24.6 C
New York
junho 16, 2019
Teatro & Dança

Premiado espetáculo “A Incrível Peleja de Simão e a Morte” reestreia na Caixa Cultural Rio de Janeiro

Companhia de Arte Popular fica em cartaz de 10 a 26 de maio

Premiado espetáculo da Companhia de Arte Popular, “A Incrível Peleja de Simão e a Morte” volta em cartaz na Caixa Cultural do Rio de Janeiro para uma curtíssima temporada. A peça inspirada em um cordel homônimo reestreia dia 10 de maio e fica em cartaz até o dia 26, de sexta a domingo.

incrível peleja de Simão e a Morte, de autoria de Cesário Candhí e direção de Tom Pires, é uma farsa com referência de elementos da cultura popular, como o bumba-meu-boi, as carpideiras, a ciranda e as cantigas populares.

– Quando recebi o convite para dirigir a companhia fiquei muito feliz, mas bem apreensivo, pois é muito difícil fazer algo diferente dentro de uma literatura que já foi encenada várias vezes. O resultado foi uma peça sensível, delicada, divertida e feito de maneira artesanal, que só uma companhia com este entendimento poderia fazer. Não imaginávamos a vida longa e o reconhecimento que a peça teria, mas certamente o resultado ficou à altura do trabalho dos meninos – conta Tom Pires.

Quatro atores e um músico interpretam, tocam e cantam a história de “Simão”, um anti-herói que, com muita esperteza, tenta, a todo custo, manter-se mais tempo na Terra. Recebe mais um tempo de vida, mas ao final da concessão, apesar de vários emissários virem para lhe buscar, ele tenta, com muitas artimanhas, safar-se deles. Quem vencerá esta peleja?

O texto de “A incrível Peleja de Simão e a Morte” deriva das fábulas medievais que contam a história de um certo “Ferreiro” que conseguiu, com muita esperteza, passar a perna na morte. Na montagem, o autor Cesário Candhi mergulha na tradição dos folhetos de cordel e constrói sua versão acrescentando elementos dos folguedos brasileiros, tais como o bumba-meu-boi, as cirandas, as cantigas de roda, as carpideiras nordestinas e todo o colorido das festas populares do Brasil.  Em cena quatro atores e um músico, tocam e cantam a história de “Simão”, um anti-herói que tenta a todo custo manter-se por mais tempo aqui na terra. A trilha sonora conta com canções compostas especialmente para este espetáculo, apresentadas ao vivo, todas com inspiração no imaginário das cantorias populares.

Espetáculo completa 12 anos com várias premiações no currículo.
O espetáculo recebeu premiações como do 4º Festival Nacional de Teatro de Duque de Caxias (Setembro de 2007); XV Festival de Teatro do Rio 2008 (Organizado pelo Centro Cultural Veiga de Almeida); do IV Festival Nacional de Rio das Ostras 2008; 6º Festival Cenáculo 2017; entre outros. Participou também dos seguintes projetos: Projeto Perambulantes – Organizado pela Fundação Euclides da Cunha da UFF em Duque de Caxias – Novembro de 2007; Festival de Inverno SESC Rio 2008 (Unidade Teresópolis); VII Mostra de Teatro de Petrópolis 2008; Baixada Em Cena 2008; EncontrArte 2008; Projeto Itaú Cultural 2009; Projeto Novas Cenas 2010 – Projeto da Secretaria de Estado de Cultura; Viradão Carioca 2010; Festival de Teatro de Inverno de Queimados 2010; Baixada Em Cena 2010; Projeto Pelas Ruas da Cidade 2012 – comemorando 25 anos do Grupo Off Sina; Projeto A Escola Vai ao Teatro – 2014 (Secretaria Municipal de Cultura e Turismo de Duque de Caxias); Projeto Maioridade – Comemoração dos 18 anos da Companhia de Arte Popular 2015; Festival de Teatro do Rio 2017; 14º Festival Nacional de Teatro de Duque de Caxias – 2017, recebendo Homenagem pelos 20 anos da Companhia.

A Cia de Arte Popular foi contemplada com o Prêmio Culturas Populares – Edição Selma do Coco – MinC 2018, com o Edital Novos Talentos do Teatro – FIRJAN/SESI 2018 e com o Prêmio Baixada em Artes Cênicas – 2015. Faz parte também da Rede Baixada Em Cena, vencedora, na categoria inovação, do Prêmio Shell – 2017.

Ficha técnica:
Texto: Cesário Candhí
Direção: Tom Pires
Trilha Sonora Original, Sonoplastia e Direção Musical: Beto Gaspari
Elenco: Cesário Candhí, Eve Penha, Nancy Calixto, Pedro Lages e Beto Gaspari (músico).
Iluminação: João Franco
Adaptação de Iluminação e Operação de Luz: Bruno Silva
Figurino: Marcelo Moianno
Adereços: Lucíola Kat
Cenário: Tom Pires
Cenotécnico: Julio Tavares
Maquiagem: Nilton Marques
Produção: Francisco Farnum
Fotografia: Márcio Leandro
Programação Visual: Leandro Fazolla
Produção Executiva: Companhia de Arte Popular

Serviço:
A incrível peleja de Simão e a Morte
Local: CAIXA Cultural Rio de Janeiro – Teatro de Arena (Endereço: Av. Almirante Barroso, 25, Centro -Metrô e VLT: Estação Carioca)
Data: 10 a 26 de maio de 2019 (sexta a domingo)
Horário: sexta e sábado às 19h; domingo às 18h
Informações (21) 3980-3815
Ingressos: R$ 30,00 (inteira) e R$ 15,00 (meia). Além dos casos previstos em lei, clientes CAIXA pagam meia
Bilheteria: de terça-feira a domingo, das 13h às 20h
Duração: 60 min
Classificação Indicativa: 14 anos
Acesso para pessoas com deficiência
Apoio: CAIXA

Posts relacionados

“Terra Oca”, espetáculo do Circo Marcos Frota, e “Era uma vez um Tirano”, da Cia Cerne, abrem o Festival EncontrArte,   evento das artes cênicas na Baixada Fluminense

Redação

“Traga-me a cabeça de Lima Barreto!” terá única apresentação na Sala Cecília Meirelles

Redação

Renato Albani no Teatro Bradesco Rio

Redação

Comédia ‘Eu sou eles’ estreia nova edição no Teatro Miguel Falabella

Redação

Espetáculo infantil Zé Petit e Minduin reestreia no Teatro Café Pequeno

Redação

Experimento Hegemônico Número 64 é segunda peça a ser apresentada pela OST Mostra (com teatro) Opinião

Redação

Deixe um comentário