16.8 C
New York
maio 23, 2019
Exposição

“Pincel Oriental – uma expedição artística no Brasil” nos Correios

O Brasil, sua natureza e cultura pelo olhar dos atuais pintores chineses: numa versão contemporânea das expedições artísticas do século 19 realizadas pelos pintores Debret e Rugendas, grupo de seis pintores chineses retratou o cotidiano e as belezas de cinco cidades brasileiras após expedição realizada em agosto e setembro no Brasil. 

Os pintores Fan Zhibin, Fang Zhengue, Zeng Fu, I Ban, Liu Mo e Shan Ren percorreram Rio de Janeiro, Ouro Preto, Salvador, São Paulo e Foz do Iguaçu para captar e retratar em técnicas milenares de nanquim e aguada as mais de 20 obras que estarão reunidas em exposição e livro de arte no Centro Cultural dos Correios.

ABERTURA (para convidados): dia 29 de novembro (5ªf), às 19h

LOCAL: galerias B e C do Centro Cultural Correios, 2ª andar
Rua Visconde de Itaboraí, 20 – Centro / RJ    Tel:(21) 2253-1580
HORÁRIOS VISITAÇÃO: 3ª a domingo, das 12h às 19h / até 20 de janeiro

Com o objetivo de estreitar o diálogo entre a China e o Brasil, a empresa State Grid Brazil Holding –  há oito anos atuando no setor elétrico brasileiro em linhas de transmissão -, em parceria com a Dell´Arte Soluções Culturais e Interlúdio Eventos, promove o projeto “Pincel Oriental – uma expedição artística no Brasil”, que culmina numa exposição, no lançamento de um livro de arte e uma mostra de cinema chinês, a partir de 29 de novembro, no Centro Cultural Correios.

O projeto resgata, num viés contemporâneo, o espírito das expedições artísticas realizadas por pintores europeus no Brasil no século 19, como o francês Jean-Baptiste Debret (1768-1848) ou o alemão Johann Moritz Rugendas (1802-1858), que imortalizaram, através de seu olhar, cenas do cotidiano brasileiro em suas obras.

A viagem (aqui valendo o duplo sentido) começou no Rio de Janeiro, quando os seis pintores visitaram o Pão de Açúcar e deram início à criação de suas obras, em nanquim e aguada sobre Xuan (papel fino e resistente produzido a partir da amoreira, bambu e juta). Na sequência, visitaram outros pontos da cidade e seguiram Brasil afora durante agosto e setembro visitando as locações em Ouro Preto, Salvador, Foz do Iguaçu e São Paulo.

Fan Zhibin, Fang Zhengue, Zeng Fu, I Ban, Liu Mo e Shan Ren, os seis pintores selecionados para a aventura brasileira, são consagrados em seu país de origem, com carreiras sólidas e reconhecidas tanto no meio artístico quanto acadêmico – têm livros e ensaios publicados, lecionam em escolas de arte, expõem regularmente. Alguns são também caligrafistas, ofício considerado uma arte nobre na China.

O BRASIL PELO OLHAR DOS ARTISTAS CHINESES

Fan Zhibin, sobre diversidade de pessoas: Regiões muito diferentes! O idioma, a comida, a cultura, a aparência… Tudo parecia diferente entre o Rio, o nordeste e o sul… É como na China, vários povos em um grande território. Sabe, existe uma grande diversidade de pessoas no Brasil: gente com diferentes tipos físicos de cabelo e tom de pele.

Liu Mo, sobre a natureza: A vegetação do país é incrível, e olha que considero o meu país único e maravilhoso. Vi muitas cores, diferentes tipos de árvores. Tudo bonito para ser retratado, conheci frutas e sucos que nunca tinha visto.

Fang Zhenghe, sobre pássaros: Eu adoro retratar aves nos meus trabalhos, vi muitas espécies de pássaros, e não nos cansávamos de olhar para eles. Parávamos  próximo da vegetação para fazer diversos esboços deles. Aproveitando o canto que cortava inesperadamente o silêncio.

Shan RenNunca tinha visto um lugar onde a natureza se mistura tanto com as cidades no dia-a-dia das pessoas.

I BanPessoas amigáveis e abertas. Todo mundo dizendo “olá , boa tarde!”, e sempre abrindo sorrisos.

A EXPOSIÇÃO E O LIVRO
A expedição chinesa resultou na criação de 23 novas obras que, somadas a mais 14 já existentes, serão objeto da exposição que será inaugurada dia 29 de novembro no Centro Cultural Correios, no Rio de Janeiro. Cada um dos seis artistas terá em média seis obras expostas. A curadoria é do produtor Byron Mendes.

Além da exposição, será lançado um livro de arte, PINCEL ORIENTAL (ED. Arte Ensaio, 100 pg), contendo as imagens das obras e os registros da viagem, como num diário de bordo. Este livro será distribuído gratuitamente a bibliotecas públicas de todo o país.

O texto de abertura do livro é do crítico e curador de arte Enock Sacramento, membro das Associações Paulista, Brasileira e Internacional de Críticos de Arte.

BYRON MENDES – curador e produtor executivo
Byron Mendes têm experiência  no desenvolvimento de projetos nacionais e internacionais. Desenvolveu exposições em galerias e instituições culturais dos Estados Unidos, Alemanha, Espanha e Londres. Em 2010 fundou e administrou a Galeria de Arte Kunst, uma das primeiras galerias privadas de Petrópolis, com acervo de artistas de todo o país, dentre eles Cícero Dias, Carlos Vergara e Siron Franco. No inicio da década, se dedicou à organização, curadoria e produção de eventos internacionais ligados a arte e cultura, coordenando eventos em cinco importantes cidades mundiais: Frankfurt, Brasília, Nova York, Londres e Paris. Nos últimos anos tem se dedicado a formatação e produção de projetos em diferentes linguagens.

ENOCK SACRAMENTO – texto de abertura do livro
Enock Sacramento é membro das Associações Paulista, Brasileira e Internacional de Críticos de Arte. Participou de aproximadamente 180 júris de salões de arte, curou mais de 200 exposições no Brasil, América Latina, Estados Unidos e Europa, prefaciou cerca de 180 catálogos de exposições, publicou numerosos artigos na imprensa e 34 livros sobre arte e artistas brasileiros. Em função de sua atuação como crítico e curador de arte, recebeu, em 2004 e 2016, o Prêmio Gonzaga Duque, da ABCA – Associação Brasileira de Críticos de Arte, por atividades desenvolvidas no ano anterior (crítico do ano) e, em 2011, o Prêmio Mário de Andrade por sua trajetória como crítico e curador de arte. É curador da Fundação José e Paulina Nemirovsky, em São Paulo.

OS PINTORES

FAN ZHIBIN
Nasceu em dezembro de 1972 em Hohhot City, Mongólia Interior. Formado em pinturas chinesas pelo Departamento de Artes do Leste em Nankai University, graduou-se no estúdio de pintura de figura chinesa da Luxun Academy of Fine Arts e obteve o mestrado em 2002. Acadêmico da Chinese Artists Association, supervisor de pesquisa no departamento de arte da Academia de Artes da Universidade de Beijing, reitor da Academia de Pintura Chinesa de Shanxi e da Youth Academy e presidente honorário da Baoding Youth Artists Association. Seus trabalhos buscam uma expressão elegante e fluida na pintura tradicional Chinesa. 

FANG ZHENGHE
Nasceu em Yunxiao, província de Fujian, em novembro de 1970. Formado pelo Departamento de Arte da Faculdade de Ji Mei em 1990, obteve o grau de Mestre em Artes em 2009, quando se formou no Naning Arts Institute. Atualmente é pintor profissional da Academia de Pintura de Pequim, também artista de nível nacional, membro da Associação de Artistas Chineses e da Associação Chinesa de calígrafia. Fang Zhenghe mergulha na essência da pintura das Dinastias Song e Yuan. As pinturas de Fang Zhenghe são conciliam tradição com inovação. 

ZENG FU
Nasceu na Província de Fujian, China, em 1968. Formou-se na Fujian Art School em 1989. Foi editor de arte de revistas literárias. Atualmente é pintor profissional, especialmente engajado na pintura chinesa e na criação de caligrafias. 

I BAN
Possui outros nomes artísticos como Sui Mu, Banshizhe Yi, Yu Jue, Sui Baosen. Nasceu em Jiaonan, localizada na província de Shandong, em 1968 e vive atualmente em Pequim. É́ calígrafo, pintor e colecionador. Foi convidado para ser professor na Escola de Arte da Universidade Renmin da China, é também presidente da Yujue Society, diretor do escritório de pintura contemporânea Chan e do instituto de pesquisa de arte de Xi’an Academia Chinesa de pintura. 

LIU MO
Mestre em História das artes plásticas chinesas. Doutor em Literatura e estudos artísticos, pós-doutorado em História, pesquisador do Instituto de Recursos Históricos e Culturais da Universidade de Pequim, professor convidado da Escola de Pós-Graduação da Academia Nacional Chinesa de Artes. Atualmente está voltado para os estudos de clássicos Confucianos, história de pesquisa acadêmica antiga e história da arte, além de ser adepto da caligrafia e da pintura. 

SHAN REN
Shan Ren, anteriormente conhecido como Guo Zhishan, mora em Pequim e Xiamen. Pintor profissional e poeta. Possui Mestrado da Universidade de Xiamen. É pintor da academia de criação de pintura chinesa do ministério da cultura. Suas pinturas foram selecionadas para a exposição de nomeação contemporânea de tinta chinesa, também realizou a exposição internacional de pintores do Uzbequistão, em 2017, e a exposição de nomeação de jovens pintores chineses em Danqing Huamao, a exposição de caligrafia e pintura do 40º aniversário da CCPPC na província de Fujian.

STATE GRID BRAZIL HOLDING – patrocinador
A iniciativa de realizar esta expedição artística pelo Brasil é um empreendimento cultural levado adiante através da associação da empresa State Grid Brazil Holding – SGBH, a academias nacionais da China e artistas de mérito reconhecido nacionalmente.

A State Grid Brazil Holding, empresa de origem chinesa pertencente ao grupo State Grid Corporation of China, está no Brasil desde 2010, atuando no setor de transmissão de energia.

Uma das maiores companhias do setor no país. a SGBH utiliza tecnologia de ponta e é comprometida com um alto padrão ambiental, social e com a melhoria da segurança, estabilidade e confiabilidade no fornecimento de energia.

Atualmente, o Grupo detém 18 concessionárias e outras cinco concessões por meio de consórcios com participação de 51% em cada. Grandes cidades como Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo, bem como extensas áreas próximas a centros de carga já estão cobertas por cerca de 12,5 mil km de linhas de transmissão, o que torna a companhia uma das maiores do Brasil no setor.

Entre seus principais empreendimentos, estão os dois bipolos de transmissão da Usina de Belo Monte – as maiores linhas de transmissão do mundo – que utilizam tecnologia inédita de ±800 kV UATCC.

Uma das missões da SGBH é promover a cultura e o bem-estar da sociedade através de projetos socioculturais. Entre os projetos que apoia, estão a Orquestra Maré do Amanhã, Cantos de Leitura, Hospital do Amor além de proporcionar programas que integram as culturas chinesa e brasileira.

FICHA TÉCNICA
Artistas: Fan Zhibin, Fang Zenghe, Zeng Fu, I Ban,Liu Mo e Shan Ren
Curadoria:  Byron Mendes
Textos: Enock Sacramento
Expografia: Janaina Arantes
Iluminação: Julio Katona
Cenografia: Beto Almeida
Programação Visual: Luiz Borgeth
Coordenação: Wang Weiguag
Realização: Ministério da Cultura
Produção: Dell’Arte Soluções Culturais

Posts relacionados

Os artistas plásticos Bruno Schimdt e Roberto Barciela apresentam a nova exposição, ‘Conexo’, no Centro Cultural Parque das Ruínas

Redação

“Vidas nas Ruas” inspiram jovem fotógrafo carioca

Redação

Poeta Eduardo Macedo inaugura exposição de poesia visual Palavra-Movimento no Centro Cultural Oi Futuro

Redação

Capilaridade | Exposição de fotos de Virna Santolia

Redação

Hilal Sami Hilal – Fora da Palavra

Redação

Sesc Ramos inaugura galeria de artes com exposição Etnograffiti

Redação

Deixe um comentário