24.3 C
Rio de Janeiro
novembro 17, 2018
Livros

Páginas sangrentas de uma história imperial

Uma batalha épica entre os soldados mais destemidos do reino brasileiro e as criaturas mais sombrias e sedentas por sangue

Escritor, roteirista e poeta, M. R. Terci lança a intrigante obra Imperiais de Gran Abuelo, publicada pela Editora Pandorga. A narrativa é uma amálgama entre ficção e realidade de casos obscuros que aconteceram no Brasil, em meados de 1880, durante o Segundo Reinado. O autor compõe a verdadeira dicotomia acerca da ciência e superstição.

No livro, Terci, conhecido como poeta das sepulturas, discorre uma excêntrica jornada de um grupo de soldados imperiais que encontra ao longo do caminho criaturas sórdidas e misteriosas, movidas por uma sede insaciável de sangue. Com uma linguagem monárquica, daquelas ditas pelos soldados mais corajosos do reinado que predominava o Brasil, a ficção é um passeio sombrio e aterrorizante pelo passado brasileiro.

Não só os personagens pertencentes às fábulas invadem a obra, alguns dos homens mencionados são bem conhecidos entre a história do país tupiniquim, como Manuel Luís Osório, Marquês do Herval; Juan Manuel José Domingo Ortiz de Rosas; Francisco Solano López Carrillo; José Francisco Lacerda, vulgo Chico Diabo; Justo José de Urquiza y García e, o Rei, Dom Pedro II. Além disso, algumas batalhas também são reais, como a Guerra dos Farrapos, a Dezembrada, o Massacre em São Fernando e a Guerra do Paraguai.

Terci utiliza da poesia e coloca seu lado mais sádico em prova quando mortes sangrentas visitam pessoas fortes e destemidas, estabelecendo a dúvida sobre o que será da humanidade, se até dos bravos soldados imperiais a criatura faz ceia.

O demônio esculpiu, com ânimo de louco, um bestiário atroz que luta encarniçadamente pela sua própria sobrevivência no mundo natural. Este mundo, o meio onde vivem as bestas, é regiamente comandado pela lei do mais forte. Não é um mundo idílico, como quiseram nos fazer crer, mas um mundo real, hostil e brutal.

O terror é gritante e, página após página, se torna impossível não viver aquele momento de desespero, não sentir a carne rasgar e não se render à um desequilíbrio momentâneo que supõe a chegada deste universo à realidade.

Imperiais de Gran Abuelo é um livro que se arrisca pelo passado mais negro do país, um relato preciso e visceral da Guerra do Paraguai, onde o leitor estabelece um acordo tácito com o autor ao suspender a descrença, aceitar o faz-de-conta e vestir a farda imperial para viver ao menos mais um dia numa crônica de pólvora e sangue.

Não obstante toda criação imaginária e fantasiosa por trás do enredo, ao longo de toda a narrativa, o leitor guiado pelo bom senso haverá de perguntar: um golpe movido por forças sobrenaturais, muito além da compreensão humana ou mero assombro supersticioso a ser desvendado pelo conhecimento cientifico?

Ficha Técnica:
Formato: 16×23 cm
Páginas: 208
IBSN: 978-85-8442-300-2
Assunto: Terror; Ficção
Preço: R$ 29,90

O autor: M. R. Terci é escritor, roteirista e poeta.  Antes de se dedicar exclusivamente a escrita, foi advogado com especialização em Direito Militar e mestrado em Direito Internacional, Ciência Política, Economia e Relações Internacionais. É o criador da série O Bairro da Cripta, lançada anteriormente pela LP-Books e que reforçou seu nome como um dos principais autores brasileiros de horror da atualidade. Com base em fatos históricos, Terci substitui os castelos medievais pelos casarões coloniais, as aldeias de camponeses pelas cidadezinhas do interior, os condes pelos coronéis e as superstições por elementos de nosso folclore e crendices populares, numa verdadeira transposição do gótico para a realidade brasileira. Seus livros não são apenas para os fãs do gênero horror. Seu penejar é para quem aprecia uma narrativa envolvente, centrada na experiência subjetiva dos personagens mediante as possibilidades que o contexto sobrenatural de suas estórias permite.

Posts relacionados

Lançamento do livro: “Alma de Cabrocha – Uma autobiografia cheia de samba”, de Therezinha Monte

Redação

Lagartas e Borboletas

Redação

A arte de ver a beleza nas cicatrizes da vida

Redação

Deixe um comentário