Pesquisador apresenta a visita de Marie Curie, uma das cientistas mais importantes do mundo, ao Brasil

Cássius Klay Nascimento nasceu em Ipatinga (MG), em 9 de maio de 1968. Possui graduação em Química, Bacharelado e Licenciatura, pela Universidade Federal de Viçosa (1992), mestrado em Físico-Química (2004) e doutorado em Química (2013) pela Universidade Federal de Minas Gerais com período de intercâmbio na Université du Maine, Le Mans, França. Iniciou, em março de 2016, pós-doutorado em Química pela Universidade Federal de Minas Gerais. Atualmente é professor de Química do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico Federal da Escola Preparatória de Cadetes do Ar em Barbacena, Minas Gerais. Tem experiência na área de Química, com ênfase em Interações Hiperfinas do 57Fe, atuando principalmente nos seguintes temas: história da ciência, educação em Química e espectroscopia Mössbauer. É autor de artigos em periódicos científicos nacionais e internacionais.

“Uma conclusão dessa importante e histórica visita é apresentada no capítulo final. É interessante ressaltar que o Brasil foi o único país, exceto os Estados Unidos e países da Europa, a ser visitado por Madame Curie.”

Boa Leitura!

Escritor Cássius Klay Nascimento, é um prazer contarmos com a sua participação na Revista Divulga Escritor. Conte-nos o que o motivou a escrever sobre a grande cientista Marie Curie?

Cássius Klay – Em 2011, celebrou-se o Ano Internacional da Química, dedicado à grande cientista Marie Sklodowska Curie, detentora de dois prêmios Nobel. Um fato menos conhecido é a passagem desta ilustre cientista pelo Brasil, por um período de 45 dias. Ainda em 2011, participei de um trabalho que abordava a visita de Marie Curie especificamente à cidade de Belo Horizonte, e os resultados da pesquisa trouxeram ainda mais motivação para que eu continuasse buscando conhecer as marcas que essa maravilhosa mulher havia deixado em nosso país. O tópico recebeu uma motivação adicional em 2017, em que os 150 anos do nascimento de Marie Sklodowska Curie são celebrados, resultando no presente livro.

Marie Curie
Marie Curie

Apresente-nos Marie Curie.

Cássius Klay – Marie Curie nasceu no dia 7 de novembro de 1867, na Polônia, e era a caçula de uma família de cinco filhos. Sua infância foi profundamente marcada pela morte de sua mãe, quando Marie tinha apenas 11 anos. Seu pai era físico e matemático, influenciando Marie Sklodowska Curie política e cientificamente.

Madame Curie estudou na França e foi uma das mais notáveis cientistas do mundo em uma época na qual a ciência era dominada pelo sexo masculino. Com seu trabalho na área de radioatividade, recebeu dois prêmios Nobel. Foi a primeira mulher a receber um Prêmio Nobel de física, em 1903, junto com Pierre Curie (1859-1906) e Antoine Henri Becquerel (1852-1908), pela descoberta da radioatividade. Também foi a primeira mulher a receber o Nobel de Química, 1911, pela descoberta dos elementos químicos, polônio e rádio. Suas pesquisas sobre radioatividade trouxeram grandes avanços em três áreas: química, física e medicina.

Suas descobertas científicas lhe deram grande reconhecimento ainda em vida, não somente na comunidade científica. Por sua contribuição ao estudo e à aplicação da radioatividade em medicina, especialmente no tratamento do câncer e na identificação de fraturas, ficou mundialmente conhecida.

De que forma a cientista está sendo apresentada em “A visita de Marie Curie ao Brasil”?

Cássius Klay – O livro que ora se apresenta e aborda a visita de Marie Curie ao Brasil é baseado em jornais da época. No primeiro capítulo, discute-se a importância e a vida particular e científica de Marie Curie para a humanidade. No segundo capítulo, o preparo para a viagem ao Brasil é abordado. Nos capítulos subsequentes são discutidos os aspectos da visita de Marie Curie nos estados por onde passou: Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais. A sua relação com os cientistas, líderes políticos, estudantes, repórteres e a sociedade em geral é discutida. Uma conclusão dessa importante e histórica visita é apresentada no capítulo final. É interessante ressaltar que o Brasil foi o único país, exceto os Estados Unidos e países da Europa, a ser visitado por Madame Curie.

Como se deu a parceria com o prof. João Pedro Braga para a escrita do livro?

Cássius Klay – Conheci o professor João Pedro Braga em 2002, quando iniciei meu mestrado em físico-química na Universidade Federal de Minas Gerais, por intermédio do meu orientador, o professor José Domingos Fabris. O prof. João Pedro foi convidado a colaborar com o trabalho que eu desenvolvia. Com a excelente contribuição conseguimos publicar um trabalho sobre a importância de Nicolas Léonard Sadi Carnot em relação ao estabelecimento da Primeira Lei da Termodinâmica. Durante meu doutorado, em uma nova parceria, uma versão preliminar de um artigo que seria publicado na revista Química Nova, sendo, inclusive, tema de capa – foi condecorado com o Prêmio UFMG de Extensão em 2011,  adaptado e publicado no Jornal do Ônibus, jornal de circulação nos coletivos de Belo Horizonte. No artigo citava-se apenas a presença de Marie Curie em belo Horizonte. Em 2016, iniciei um pós-doutorado sob supervisão do prof. João Pedro, com o objetivo de me dedicar agora à presença de Marie Curie no Brasil, o que nos permitiu publicar o livro “A Visita de Marie Curie ao Brasil”.

Quais os principais desafios para a construção do enredo que compõe a obra?

Cássius Klay – O primeiro desafio era tentar mostra ao leitor a vida e a obra da mulher e cientista Marie Curie. Como apresentar a aquela senhora que foi uma celebridade da ciência e chegou a receber dois prêmios Nobel. Era importante mostrar os desafios, privações e superações pelos quais a cientista teve que passar. A cientista foi uma pessoa comum como todos nós, e o que ela conseguiu, definitivamente, não foi simplesmente pela sua capacidade de estudar, mas também e principalmente pela sua obstinação em vencer pelos estudos.

Depois de apresentar a ilustre personagem era preciso descobrir o que levou a importante cientista a viajar ao nosso país, que está fora do Hemisfério Norte. Surgiram, assim, algumas questões: Como foi feito o convite, e por quem? Qual era a posição das autoridades políticas do Brasil? Qual era o interesse de se ter esta mulher em nossas terras? Por quais lugares a pesquisadora passou e como foi recebida? Qual foi o legado de Marie Curie à ciência e à medicina do nosso país? Qual a contribuição na luta pelos direitos das mulheres?

A resposta a estes questionamentos foi fundamental para que o livro pudesse ser escrito.

Qual a principal mensagem que deseja transmitir ao leitor por meio de “A visita de Marie Curie ao Brasil”?

Cássius Klay – A grande revolução que veio junto com as descobertas de Marie Curie, numa sociedade em que o preconceito em relação às mulheres estava profundamente enraizado, serve hoje de exemplo de dedicação, luta e perseverança. Assim, homenagens prestadas à pessoa de Marie Sklodowska Curie são também uma exaltação e reconhecimento à valorosa contribuição das mulheres ao desenvolvimento da ciência. Madame Curie foi um símbolo marcante na luta pela igualdade de direito das mulheres.

Qual o público-alvo?

Cássius Klay – O desejo inicial ao divulgar o assunto era que o livro fosse lido por estudantes do ensino médio, de graduação, de pós-graduação, por pesquisadores e por professores, principalmente aqueles ligados direta ou indiretamente à química e à física, mas percebemos com o tempo que o livro pode ser muito apreciado também por aqueles gostam de sociologia e da história de luta por igualdade de direitos entre homens e mulheres no Brasil e no mundo ou simplesmente por alguém que goste de ler.

Apresente-nos cinco motivos para ler “A visita de Marie Curie ao Brasil”:

  • O livro é o único a falar sobre a presença de Marie Curie no Brasil.

É um documento histórico.

  • Apresenta a fascinante história de Marie Sklodowska Curie, uma das pessoas mais dedicadas à ciência e à humanidade.
  • Mostra como uma descoberta científica pode ajudar a humanidade em sua jornada.
  • Coloca o leitor no meio da história de luta por igualdade de direitos entre homens e mulheres no Brasil e no mundo.
  • Constata a humildade e o caráter de uma grande cientista.

Onde podemos comprar o livro?

Cássius Klay – O livro é vendido principalmente pela Editora Livraria da Física, www.livrariadafisica.com.br e Livraria da Folha, www.livraria.folha.com.br. A Livraria da Física oferece um desconto de 40% no preço de capa para professores.

Como devem proceder os leitores que desejarem uma palestra sobre o livro?

Cássius Klay – Aqueles que desejarem uma palestra sobre o livro poderão enviar uma mensagem para mim no e-mail cassiuskn@yahoo.com.br ou para o professor João Pedro, no e-mail jjppbraga@gmail.com.

Pois bem, estamos chegando ao fim da entrevista. Muito bom conhecer melhor o escritor Cássius Klay Nascimento. Agradecemos sua participação na Revista Divulga Escritor. Que mensagem você deixa para nossos leitores?

Cássius Klay – A vinda de Marie Curie ao Brasil foi um marco, não somente para o estudo da radioatividade e suas aplicações em nosso país, o que já seria muito, mas também ajudou a consolidar a necessidade de a ciência nacional estar conectada com o que havia de mais avançado no mundo.

Em uma sociedade preconceituosa, se algum indivíduo de um grupo, alvo do preconceito, comete algum erro, considera-se que todos os outros são iguais sem exceção e cometem ou cometerão o mesmo erro. Marie Curie foi magnífica para a humanidade, mas para a sociedade da época era apenas uma exceção. A cientista era considerada, por parte da sociedade, como um ser incomum, uma mulher que havia nascido com o dom de desenvolver a “ciência dos homens” que deveria ser continuada por homens. Contradizendo a diminuição do papel da mulher, o que se viu no laboratório de Marie Curie e outros laboratórios do mundo foi uma explosão de vários trabalhos científicos conduzidos por pesquisadoras. Na sociedade moderna, Marie Curie foi e é exemplo para que as mulheres jamais se esqueçam que “lugar de mulher é onde ela quiser”.

Observações:
Para que o trabalho pudesse ser realizado, a escritora francesa Anaïs Massiot, que trabalhava no Museu Curie da França (MC), concedeu um importante e essencial apoio na obtenção de imagens e de documentos históricos da viagem de Marie Curie ao Brasil e no processo de autorização do uso das imagens, incluindo a foto de capa do livro.

Também contribuíram a Biblioteca Nacional da França (BNF), ao conservar e colocar à disposição seu vasto arquivo de documentos históricos sobre a vida e a obra de Marie Curie; a Biblioteca Nacional do Brasil (BN), ao disponibilizar arquivos digitais dos principais jornais da época da visita da cientista ao nosso país; e a historiadora Ethel Mizrahy Cuperschmid, que permitiu reproduzir a carta de agradecimento de Madame Curie a Eduardo Borges da Costa e as fotos do acervo do Centro de Memória da Medicina da Escola de Medicina da UFMG.

Divulga Escritor, unindo Você ao mundo através da Literatura
https://www.facebook.com/DivulgaEscritor
Contato: divulga@divulgaescritor.com

Shirley M. Cavalcante, jornalista e radialista, é administradora do projeto Divulga Escritor, Editora da Revista Acadêmica Online, Revista Literária da Lusofonia. Graduada em Comunicação Social pela UFPB, é especialista em gestão empresarial e de pessoas. Acadêmica Correspondente da Academia de Artes Ciências e Letras de Iguaba Grande – RJ, e do CONINTER – Conselho Internacional dos Acadêmicos de Ciências, Letras e Arte, tendo recebido a comenda da Ordem do Mérito Histórico – Literário Castro Alves, por relevantes serviços prestados ao desenvolvimento da literatura Lusófona. Autora do livro: Manual Estratégico de Comunicação Empresarial/Organizacional.http://www.divulgaescritor.com/ ​