloria Groove, lançou o single “Dona” que teve grande repercussão. Seu álbum de estreia O Proceder foi lançado em 2017. As letras são, em sua maioria, retratos de sua vida como gay e drag queen de periferia. Em 2018, lançou o single “Bumbum de Ouro” que soma mais de 65 milhões de visualizações no YouTube. Seu mais recente lançamento é o single “Coisa Boa”, de janeiro de 2019.

Sobre Titãs

Os Titãs são uma das bandas de rock mais reconhecidas do país. Estouro na década de 80, atualmente é formada por Branco Mello, Sérgio Britto e Tony Belloto, com apoio de Mário Fabre e Beto Lee. Em 1986, o disco Cabeça de Dinossauro caiu no gosto do público, e os Titãs ficaram conhecidos nacionalmente por suas letras políticas e seu estilo rock’n roll. A banda passou a fazer shows em todo o Brasil, e já estão em sua 22° turnê pela país, com seu show em formato intimista, “Titãs Trio Acústico”. Em sua carreira, produziram mais de 20 álbuns, com clássicos como Homem Primata e Polícia.  Foram de mais de 6 milhões de cópias vendidas. Os músicos já conquistaram importantes prêmios do mundo da música, como o Grammy Latino de Melhor Álbum de Rock Brasileiro (2009), Melhor Grupo de Pop/Rock (1989, 2004, 2016) pelo Prêmio da Música Brasileira, entre muitos outros. O grupo esteve nas edições de 1991, 2011, 2012 (Lisboa), 2015 e 2017, entre baladas e canções em tom de protesto, fizeram shows marcantes para todas as idades.

Sobre Ana Cañas

Em 2007, Ana lançou seu primeiro álbum “Amor e Caos”. A cantora estreou no meio musical com muitos elogios da crítica e foi considerada a grande revelação musical daquele ano. Em 2008, Ana continuou conquistando o público e concorreu ao prêmio Multishow, na categoria Revelação. O segundo trabalho da artista “Hein?”, teve participações de peso, como Arnaldo Antunes e Gilberto Gil ao violão, e a canção “Esconderijo” virou tema de novela na época. Em 2012 lançou o álbum “Volta”, o disco transformou-se, posteriormente, no show e DVD ‘Coração Inevitável’ e contou com a direção e iluminação de Ney Matogrosso. Em 2015, Ana decidiu lançar seu primeiro trabalho totalmente autoral, com pegada mais rock, e o mais recente, o disco “Todxs”, de 2018, álbum independente, empoderado, feminista, com beats eletrônicos pesados e grooves sensuais. Produzido por Thiago Barromeo e Ana Cañas, o disco conta com as participações do rapper Sombra (SNJ) e do cantor Chico Chico.

Sobre Edi Rock

Tendo uma bagagem impressionante no Rap Nacional, Edi Rock apresenta seu trabalho solo. De mente afiada e levada potente, o artista norteou e ainda norteia os caminhos dos Racionais MC´s ao lado de Mano Brown, Ice Blue e KL Jay. Em plena maturidade, desbrava horizontes musicais até então guardados em sua imaginação e vontade. Na prática, Edi Rock entrou em estúdio para explorer suas afinidades e influências sonoras adquiridas ao longo de sua caminhada. Em seu show solo, apresenta sucessos do album “Contra Nós Ninguém Será”, como “That´s My Way”, e músicas inéditas do seu próximo disco ainda inédito, como “Sonhos em Construção”, “De Onde eu Venho” e “Corre Neguin”.

Sobre Érika Martins

A ex-integrante do extinto grupo de rock Penélope, formado em 1995, foi um estouro nos anos 2000, com três álbuns lançados. Érika e sua banda Penélope fizeram uma participação no Rock in Rio na edição de 2001. Sua voz suave e cheia de personalidade conquistou o público e, após o término da banda, Érika começou a carreira solo e produziu mais três álbuns, sendo o último em 2013, com uma pegada de rock moderno que foi elogiado pelos críticos musicais. Atualmente, a cantora faz parte do projeto Lafayette & Os Tremendões, que faz releituras de música da Jovem Guarda, e é a vocalista da banda Autoramas, uma das mais importantes do segmento rock, com apresentações em grandes festivais pelo Brasil e uma marcada para Liverpool. Érika já foi indicada para o Grammy Latino, para o VMB da MTV e o prêmio Multishow (na categoria ‘melhor cantora’).

Sobre Detonautas

A banda Detonautas Roque Clube é uma das maiores representantes do rock nacional, com 21 anos de carreira, 6 álbuns de estúdio, 3 dvds ao vivo, incluindo o da antológica apresentação no Rock in Rio 2011, quando dividiu o Palco Mundo com artistas internacionais como Guns’n’Roses e System Of A Down, e algumas coletâneas. Tocam por todo Brasil desde 2002 ininterruptamente, participando de todos os grandes festivais do país e com algumas turnês internacionais nos EUA e Japão. É uma das bandas mais ouvidas nas plataformas de streaming, estando entre as 10 mais do segmento. O trabalho mais recente da banda é o álbum “Detonautas Roque Clube VI”, de 2017, o sexto de estúdio da banda.

Sobre Pavilhão 9

Conhecido por seu discurso forte, pelas letras engajadas que tratam de questões sociais, políticas e culturais, o Pavilhão 9 é considerado um dos principais grupos de hip hop da década de 1990. Após um hiato de 11 anos,a banda voltou com o álbum “Antes Durante Depois”, lançado em 2017. Na formação atual, o fundador da banda Rhossi, com seu vocal marcante, e novos integrantes que trouxeram peso e renovaram o time: o guitarrista Rafael Bombeck (ex-La Raza), o baterista Leco Canali (ex-Tolerância Zero), Juninho no baixo e o DJ MF.

Sobre Ego Kill Talent

Formada em 2014, a Ego Kill Talent é composta por membros de vários grupos brasileiros de rock, como Udora, Sepultura e Sayowa. Os músicos, que compõem em inglês, foram considerados uma das revelações de 2017 com seu primeiro álbum de estúdio “Ego Kill Talent”, lançado após os EPs “Sublimated” (2015) e “Still here” (2016). A banda também produziu um disco ao vivo, gravado na Arena de Nimes na França, em 2017. Nos shows internacionais, foram elogiados pelas publicações europeias e conquistaram grande audiência nas performances em rádios da Holanda.

Sobre Paulo Miklos

O primeiro disco dos Titãs, lançado em 1984, trouxe o primeiro grande sucesso na voz de Paulo Miklos, “Sonífera Ilha”. A partir daí foram mais 18 discos lançados até 2015, com diversos grandes sucessos nacionais. Alguns interpretados por ele, como “Bichos Escrotos” (1986), “Diversão” (1987), “Pra Dizer Adeus”, do disco “Acústico” (1997), e “É Preciso Saber Viver”, que se tornou hit no Brasil inteiro na regravação dos Titãs. Junto a banda, Paulo ganhou diversos discos de ouro e platina, além de importantes prêmios como; “Grammy”, “MTV Music Awards”, “MTV Brasil”, “Prêmio Multishow”, “Grande Prêmio da Música Brasileira” e “APCA”, entre outros. Em sua carreira solo, lançou três álbuns. O primeiro, de 1994, leva seu nome e foi escrito, composto e produzido por ele. O segundo, “Vou Ser Feliz e Já Volto” (2001) traz uma sonoridade moderna e autoral. O terceiro disco solo, o primeiro depois da saída dos Titãs, o elogiado “A Gente Mora No Agora”, foi indicado como melhor disco de 2017 por diversos críticos, revistas e sites.

Sobre IZA

Do subúrbio carioca, em Olaria, IZA mostrou sua voz pela primeira vez em vídeos no Youtube. O público passou a acompanhar a cantora e em 2017 o single “Pesadão” não passou despercebido, emplacou nas principais rádios e entrou na terceira posição do ranking das mais tocadas da Billboard Brasil. O videoclipe da música com Marcelo Falcão teve 220 milhões de visualizações. O álbum de estreia foi lançado em 2018, “Dona de Mim” mescla sons do pop, R&B, reggae e jazz. A cantora que conquistou os críticos musicais, também foi reconhecida nas premiações Women’s Music Award, como Revelação do Ano (2017), Melhor Música e Melhor Álbum (2018), no Prêmio Multishow pela Melhor Música (2018), e concorreu ao Grammy Latino na categoria Melhor Álbum Pop Contemporâneo na Língua Portuguesa.  Atualmente, IZA divide o tempo entre os palcos – com a turnê nova “Dona de Mim”, lançada em agosto do ano passado – e a apresentação do ‘Música Boa Ao Vivo’, no Multishow, todas as terças-feiras. IZA também será uma das apresentadoras do “Só Toca Top”, da TV Globo, deste ano.

Sobre Alcione

A cantora, compositora e instrumentista é considerada a Rainha do Samba. O seu primeiro disco foi produzido em 1975, e atualmente já são mais de 30 álbuns gravados. Voz e interpretações inigualáveis deram prestígio nacional e internacional a Alcione, em mais de 45 anos de carreira. Em 2003, a Marrom conquistou o Grammy Latino na categoria Melhor Álbum de Samba e Pagode, foi eleita Melhor Cantora Popular pela Academia Brasileira de Letras naquele ano, no Prêmio da Música Brasileira conquistou vinte títulos em diferentes edições, entre muitos outros reconhecimentos.

Sobre Elza Soares

A consagrada cantora brasileira é conhecida em território nacional e internacional por suas interpretações inconfundíveis. O seu primeiro álbum foi gravado em 1960, e pelas composições e potência vocal, foi eleita em 1999 como a “cantora do milênio” por uma rádio britânica. Atualmente, tem quase de 40 discos lançados e participa da seleção das 100 maiores vozes da música brasileira da revista Rolling Stone Brasil. A musa da MPB foi reconhecida em renomadas premiações brasileiras com seu disco “A Mulher do Fim do Mundo” (2016), e conquistou ainda o concorrido Grammy Latino de Melhor Álbum de Música Popular Brasileira. Em apresentações e participações especiais em programas de TV, Elza divulga seus discos e o single mais recente, “Na Pele”, lançado em parceria com Pitty.

Sobre As Bahias e a Cozinha Mineira

O trio de Assucena Assucena, Raquel Virginia e Rafael Acerbi se encontrou em 2011, no curso de História da USP. Eles tocavam, cantavam, organizavam saraus e debates sobre temas como feminismo e racismo. No mesmo ano, formaram um grupo musical. O resultado desta união nada casual resultou em projetos independente, o primeiro álbum no fim de 2015, chamado “Mulher” e o segundo em 2017, intitulado “Bixa”. O segundo álbum foi reconhecido pelo Prêmio da Música Brasileira, nas categorias “Canção Popular Grupo” e “Canção Popular Álbum”. 

Sobre Kell Smith             

A cantora conquistou notoriedade nacional com seu primeiro EP. A faixa “Respeita as Mina” virou canção de uma conhecida torcida de futebol e “Era uma Vez” entrou nas paradas musicais como a mais ouvida do Brasil em 2017. Os singles “Meu Lugar” e “Viajar é Preciso” também repercutiram e foram elogiadas nas plataformas digitais. Em 2018, Kell Smith produziu seu primeiro álbum, “Girassol”, com 14 músicas que estão sendo trabalhadas em apresentações nacionais.

Sobre Jéssica Ellen

Jéssica Ellen é uma cantora, atriz e bailarina brasileira. A cantora participava de atividades culturais nas escolas que estudou e ingressou para o coro da Escola de Música da Rocinha quando mais nova. Em 2017, a vontade de lançar um trabalho musical fez com que Jéssica mergulhasse de cabeça no processo de desenvolvimento do seu primeiro álbum. “Sankofa”, lançado em maio de 2018, é ao mesmo tempo o resgate e a celebração de sua ancestralidade, reunindo músicas de ritmos brasileiros como o samba e o jongo.

Sobre Plutão Já Foi Planeta

A voz suave da cantora Natália Noronha, entoa as composições autorais do grupo que conquistou a audiência nacional em uma competição musical da TV.  Formada em 2013, a banda conta ainda Gustavo Arruda, Sapulha Campos, Vitória de Santi e Renato Lelis. O Plutão Já Foi Planeta lançou seu primeiro álbum “Daqui Pra Lá” em 2014, no Rio Grande do Norte. Em 2017, o grupo lançou seu trabalho mais recente “A Última Palavra Feche a Porta”. A divertida “Você não é mais planeta” e a faixa “Alto Mar”, são cantadas em coro pelo público que acompanha a banda.

Sobre Mahmundi

A carioca de Marechal Hermes, Marcela Vale, é a voz por trás da persona Mahmundi. Em sua carreira lançou dois EPs e um disco que foram bem recebidos pelo público e pela crítica. Após suas produções, Marcela assinou seu primeiro contrato com uma gravadora e foi para o estúdio, ao lado do músico Lux Ferreira, para produzir o disco “Para Dias Ruins”. O trabalho é uma mistura de ritmos que vão de batidas retrô ao afrobeat.

Sobre Nova Orquestra

Baseada em um novo conceito de experiência e consumo de música de concerto, a Nova Orquestra nasce em um momento oportuno. Em todo o mundo orquestras buscam novos meios de conquistar um novo público e se reinventar, mas a nossa missão é ir além, apresentando espetáculos populares e clássicos nos mais diversos palcos, com convidados e repertórios inusitados, usando uma linguagem atual e dinâmica , criando experiências únicas e mostrando que uma orquestra também pode ser um bom entretenimento. O maestro titular e artístico do grupo é Éder Paolozzi, também é regente da Orquestra Sinfônica Cesgranrio, e traz na bagagem experiências tanto no mercado nacional quanto internacional, além de concertos clássicos e pops inesquecíveis.

Sobre Rincon Sapiência

O MC, produtor e empresário Rincon Sapiência é um artista de destaque na cena musical brasileira. Em 2017, lançou Galanga Livre, seu álbum de estreia, que entrou para a lista dos 50 melhores álbuns da música brasileira de 2017 da Associação Paulista dos Críticos de Artes (APCA) e ganhou dois troféus do Superjúri no Prêmio Multishow daquele ano. A premiação também rendeu o título de Revelação do Ano, reforçado pela sua eleição como Artista do Ano pela APCA. Desde então, Sapiência tem trabalhado na divulgação do álbum no Brasil e no exterior, período em que também reafirmou a sua versatilidade artística em parcerias musicais com Sidney Magal, Alice Caymmi, Rubel, Drik Barbosa e IZA. Recentemente, o artista lançou o seu próprio selo musical independente, chamado MGoma, apostando em seu reconhecimento como um dos produtores musicais mais respeitados da cena.

Sobre Baco Exu do Blues

Diogo Moncorvo, mais conhecido como Baco Exu do Blues nasceu há 22 anos em Salvador e surgiu no cenário nacional em 2016 com a faixa “Sulícidio”, em parceria com Diomedes Chinaski. Ano passado, lançou seu primeiro disco “Esú”, presente em praticamente todas as listas de melhores discos do ano passado. O álbum levou o artista aos principais festivais do país e lhe rendeu muitas indicações e prêmios incluindo o de artista revelação e melhor música (Te amo, disgraça) do Prêmio Multishow este ano.  Aliás, “Te amo, disgraça” acaba de entrar na trilha da minissérie da Rede Globo, “Ilha de Ferro” e é tema das personagens de Cauã Reymond e Maria Casadevall. 

Sobre Emicida

Emicida é um dos maiores cantores de rap do Brasil. Desde que lançou seu primeiro single, já conquistou o título de Música do Ano em 2012, pela MTV Video Music Brasil, Melhor Clipe em 2015, pelo Multishow, duas indicações ao Grammy Latino entre outros. Em sua carreira, são três álbuns de estúdio, três gravados ao vivo e o mais recente, em outubro de 2018, o trabalho digital “10 anos de Triunfo”, em menção ao seu primeiro hit. Emicida tem afinidade com cinema, produziu três documentários e esteve na trilha sonora da animação indicada ao Oscar em 2016, “O Menino e o Mundo”. Em 2018, lançou uma faixa com inspiração no filme “Pantera Negra”, que fala sobre raízes africanas e venceu três das seis indicações do Oscar 2019.

Sobre Ibeyi

As gêmeas franco-cubanas, Lisa-Kaindé e Naomi Díaz, mostram em seus trabalhos muitas influências das suas referências musicais. Na carreira da dupla, o EP “Oya” foi lançado em 2014, e seu primeiro álbum de estúdio em 2015, o “Ibeyi”, conquistou o público por suas músicas com letras pessoais e influências de raízes africanas. Em 2017, o disco “Ash” foi produzido por Richard Russel, dono da XL Records, que tem em seu portfólio grandes nomes da música, como a cantora Adele. O duo já conquistou outros artistas, como o próprio Emicida com quem fizeram uma parceria, e a cantora Beyoncé, que convidou as gêmeas para o filme do seu álbum “Lemonade”.

Sobre francisco, el hombre

“Somos as fronteiras que cruzei”, diz um dos versos da música intitulada “Francisco, el Hombre”, que está no EP de estreia La Pachanga (2015), da banda. Talvez tal frase seja a que melhor representa o grupo formado pelos irmãos mexicanos Sebastián (bateria e voz) e Mateo Piracés-Ugarte (violão e voz) e pelos brasileiros Juliana Strassacapa (voz), Andrei Kozyreff (guitarra) e Rafael Gomes (baixo). Isso porque o quinteto encontra na estrada (e na vida cotidiana) as suas grandes inspirações, mas não só. Com letras em português e em espanhol, a banda se tornou uma peça fundamental na conexão latino-americana. A francisco, el hombre tem dois discos de estúdio gravados. SOLTASBRUXA, de 2016, rendeu cerca de 200 shows no Brasil e mais 40 apresentações internacionais, incluindo países como Cuba e México. A música “triste, louca ou má” foi indicada ao Grammy Latino na categoria Melhor Canção em Língua Portuguesa e ainda virou trilha da novela global Do Outro Lado do Paraíso. RASGACABEZA, lançado em março de 2019, é uma ruptura com todo o passado da banda. Ora soa freak, ora soa punk, ora soa do jeito que tem que soar.

Sobre Monsieur Periné

Vencedor do Grammy Latino como “Melhor Artista Novo” em 2015, é atualmente uma das bandas latino-americanas de mais rápido crescimento e renome internacional, com um estilo particular que explora as raízes culturais de diversos sons latino-americanos, fundindo-os ao jazz, pop e swing. Os colombianos do Monsieur Periné conquistaram projeção em 2012, com seu primeiro disco “Hecho a Mano”. O segundo álbum “Caja de Música” conquistou um Grammy Latino e abriu portas para o trabalho “Encanto Tropical”. Os músicos estiveram divulgando seus discos em apresentações nos festivais da Europa, e ficaram conhecidos por agradar diferentes públicos.

Sobre Anavitória

Ana e Vitoria são amigas de escola que, apenas dois anos depois de juntarem as vozes e nomes na dupla Anavitória voaram de Araguaína, no Tocantins, para o panteão da música pop contemporânea brasileira. Em 2017, conquistaram o Grammy latino com a canção ‘Trevo (Tu)’, e um disco de platina duplo cm o single ‘Fica’. A dupla foi para o Rock in Rio Lisboa em 2018 e agora estreia na Cidade do Rock carioca.

Sobre Saulo

O cantor, compositor, produtor e instrumentista Saulo Fernandes montou sua primeira banda em 1996, a “Chica Fé”. As composições com ritmo de samba reggae e axé foram bem-sucedidas e em 2001, o cantor levou o prêmio de Cantor Revelação do Carnaval. Ingressando em 2002 na Banda Eva, permaneceu por onze anos, e em 2013 foi nomeado Melhor Cantor do Carnaval. Em sua carreira solo, o cantor adotou um estilo mais intimista, mesclando axé com outros ritmos musicais. Em 2019, o cantor agitou os foliões com o projeto “Pipoca do Saulo” montado para o carnaval de Salvador.

Sobre Kane Brown

Kane Brown, de 25 anos, é um cantor e compositor de música country americana que chamou a atenção do público ainda adolescente com vídeos de covers publicados em redes sociais. Ele lançou seu primeiro EP, intitulado Closer, em junho de 2015. O single, “Used Love You Sober “, foi lançado em outubro de 2015 e chegou ao topo das paradas do iTunes Country, vendendo mais de 255 mil downloads da música e conseguindo mais de 3 milhões de streams no Spotify. Em 2016, lançou o EP “Chapter 1” e o album de estúdio “Kane Brown”. Em outubro de 2017, Brown se tornou o primeiro artista a figurar simultaneamente em todas as cinco paradas country da Billboard. Brown lançou seu segundo álbum “Experiment” em novembro de 2018.

Sobre Giulia Be

A carioca Giulia Be, de apenas 19 anos, se destaca pela sua voz grave e doce e pelo som pop progressivo, ainda inédito entre cantoras brasileiras. Além dos fortes vocais, ela também é compositora e escreve inspirada em experiências próprias. A artista viralizou com o vídeo em que fez um cover de “Deixe-me Ir”, do 1Kilo, no YouTube. Foi dessa forma que chamou a atenção da Warner Music Brasil, com quem assinou contrato. Logo depois, deu os primeiros passos de sua carreira com a canção “With You”, que escreveu em parceria com DJ Zerb, também um novo talento no cenário brasileiro. O primeiro trabalho solo da cantora foi em “Too Bad”, que faz parte da trilha sonora de “O Sétimo Guardião”, novela das 21h da rede Globo. O hit ficou conhecido pelo público antes mesmo do lançamento e movimentou a internet com curiosos para descobrir a identidade da artista. A letra de “Too Bad” foi escrita pela própria Giulia: “A música conta a história de uma mulher que recuperou a confiança e o amor próprio depois de terminar uma relação tóxica. O clipe tem a mesma pegada e eu contribui desde o enredo até a edição final. Quis me envolver em cada detalhe”, afirma.

Sobre Funk Orquestra

Com direção artística de Fabio Tabach (produtor musical e de alguns grandes hits do funk brasileiro) junto do violinista e regente Eder Paolozzi (formado em regência, aos 28 anos, em Milão, Itália, no prestigiado Conservatorio Giuseppe Verdi, e anteriormente em violino, no Trinity Laban Conservatory of Music and Dance, em Londres, Inglaterra, tendo estudado no Brasil com o maestro Isaac Karabtchevsky e atuado como regente convidado em algumas das principais orquestras do país, como a Orquestra Petrobras Sinfônica, a Orquestra Sinfônica da Bahia, entre outras, além de ser o regente titular da Orquestra Sinfônica Cesgranrio). A “Funk Orquestra” é formada por 28 jovens músicos oriundos de algumas das principais orquestras sinfônicas da cidade do Rio de Janeiro e pela dupla de DJs, produtores e arranjadores, 2FAb, formada por FabioTabach e habyoDJ, com 25 anos de estrada nesse universo e mais de 1.000 fonogramas produzidos. A Funk Orquestra contará também com participações especiais de grandes cantores e MCs brasileiros e estrangeiros em concertos interativos, além de um live VJ para ajudar nessa experiência multissensorial.

Sobre Ludmilla

Considerada a artista negra mais seguida no Instagram, com mais de 12 milhões de seguidores na plataforma, Ludmilla é uma das cantoras pop mais popular do Brasil, com apenas 23 anos de idade e duas turnês realizadas pela Europa. A cantora é uma hitmaker. Só em 2018 foram seis hits entre singles e participações, como como Cheguei, Te Ensinei Certin, Não Quero Mais, 24 Horas Por Dia, Solta a Batida, Não Enconsta, DinDinDin, Jogando Sujo. Recentemente ela lançou a música Clichê, em parceria com Felipe Araújo, que em menos de uma semana alcançou os charts no Spotify e virou parte da trilha sonora da novela das 21h, O Sétimo Guardião (Rede Globo), sendo o tema do casal protagonista. Em 2019, Ludmilla gravou seu primeiro DVD ainda inédito.

Sobre Fernanda Abreu

A cantora carioca Fernanda Abreu é uma importante figura da cena musical brasileira. Foram cinco anos na banda pop Blitz, sucesso de 1981 a 1986, com 5 discos lançados e reconhecimento nacional. Após o término do grupo, Fernanda embarcou no ritmo funk e em 1990 produziu seu primeiro disco solo. Atualmente, já tem mais de seis álbuns em estúdio e uma performance gravado ao vivo. O trabalho mais recente, “Amor Geral” mistura ritmos e sonoridades de diferentes países, como na faixa “Tambor” em parceria com o cantor Afrika Bambaataa, que entrou nas paradas musicais.

Sobre Buchecha

Músicas melódicas e letras românticas marcam o trabalho do cantor Buchecha. Sua primeira experiência musical foi ao lado de Claudinho, com hits tocando pelo Brasil, a dupla foi atração de programas de tv e fez apresentações lotadas. O segundo disco teve um milhão de cópias vendidas, com faixas tocadas até hoje, como “Quero te encontrar”. Seu trabalho solo também foi bem-sucedido. Os álbuns mais recentes são “Adesivo” (2014) e “Funk Pop” (2015) com parcerias renomadas, como Lulu Santos, D’Black, o rapper norte-americano Flo Rida entre outros. O cantor tem trabalhado seus hits em apresentações no Brasil, e feito participações especiais como na música “Santinha”, de Dennis DJ.

Sobre MC Sapão

Embalado nos versos de “Eu Sei Cantar” Mc Sapão invadiu as rádios do Brasil em 2001 e mostrou que chegava para firmar seu nome entre os principais artistas do funk. Com apenas 20 anos, lançou seu primeiro disco intitulado “Papo de Futuro”, com mais de 120 mil cópias vendidas. No ano seguinte, lançou seu primeiro DVD “Sapão Original”. Alguns de seus hits de sucesso são “Vou Desafiar Você” e “Eu Tô Tranquilão”. Em 2018 lançou dois singles de sucesso: “Logo Agora” em parceria com Dennis DJ e “Modo Avião” com MC WM. Em 2019, MC Sapão e o venezuelano Labarca lançaram “Deixa Ela Dançar”, música que mistura a batida do funk com o swing do reggaetón. A faixa está disponível em todas as plataformas digitais.

Posts relacionados

Nova Iguaçu terá “Roda de Leitura e Poesia”

Redação

Jazz no rooftop do Sofitel Ipanema

Redação

Eliézer Marins, advogado especialista em Direito Tributário e CEO do Grupo Marins, traz de família a expertise em consultoria tributária, empresarial e de como sobreviver à crise

Redação

Festival de cinema acessível promove inclusão de pessoas com deficiência

Redação

Árvore do Rio Petrobras tem programação infantil gratuita

Redação

Hit de Kevin o Chris ‘Ela É Do Tipo’ é tema da nova campanha do Spotify

Redação

Deixe um comentário