Peça-game para crianças sobre diferença e aceitação chega com sua segunda temporada ao Teatro Café Pequeno

foto: Júlio Ricardo
foto: Júlio Ricardo

A peça-game infantil Makupuni chega ao Teatro Municipal Café Pequeno, no Leblon, para sua segunda temporada na cidade do Rio de Janeiro, e fica em cartaz do dia 14 a 29 de outubro, aos sábados e domingos às 16h. O espetáculo é uma realização do Cegonha – Bando de Criação e tem como diretoraVida Oliveira (In.com.patíveis e Ex.troll.gênio),queidealizou o projeto junto com o ator Miguel Araujo (Cia PeQuod – Teatro de Animação).

Makupunié a ilha do futuro. Com tecnologia e ciência, é possível ter uma casa projetada para cada estilo de vida. É possível morar nas nuvens, no vento e até em submarinos embaixo d’água. As crianças são fabricadas no centro da ilha e já nascem perfeitamente educadas e adaptadas às suas famílias, e são encomendadas e entregues em caixas. Eis que em um belo dia, um grande mistério acomete a ilha. Um menino-polvo, que não cabe na casa aonde vive; uma menina-âncora, que é pesada e precisa se fixar no chão, mas nasceu numa família que vive nas nuvens; e um menino-livro que nasceu numa família digital e não sabe ser lido pela própria família. Por causa desses problemas, eles são devolvidos por suas famílias por não se adaptarem às casas em que foram recebidos.

A missão do público é ajudar na reintegração dessas crianças, que precisam se adaptar e, mais do que isso, precisam se entender e se aceitar nos ambientes da casa, da família, dos amigos e dos sonhos. Por pelo menos três vezes ao longo da peça, o destino e as escolhas dessas crianças na sua jornada são escolhidas pelo próprio público. Essa dinâmica faz com que a jornada de autoconhecimento e aceitação de cada criança seja única e diferenciada a cada apresentação.

Por isso, Makupuni é um espetáculo que mistura a interatividade da peça-game com o teatro de animação. Desta vez a encenação conta, além dos atores, com técnicas de animação como teatro de bonecos, teatro de sombras e animação 2D em mapping.

A interatividade acontece da seguinte forma: nesse projeto, a diretora Vida Oliveira não vai usar um software de celular para votação da platéia. As crianças vão ter placas coloridas para levantarem nos momentos de votação. Uma câmera posicionada em direção a platéia vai filmar esses momentos, transmitindo o resultado no palco ali mesmo, na hora, a partir da predominância de cores das plaquinhas levantadas. Lúdico e tecnológico ao mesmo tempo.

A ideia do espetáculo é justamente trazer questões relevantes sobre alguns aspectos do universo da criança, tais como a aceitação das diferenças e a relação com os pais, com os amigos e com a tecnologia. Mais atual impossível!

Quer conhecer mais sobre a Ilha de Makupuni? Chega aqui: facebook.com/cegonhabandodecriacao

Sinopse:

Makupuni é a ilha do futuro, onde as crianças são fabricadas no centro da ilha e são entregues em caixas nas casas dos seus pais. Neste sentido, elas já nascem perfeitamente educadas e adaptadas às suas famílias. Porém, 3 crianças nascem fora do padrão dos pais: um menino-polvo, uma menina-âncora e um menino-livro. Eles são devolvidos por não se adaptarem às casas em que foram recebidos. A missão do público é decidir os rumos dessa história, através de plaquinhas coloridas para votação, monitoradas por uma câmera, que transmitirá instantaneamente os resultados no palco. A platéia infantil poderá ajudar na reintegração dessas crianças e na aceitação da família, dos amigos e dos sonhos. A idéia do espetáculo é trabalhar os conceitos de aceitação, diferença e empatia, na relação da criança com seus pais, com a tecnologia e com o mundo.

Serviço:

MAKUPUNI
Local:Teatro Municipal Café Pequeno
Data:14/10 a 29/10 – sábados e domingos.
Horário: 16h
Entrada:R$ 30,00 (inteira) e R$ 15 (meia)
Duração: 45 minutos
Classificação: Livre. Indicado para crianças a partir de 8 anos.
Gênero: Infantil
Contato:cegonhabando@gmail.com  – (021) 981082856

Ficha técnica 
Autor: Vida Oliveira
Diretor: Vida Oliveira
Direção dos bonecos: Miguel Araujo
Assistente de direção: Pedro Maia
Elenco: Miguel Araujo e Luiza Sussekind
Direção Musical: Ricco Viana
Cenário : Paulo Denizot e Janaína Wedling
Luz: Paulo Denizot
Projeções: Rico Vilarouca e Renato Vilarouca
Figurino: Raquel Theo
Criação de bonecos:Márcio Newlands
Confecção de aplicativo de votação: Ambos &&
Produção Audiovisual: Zhai Sichen
Direção de produção: Vida Oliveira
Supervisão da direção de movimento: Jacyan Castilho
Produção executiva: Joana Martins
Assistente de produção: Miguel Araújo e Thamiris Tavares
Realização: Cegonha – Bando de Criação