Rede de Bibliotecas-Parque do Rio de Janeiro ganha premiação

A Rede de Bibliotecas-Parque do Rio de Janeiro foi uma das três vencedoras da 1ª edição do Prêmio IPL – Retratos da Leitura, na categoria Bibliotecas Públicas. A rede de Bibliotecas-Parque do Rio de Janeiro – com destaque especial à Biblioteca-Parque Estadual (BPE) – concorreu à premiação do Instituto Pró-Livro com outros nove espaços de todo o país. A Biblioteca Pública do Acre e a Biblioteca de São Paulo – Parque Juventude foram as outras agraciadas.   

A comissão consultiva e o júri de especialistas foram formados pelos seguintes membros: Marco da Veiga Pereira, João Pedro Paes Leme, Carlo Carrenho, Vera Saboya, José Castilho, Luís Antonio Torelli, Sonia Madi, Zoara Failla e Maria Lúcia Kerr Cavalcanti Queiroz. O grupo também selecionou e indicou os vencedores das categorias Cadeia Produtiva, Organizações Não Governamentais e Mídia.  
   
O IPL lançou o prêmio este ano para homenagear e reconhecer organizações que promovam ações exitosas no fomento à leitura e difusão do livro. O IPL é reconhecido por realizar a Pesquisa Retratos da Leitura no Brasil, único estudo em âmbito nacional sobre o comportamento dos leitores brasileiros. As inscrições para a segunda edição do prêmio deverão ser abertas em março de 2017.

Mudança de paradigmas 

As Bibliotecas-Parque representam uma mudança de paradigmas que tem transformado o acesso à leitura mundo afora. Bibliotecas deixaram de ser o local onde estão reunidos livros e revistas impressas para se tornarem o espaço de acesso à informação e ao conhecimento em múltiplos formatos. Bibliotecas públicas só têm significado se contribuírem para enriquecer a vida do usuário. É a partir dessa premissa que foram desenvolvidos os projetos das bibliotecas- parque.     

Inspirada nas bibliotecas-parque de Medelin e Bogotá, na Colômbia, a Biblioteca Parque de Manguinhos, inaugurada em abril de 2010, é a primeira de uma série de espaços criados, em áreas de risco, para oferecer aos usuários acesso imediato e fácil à informação. Dessa forma, criam um ambiente de convivência e convergência na comunidade, contribuindo para a diminuição da violência e para a inclusão social. 

A Biblioteca-Parque de Niterói foi a segunda da rede de Bibliotecas-Parque que a Secretaria de Estado de Cultura do Rio de Janeiro (SEC) implementou. Após cuidadosa obra de restauração, a BPN foi reinaugurada em julho de 2011 e transformada num espaço pautado pelo livre acesso de informação.  
Inaugurada em junho de 2012, a Biblioteca-Parque da Rocinha oferece, entre outros serviços, acesso livre às estantes, empréstimo domiciliar, acesso gratuito à internet e atividades para crianças e jovens. Entre os setores, CDteca e DVDteca, Jardim de Leitura e Sala Multiuso.    

Em abril de 2014, seguindo os mesmos padrões das biblioteca- parque de Manguinhos, Rocinha e Niterói, foi reaberta a Biblioteca-Parque Estadual, que passou a ser a matriz da rede de Bibliotecas-Parque que o Governo do Rio de Janeiro está implantando no estado. A nova BPE se transformou num polo de atividades culturais, informação e lazer acessível a todos, sem restrição de idade, região de domicílio ou nível de formação. E há, ainda, a Ocupação Cultural do Alemão, na Estação Palmeiras do teleférico, futuramente a Biblioteca-Parque do Alemão.

1 comentário
  1. Laerte Vargas Diz

    Triste demais! Os mesmo profissionais que fizeram da iniciativa uma vencedora estão cumprindo aviso prévio. Foi decretado o fechamento de todas as Bibliotecas Parque por um “breve período” para que aconteça uma fase de “transição”, segundo a Secretaria de Cultura. Todos nós sabemos que elas estão fadadas ao fechamento irreparável e a perda total do público cativado com seu trabalho inovador.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.