Poesia potiguar desembarca nos 10 anos da FestiPoa Literária

Durante os dias seis e sete de Maio (sábado e domingo), o jovem escritor de 23 anos, Gonzaga Neto, autor do livro de poemas Hipérbole (Jovens Escribas, 2016), participa do Estados em Poesia, um projeto colaborativo que circula o Brasil e foi idealizado em parceria com poetas, coletivos, saraus e movimentos literários de toda cena contemporânea do país, que homenageará os escritores Miró da Muribeca e Marcelino Freire, e ocorre dentro da programação em comemoração aos 10 anos de Festa Literária de Porto Alegre.

“FestiPoa Literária”
FestiPoa Literária é a festa da literatura em Porto Alegre. Debates, leituras, lançamentos, oficinas, exposições, shows, espetáculos de teatro, filmes, saraus, performances: tudo realizado para festejar e brindar a literatura, com a participação de dezenas de escritores e artistas convidados.

Um dos principais eventos culturais da cidade, a FestiPoa oferece, durante 4 a 13 de maio, uma programação artística variada e reúne uma diversidade de escritores – desde autores que acabaram de estrear até nomes consagrados e premiados, nacional e internacionalmente – e artistas para pôr em destaque a literatura e a arte numa grande celebração cultural.

Em nove edições, já participaram, entre mais 300 convidados, escritores e artistas como Antonio Cicero, Carpinejar, Cesar Aira, Cristovão Tezza, Donaldo Schüler, Fabiana Cozza, Laerte Coutinho, João Gilberto Noll, Liniers, Luis Fernando Verissimo, Marina Colasanti, Martha Medeiros, Vitor Ramil, Marcelino Freire e Zeca Baleiro. Toda programação do evento tem entrada gratuita. Em 2017, a homenageada da edição será a pesquisadora, professora e escritora Heloisa Buarque de Hollanda que participará da abertura do evento no dia quatro de maio no Instituto Goethe.

“Estados em Poesia”
É um projeto colaborativo de zona literária itinerante que, realizado em parceria com poetas, coletivos, saraus e festivais literários, objetiva possibilitar o encontro de poetas de diferentes localidades, sob o intento de promover o intercâmbio entre a cena literária dos Estados do Brasil.

Iniciado em Janeiro de 2016 tem inspiração nas rodas de poesia que acontecem tradicionalmente no interior de Pernambuco. Hoje o projeto se configura como um roda de poesia itinerante a ser realizada, a cada edição, em um Estado diferente. Em um ano de trajetória o “Estados em Poesia” já conta com cinco edições, realizadas em cinco Estados, passando por Sergipe, Pernambuco, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro e São Paulo.

Os padrinhos e homenageados que estarão em Porto Alegre: Marcelino Freire e Miró da Muribeca.

Poetas que participam desta edição 2017
José Inácio Vieira de Melo – Alagoas
Márcio Junqueira – Bahia
Dyl Pires – Maranhão
Gleison Nascimento e Giuseppe Mascena – Pernambuco
Demétrios Galvão – Piauí
Gonzaga Neto – Rio Grande do Norte
Allan Jones – Sergipe
Mardônio França – Ceará
Diego Moraes – Amazonas
Antonio Moura – Pará
Elizeu Braga – Rondônia
Eliakin Rufino – Roraima
Demétrio Panaroto – Santa Catarina
Escobar Nogueira – Rio Grande do Sul
Wladimir Cazé – Espírito Santo
Zi Reis – Minas Gerais
Ramon Nunes Mello – Rio de Janeiro
Luiza Romão – São Paulo
Tatiana Nascimento – Distrito Federal
Kesley Rocha – Goiás
Luciene Carvalho – Mato Grosso
Emmanuel Marinho – Mato Grosso do Sul 

Gonzaga Neto
Gonzaga Neto é redator publicitário e graduando do curso de Comunicação Social (UFRN), escreve desde 2013 e é autor do livro de poemas Hipérbole e dos zines SeridóR, Microscópia e Anzóis e Ginga. Participante de diversos coletivos culturais, espera – um dia – viver apenas de literatura. Atualmente escreve em gonzaganneto.tumblr.com e adora as palavras visceral, cabimento e galado(os dois últimos termos nordestinos).

gonzaganneto.tumblr.com
@gonzaganneto (Instagram) 

“Hipérbole”
No texto que figura numa das orelhas do livro, o professor e escritor Guilherme Henrique define Gonzaga Neto como “um poeta do nosso tempo” e completa, dizendo que “virar as costas para sua poesia é vira as costas para o que acontece aqui e agora.” De fato, o autor nos deixa antever uma série de qualidades em seu livro de estreia. A capacidade de transformar suas leituras em referências que produzem um rico material poético é notável, a habilidade em selecionar e organizar bons poemas também. Os capítulos do livro são sequenciados de acordo com figuras de linguagem: metáfora, metonímia, eufemismo, anáfora, até o ápice experimentado no capítulo que dá nome ao livro: hipérbole. A leitura deste livro nos dá a oportunidade de tomar contato com um dos bons autores que têm surgido em nossas hostes poéticas, alguém que nos vai parecer bastante familiar, pois como afirma o professor Guilherme Henrique, “Gonzaga Neto elabora imagens íntimas ao nosso cotidiano.”

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.