17.3 C
New York
abril 24, 2019
Notícias

Paulinho Mocidade lança o sétimo CD no palco do Teatro Rival Petrobras

“Como é bom” explora o romântico e o partideiro

A primeira oportunidade de entrar em um estúdio para gravar um LP foi no ano de 1980, após vencer um concurso da gravadora RCA Victor, que apostava em um novo talento do samba. O LP de estreia foi “Se o Caminho é Meu”, faixa autoral que posteriormente se tornaria sucesso na voz de Dona Ivone Lara, e ganharia as rodas de samba do Brasil.

A carreira seguiu e Paulinho Mocidade, mesmo sem pretensões, se tornaria um dos intérpretes mais famosos da Marquês de Sapucaí, onde se tornou tetra campeão do carnaval, ganhou prêmios, compôs sambas-enredo antológicos e passou por diversas agremiações. No entanto, a carreira de cantor e compositor esteve sempre presente – e ele adora! E nesta celebração, o sambista lança “Como é Bom”, sétimo álbum da carreira. Assim como no anterior, a direção musical e os arranjos ganharam a assinatura do renomado maestro Wanderson Martins, que atua ao lado do mestre Martinho da Vila, na mesma função, há pelo menos 30 anos. Por falar em Martinho, o bamba disse certa vez: “Paulinho Mocidade é um cantor de verdade, um artista.”

Repertório

No repertório predominantemente autoral e que passeia pelo samba mais tradicional aliado a boas pitadas de romantismo, Paulinho Mocidade abre o CD em uma celebração emotiva à Mocidade Independente de Padre Miguel, escola que o consagrou, em “Papo de Avenida”, canção poética dos craques Serginho Meriti e Claudinho Guimarães. Em parceria com o autor de sucessos Paulinho Rezende, o álbum se deleita de amor com “Ponto de Crochê”, que segue modelos apaixonados na faixa título “Como é Bom”, dos compositores Afrânio e Oswaldo Melo; “No Lugar do Prazer”, em parceria com Leo Perez e Flavinho Bento; “Segue na Fé”, com Leo Perez; e a parceria com o poeta baiano Nelson Rufino, em “Ponto Final”.

Leia também  Pista de patinação no gelo tem funcionamento estendido até o dia 31 de março

Para embalar as rodas de samba e fazer o público cantar e celebrar na palma da mão, tem “Cadê meu Amor”, em parceria com o partideiro Alexandre Chacrinha e mais uma vez Leo Perez, e “Maravilha”, com o bamba Claudinho Guimarães. E ainda obras mais jocosas como “Dente Sizo”, com Capri e Manelão; “Bem de Mansinho” e “Beijinho Gostosinho”, ambas de Afrânio e Oswaldo Melo. Por falar na dupla, os compositores são também os autores de “Praia de Ramos”, sucesso na voz de Dicró.

Paulinho celebra ainda o bom entrosamento com a nova geração, com o partido “Pedras no Caminho”, em parceria com Leandro Fregonesi, compositor gravado e admirado por nomes como Maria Bethânia, Beth Carvalho e Diogo Nogueira.

O novo CD Como é Bom está disponível na Livraria Arlequim, no Centro do Rio de Janeiro, e nas principais plataformas digitais.

Serviço

Teatro Rival Petrobras – Rua Álvaro Alvim, 33/37 – Centro/Cinelândia – Rio de Janeiro. Data: 18 de setembro (Terça). Horário: 19h30. Abertura da casa: 18h. Ingressos: Setores A, B e Mezanino – R$ 50 (Inteira), R$ 35 (promoção para os 100 primeiros pagantes), R$ 25 (meia-entrada). Venda antecipada pela Eventim – http://bit.ly/Ingressos2z0P23jBilheteria: Terça a Sexta das 13h às 21h | Sábados e Feriados das 16h às 22h. Censura: 18 anos. www.rivalpetrobras.com.br. Informações: (21) 2240-9796. Capacidade: 350 pessoas. Metrô/VLT: Estação Cinelândia.

Posts relacionados

Diogo Almeida no Teatro Bradesco Rio

Redação

90 anos de Mickey Mouse: Conheça 10 curiosidades sobre o personagem

Redação

Mês de cardápio e atividades infantis na Tasca Filho d’Mãe

Redação

Espetto Carioca inaugura unidade na Ilha do Governador

Redação

Suplicy Cafés Especiais assina operação do Work Café Santander

Redação

Goose Island promove Block Party em São Paulo

Redação

Deixe um comentário