11.6 C
New York
abril 25, 2019
Featured Teatro & Dança

Peça-game para crianças sobre diferença e aceitação comemora um ano de circulação com temporada no Teatro Municipal Ziembinski

Makupuni (foto: Rafael Bisbis)
Makupuni (foto: Rafael Bisbis)

Com o sucesso de um ano de peça em circulação, o cineasta Rafael Bisbis lança em agosto um curta-documentário sobre o espetáculo e sobre a pesquisa da diretora Vida Oliveira e do Cegonha-Bando de criação.  

Makupuni é uma peça-game, mediada por tecnologia com momentos de interação e participação do espectador que buscam causar, além de entretenimento e sensação de co-autoria  (como nos games), experiências democráticas e de reflexão ética no público.

Makupuni foi indicada ao prêmio CBTIJ 2017, na categoria “melhor Projeção Cênica. ” Realização do Cegonha – Bando de Criação, tem como diretora Vida Oliveira (In.com.patíveis e Ex.troll.gênio), que idealizou o projeto junto com o ator Miguel Araujo (Cia PeQuod – Teatro de Animação). Estreou em agosto de 2017 e desde então segue apresentando sem previsão de parar. Já é a terceira temporada no Rio de Janeiro e o espetáculo tem feito circulações pela região metropolitana do Estado. O espetáculo está no repertório do grupo Cegonha- Bando de Criação.

Makupuni é a ilha do futuro. Com tecnologia e ciência, é possível ter uma casa projetada para cada estilo de vida. É possível morar nas nuvens, no vento e até em submarinos embaixo d’água. As crianças são fabricadas no centro da ilha e já nascem perfeitamente educadas e adaptadas às suas famílias, e são encomendadas e entregues em caixas. Eis que em um belo dia, um grande mistério acomete a ilha. Um menino-polvo, que não cabe na casa aonde vive; uma menina-âncora, que é pesada e precisa se fixar no chão, mas nasceu numa família que vive nas nuvens; e um menino-livro que nasceu numa família digital e não sabe ser lido pelos pais. Por causa desses problemas, eles são devolvidos por suas famílias por não se adaptarem às casas em que foram recebidos.

Leia também  'Ninguém Segura Essa Velha' no Teatro dos 4

A missão do público é ajudar na reintegração dessas crianças, que precisam se adaptar e, mais do que isso, precisam se entender e se aceitar nos ambientes da casa, da família, dos amigos e dos sonhos. Por pelo menos três vezes ao longo da peça, o destino e as decisões dessas crianças na sua jornada são escolhidas pelo próprio público. Essa dinâmica faz com que a jornada de autoconhecimento e aceitação de cada criança seja única e diferenciada a cada apresentação.

Por isso, Makupuni é um espetáculo que mistura a interatividade da peça-game com o teatro de animação. Desta vez a encenação conta, além dos atores, com técnicas de animação como teatro de bonecos, teatro de sombras e animação 2D em mapping.

A interatividade acontece da seguinte forma: as crianças vão ter placas coloridas para levantarem nos momentos de votação. Uma câmera posicionada em direção à plateia vai filmar esses momentos, transmitindo o resultado no palco ali mesmo, na hora, a partir da predominância de cores das plaquinhas levantadas. Lúdico e tecnológico ao mesmo tempo. Legal, né?

A ideia do espetáculo é justamente trazer questões relevantes sobre alguns aspectos do universo da criança, tais como a aceitação das diferenças e a relação com os pais, com os amigos e com a tecnologia. Mais atual impossível!

Quer conhecer mais sobre a Ilha de Makupuni? Chega aqui: facebook.com/cegonhabandodecriacao

Sinopse:

Makupuni é a ilha do futuro, onde as crianças são fabricadas no centro da ilha e são entregues em caixas nas casas dos seus pais. Neste sentido, elas já nascem perfeitamente educadas e adaptadas às suas famílias. Porém, 3 crianças nascem fora do padrão dos pais: um menino-polvo, uma menina-âncora e um menino-livro. Eles são devolvidos por não se adaptarem às casas em que foram recebidos. A missão do público é decidir os rumos dessa história, através de plaquinhas coloridas para votação, monitoradas por uma câmera, que transmitirá instantaneamente os resultados no palco. A plateia infantil poderá ajudar na reintegração dessas crianças e na aceitação da família, dos amigos e dos sonhos. A ideia do espetáculo é trabalhar os conceitos de aceitação, diferença e empatia, na relação da criança com seus pais, com a tecnologia e com o mundo.

Leia também  Pesquisa revela que brasileiros consideram ovos da Páscoa caros ou muito caros

Ficha técnica
Autor: Vida Oliveira
Diretor: Vida Oliveira
Direção dos bonecos: Miguel Araujo
Assistente de direção: Pedro Maia
Elenco: Miguel Araujo e Luiza Sussekind
Trilha Sonora Original: Ricco Viana
Cenário: Paulo Denizot e Janaína Wedling
Luz: Paulo Denizot
Projeções: Rico Vilarouca e Renato Vilarouca
Figurino: Raquel Theo
Criação e confecção dos bonecos: Márcio Newlands
Consultoria da direção de movimento: Jacyan Castilho
Confecção de aplicativo de votação: Ambos &&
Produção Audiovisual: Zhai Sichen E Rafael Bisbis
Fotos de divulgação: Rafael Bisbis
Direção de produção: Vida Oliveira
Produção Executiva e administração da temporada: AR Produções | André Roman e Renata Batista
Assistente de produção: Miguel Araújo e Thamiris Tavares
Realização: Cegonha – Bando de Criação
Identidade Visual:  Guilherme Borges
Social Media: AR Produções – Renata Batista 

SERVIÇO TEMPORADA ZIEMBINSKI 2018

Teatro Municipal Ziembinski
Rua Urbano Duarte – 30 – Tijuca – RJ (Estação Metrô São Francisco Xavier)
Tel 21 3234 2003
Sábados e domingos às 16h
De 04 a 26|08
Duração: 40 Minutos
Valor do Ingresso: R$30 Inteira/R$15 Meia
Classificação Etária: Livre
Recomendado para crianças a partir dos 6 anos e suas famílias
Capacidade Teatro: 104 lugares

Posts relacionados

Musical Amor Barato estreia no Rio mesclando fábula e realidade num musical para adultos

Redação

Crítica | Verão

Alyson Fonseca

Roupa Nova celebra 39 anos de carreira no Morro da Urca

Redação

Exposição reúne trajetória do Flamengo na Casa França Brasil

Redação

Com direção de Ana Beatriz Nogueira, Leila Pinheiro apresenta ‘Extravios’ no Teatro Oi Casa Grande

Redação

Favela 2 – A gente nunca esquece no Teatro Municipal Carlos Gomes

Redação

Deixe um comentário