28.6 C
Rio de Janeiro
novembro 15, 2018
Teatro & Dança

‘Paulo e Estêvão – O Musical’ na Lona Carlos Zéfiro

A saga do rabino que se tornou um dos maiores apóstolos do cristianismo

A peça teatral “Paulo e Estêvão – O Musical”, baseada nos best-seller ditado pelo espírito Emmanuel e psicografado por Chico Xavier, em 1941, volta ao palco da Lona Carlos Zéfiro no dia 21 de outubro, às 17h. O espetáculo da Cia. Teatral Mensageiros aborda a diversidade da história da humanidade, da política, da relação humana e seus propósitos em conhecimento e questionamentos diante da fé religiosa. Liberdade e opressão, poder e arbitrariedade, bem como preconceitos classistas e fanatismo religioso estão em cena, espelhando lutas que ainda hoje movimentam nossa sociedade.

Quem era Paulo de Tarso? Um fariseu perseguidor de cristãos, mas predestinado por determinação divina a pregar o Evangelho em toda a Terra. Conhecido como Saulo, se dedicava à perseguição dos primeiros discípulos de Jesus na região de Jerusalém. Durante uma viagem entre Jerusalém e Damasco, numa missão para capturar fiéis e leva-los presos, Saulo teve uma visão de Jesus envolto numa grande luz. Ficou cego, mas teve a visão recuperada após três dias por Ananias, que também o batizou. Começou, então, a pregar o Cristianismo. Juntamente com Simão Pedro e Tiago – o Justo, ele foi um dos mais proeminentes líderes do nascente cristianismo. Paulo de Tarso, também foi chamado de Apóstolo Paulo, Saulo de Tarso e São Paulo foi um dos mais influentes escritores do cristianismo primitivo, cujas obras compõem parte significativa do Novo Testamento. A influência que exerceu no pensamento cristão, chamada de “paulinismo”, foi fundamental por causa do seu papel como preeminente apóstolo do Cristianismo durante a propagação inicial do Evangelho pelo Império Romano.

O espetáculo foi repensado como um musical, tendo como convidados cantores experientes e famosos no movimento da música transcendental, tais como Marcelo Daimom, Haroldo Mendonça e Ariovaldo Filho. Reúne músicas clássicas no meio a que nos referimos, tais como “Noite e dia” (de Allan Filho), “Alma”, “Olhar o céu” (Ambas de Marielza Tiscate), “Doutrina de amor” (De Fábio Leite) e mais nove canções que demostram a grandeza, o amor, os sonhos do ser humano e a fé na imortalidade da alma, em um cenário em que o Cristianismo e o Império Romano disputavam a posse das almas, num cenário de misérias e esplendores.

Os cenários foram projetados com a moderna tecnologia do Lightworks e reproduzem, através de vídeos e imagens, variados ambientes da Roma e Jerusalém do passado, cujo material precioso advindo de universidades de outros países foi trazido ao Brasil pelo diretor do espetáculo, e também historiador, Caíque Assunção. Os figurinos constituem, igualmente, parte valiosa dessa pesquisa histórica, visto que as armaduras de centuriões e generais, espadas, adagas e escudos, estandartes das legiões e etc, são réplicas autênticas trazidas da Europa e dos EUA. Tudo isto fará o público voltar a um passado histórico de há 2000 anos. A peça estreou em 2006, no Rio de Janeiro, tendo sido apresentada em outros estados (São Paulo, Pará, Bahia, Minas Gerais, etc) e agora retorna aos palcos em forma de musical.

A peça propõe o diálogo, os questionamentos, os medos, a fé, o conhecimento, a poesia e a crítica ao estilo de vida a partir do distanciamento da vida comum pré-estabelecida pela sociedade, onde ambiciona contribuir diretamente para a autoanálise de si, do eu com os feitos da história de outros. O Espelho convexo do homem moderno, visando à análise da perda de um ser sem sonhos, sem ilusões e utopias de vida. Busca assim contribuir na reflexão do poder que a fé possuiu sobre nossa forma de estabelecer a vida, nas rotulações feitas a todo tempo pelos meios de comunicações e por nós mesmos, quando um membro não se encaixa a esse padrão de sociedade.

Experiente e reconhecida pela qualidade de seus espetáculos, a Cia. Teatral Mensageiros foi fundada em 1998 com a estreia da peça “Há 2000 anos”, no teatro João Caetano. Surgiu quando atores e amantes da arte espírita/espiritualista e afins juntaram-se para levar aos palcos arte transcendental, ou seja, peças que ultrapassem os limites da experiência, que trabalha a intervenção de um princípio que lhe é superior. A companhia não visa o proselitismo, mas, sim, informar e participar deste grande movimento da arte transcendental que abrange peças de teatro variadas, músicas e até mesmo filmes norte-americanos (Ghost, Amor além da vida, O Sexto Sentido e etc).

Serviço

Lona Cultural Carlos Zéfiro – Estrada Marechal Alencastro, 4113 – Anchieta, Rio de Janeiro. Data: 21 de outubro, domingo. Horário: 17h. Classificação: 10 anos. Capacidade: 320 lugares Contato: lonazefiro.cultura@gmail.com. Informações: 2148-0813. Ingressos: R$ 25,00 (meia-entrada mediante doação de 1kg de alimento não perecível) e R$ 50,00 (inteira).www.facebook.com/lonacarloszefiro

Posts relacionados

Espetáculo 4 Amigos no Teatro Bradesco Rio

Redação

“Fran World Tour – Eu só preciso ser amada” utiliza a palhaçaria para abordar a liberdade criativa e a comicidade do corpo da mulher

Redação

Claudio Torres Gonzaga com ‘Quase tudo que eu sei fazer’ no

Redação

Deixe um comentário