24.6 C
New York
maio 26, 2019
Exposição

Rede Guanabara de Conservação é o tema da exposição fotográfica no Parque de Niterói 

foto: Áthila Betoncini
foto: Áthila Betoncini

Com o olhar voltado para questões socioambientais, a exposição fotográfica sobre a Rede Guanabara de Conservação (RGC) levará ao público as ações dos cinco projetos socioambientais que a integra: Projeto Meros do Brasil (PMB), Guapiaçu Grande Vida, Uçá, Ilhas do Rio e Coral Vivo, que são patrocinados pela Petrobras por meio do Programa Petrobras Socioambiental. O público poderá visitar entre os dias 16 de março a 02 de maio, das 8h às 16h, no Parque Natural Municipal de Niterói (ParNit), em Niterói (RJ).

A Baía de Guanabara é a segunda maior baía do Brasil e comporta 22 ilhas, estando cercada por uma população que supera os 11 milhões de habitantes. É nos seus 391Km2 de espelho d’água e nas ilhas do entorno que são desenvolvidos os cinco projetos socioambientais que formalizam nesta exposição o marco de uma primeira ação, a “Rede Guanabara de Conservação”. Ela é realizada pelo Projeto Meros do Brasil.

Na porção lesta da Baía de Guanabara, o Projeto Guapiaçu Grande Vida contribui para o fortalecimento do ecossistema da bacia hidrográfica Guapi-Macacu por meio da restauração ecológica e da educação ambiental, o Projeto Uçá estuda a espécie e seu ecossistema, buscando a sustentabilidade, contribuindo para a melhoria da qualidade ambiental, já o ProjetoMeros do Brasil busca conhecer os meros, espécie ameaçada e de captura proibida, que ainda habitam os manguezais da Baía e as áreas da sua foz. Ainda na foz da Baía, o ProjetoIlhas do Rio estuda a fauna e flora das ilhas trazendo o conhecimento desses ambientes insulares, e por fim o Projeto Coral Vivo traz à população o conhecimento sobre os diversos e frágeis ambientes coralíneos, abrangendo as áreas insulares do entorno da Baía, focos do Plano de Ação Nacional para Conservação dos Ambientes Coralíneos – PAN Corais.

Os Projetos integrantes da Rede acreditam que as pessoas precisam conhecer a natureza para poder entender a importância de preservá-la e reforçar a noção da proteção, não só da fauna e da flora, mas também dos ambientes terrestres-estuarinos-marinhos como um todo.

Os Projetos:
O Projeto Guapiaçu Grande Vida é realizado pela Reserva Ecológica de Guapiaçu (REGUA) em parceria com a Prefeitura de Cachoeiras de Macacu. O projeto atua com a restauração ecológica e a educação ambiental. São 160 hectares de Mata Atlântica restaurados na sub-bacia do rio Guapiaçu e na educação ambiental, uma das novidades é o Programa Piloto de Monitoramento de Recursos Hídricos (PPMRH), envolvendo estudantes em coletas e análises de água de rios do município.

O Projeto UÇÁ é desenvolvido em quatro eixos temáticos, sustentabilidade, educação ambiental, pesquisa e democratização de informação. Atua em oito municípios (Maricá, Niterói, São Gonçalo, Itaboraí, Magé, Guapimirim, Cachoeiras de Macacu e Teresópolis). É integrante da Rede Nacional de Manguezais (RENAMAN) e possui uma base avançada em Florianópolis (SC). Tem foco nos manguezais e na relação do homem com esse ecossistema.

O Projeto Ilhas do Rio tem como área de atuação as ilhas que compõem o Monumento Natural do arquipélago das ilhas Cagarras (Ilhas Cagarra, de Palmas, Comprida, Redonda e ilhotes Filhote da Cagarra e Filhote da Redonda), as Ilhas Maricás, Ilhas Tijucas e Ilha Cotunduba. Seu principal objetivo é a geração de conhecimento para a preservação desses ecossistemas marinhos tendo como base de atuação a pesquisa científica, a educação ambiental e a mobilização social.

O Projeto Coral Vivo trabalha com pesquisa, educação, políticas públicas, comunicação e sensibilização para a conservação e sustentabilidade socioambiental dos ambientes coralíneos do Brasil. É realizado por 14 universidades e institutos de pesquisa e é o coordenador executivo do PAN Corais, que engloba 18 áreas do MA a SC e 52 espécies ameaçadas de extinção (peixes e invertebrados). Tem base e centro de visitantes no Arraial d’Ajuda Eco Parque, em Porto Seguro, BA. O Coral Vivo integra a Rede Biomar, junto com os projetos Albatroz, Baleia Jubarte, Golfinho Rotador e Tamar.

O Projeto Meros do Brasil está presente em nove estados brasileiros: Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Bahia, Alagoas, Pernambuco e Pará, e conta com a parceria de mais de 50 instituições.

Atualmente, os meros são tidos como um símbolo de conservação e proteção dos ambientes costeiros e marinhos.

Serviço:
De 16 de março a 2 de maio
Das 8h às 16h
Entrada gratuita
Parque da Cidade, Estrada da Viração s/n, Niterói/RJ

Links dos projetos:
Projeto Meros do Brasil: http://www.merosdobrasil.org
Projeto Guapiaçu Grande Vida – GGV: https://www.ggvbr.org/o-projeto
Projeto Uçá – http://projetouca.org.br/
Projeto llhas do Rio – http://ilhasdorio.org.br/
Projeto Coral Vivo – http://coralvivo.org.br/

Posts relacionados

Mostra reúne fotos não conhecidas pelo público, réplicas de objetos pessoais e músicas de diversas fases da carreira do artista.

Redação

Galeria Movimento participa da 15ª edição da SP-Arte

Redação

Galeria Aymoré recebe “Em Profundidade (Campos Minados)”

Redação

Não Ceder Ao Medo

Redação

OI Kabum! LAB realiza exposição sobre as intervenções produzidas pelos jovens das periferias

Alyson Fonseca

Centro Cultural Correios recebe exposição “Neoclipes”, de Sanagê

Redação

Deixe um comentário