23.6 C
Rio de Janeiro
outubro 16, 2018
Teatro & Dança

“Por que Hecuba” faz releitura do clássico grego em escola centenária

Sob a direção de Ricardo Rocha e Alê Carvalho, “Por Que Hecuba” O espetáculo estreia no sábado, 18, no Teatro Armando Costa, dentro da Escola Técnica Estadual de Teatro Martins Penna, às 20h e segue em temporada até o dia 03 de setembro. Em cena, doze atores formandos da escola de teatro mais antiga da América Latina, se revezam entre os personagens clássicos da literatura, entre deuses, semideuses e humanos.
Escrito em 2014, o texto de Matéi Visniec lança um novo olhar sobre a tragédia de Hécuba, texto original, de Eurípedes, cuja criação data de 424 a.C. Na história, ponto chave da mitologia grega, a rainha de Tróia é destronada e transformada em escrava, após a guerra que assassinou seus 19 filhos e dizimou toda uma cidade. Em “Por Que Hecuba”, a tragédia moderna ganha novos personagens e novas dinâmicas para questionar a crise humanitária que vivemos e refutar a tradição de opressão às mulheres.
Na dramaturgia de Visniec, as consagradas figuras míticas ganham contornos contemporâneos e desvelam imagens que têm claras correspondências atuais. O espectador acompanha as desgraças da protagonista, espelhando a representação feminina num mundo precarizado e patriarcal, dominado por homens que mandam e desmandam nos destinos dos outros. Hécuba evidencia o grito das mulheres destronadas, das mulheres violentadas, das mães que perderam seus filhos.
A encenação busca enfatizar a aridez humana, dialogando com o momento atual e com o espaço quase apocalíptico em que se transforma diariamente o mundo, em meio a batalhas, guerras totalitaristas, travessias insanas e a luta pela liberdade.
De acordo com os diretores Alê Carvalho e Ricardo Rocha, as analogias e a projeção do público na história são imediatas. “São pessoas como nós que são mortas, violadas e torturadas todos os dias, fugindo de guerras civis insanas, da fome, da pobreza e da morte”, comenta Carvalho sobre o caos global ao qual estamos mergulhados. Rocha completa, comentando o “entorpecimento dos sentidos diante do horror”. Doutrinas políticas e religiosas se misturam numa falsa licença de liberdade de expressão e, nas suas palavras, “provocam marcas sangrentas ou abrem antigas feridas mal cicatrizadas.”
FICHA TÉCNICA

Dramaturgia: Matéi Visniec
Direção Geral: Alê Carvalho e Ricardo Rocha
Direção Musical: Fernando Guilhon
Orientação de Corpo: Vera Lopes
Orientação de Figurino e Adereços: Luciana Barbosa
Orientação de Cenografia: Ana Paula Brasil
Orientação de Voz: Lúcia Provenzano
Orientação de Produção: Heitor Collet
Assistência de Produção: Bruno Bernardini
Iluminação: Hebert Said e Ricardo Rocha 
Cenotécnica: José Antonio Silva e Moises Freire
Colaboração no Figurino e Costura: Atelier Betto Gomes
Colaboração na Trilha Sonora: Danuza Formentini, Fernando Guilhon, Júlio Rodrigues e Marcio de Andrade
Design Criativo: Marcio de Andrade

Elenco: Ara Nogueira, Daniele de Deus, Danuza Formentini, Eli Ferreira, Gabriel Andrade, Jhô Teodorio, Júlio Rodrigues, Luiza Helena, Marcio de Andrade, Rubens Farias, Tairony Novaes e Teo Pasquini

REDES SOCIAIS
Instagram: @porquehecuba

SERVIÇO

“Por que Hécuba”

Temporada: 18 de agosto a 03 de setembro de 2018
Local: Teatro Armando Costa (anexo à ETET Martins Penna)
Endereço: Rua Vinte de Abril, 14, Centro
Telefone: (21) 2332-9721
Lotação: 75 lugares

Dias e horários:
De quinta-feira a sábado, às 20h. Domingo, às 19h. Apresentação extra na segunda-feira, 03 de setembro, às 20h.

Ingressos: Entrada Gratuita
Duração: 1h15min
Gênero: Drama
Classificação indicativa: 16 anos

Posts relacionados

Pedro e o Lobo no Teatro Ziembinsk

Redação

Mary e os Monstros Marinhos fala sobre o universo maravilhoso da ciência e da pré-história

Redação

‘Vou deixar de ser feliz por medo de ficar triste?’ no Teatro das Artes

Redação

Deixe um comentário