OSB e os finalistas do Concurso Internacional BNDES de Piano no Theatro Municipal

Concurso BNDES
Concurso BNDES

Definidos os três finalistas da quinta edição do mais importante concurso internacional de música do país. São eles:

Daniel Ciobanu (Romenia)

Booking.com

Andreas Ioannides (Reino Unido)

Joo Hyeon Park (Coreia do Sul)

A final está marcada para o sábado, 10/12, no Theatro Municipal, com a Sinfônica Brasileira regida por Roberto Tibiriçá

– entrada gratuita –

O prêmio de Música Brasileira, para Lucas Thomazinho (Brasil) e o prêmio Ginastera, para Liza Kliuchereva (Rússia)

Foram anunciados na noite desta segunda (5)

Os três finalistas da quinta edição do Concurso Internacional BNDES de Piano foram anunciados nesta segunda, após a fase semifinal. Dos 19 jovens de 11 países, oito disputaram as três posições de finalista e tocarão na tarde de sábado, dia 10, com a Orquestra Sinfônica Brasileira sob a regência de Roberto Tibiriçá. São eles:

Daniel Ciobanu (24 anos, Romenia), que escolheu como peça final o  Concerto n. 3 op.26 em Dó Maior de Prokofiev;

Andreas Ioannides (29 anos, Reino Unido), que toca o Concerto n. 5 em Mi Bemol Maior, op 73, “Imperador”, de Beethoven; e

Joo Hyeon Park (27 anos, Coreia do Sul), que disputa a final com o  Concerto n. 1 em Si Bemol Menor, op.23 de Tchaikovsky.

Também nessa noite foram anunciados os vencedores do Prêmios de Música Brasileira e do prêmio oferecido pela Fundação Ginastera para o melhor intérprete de uma obra do compositor argentino. Os vencedores são o brasileiro Lucas Thomazinho (21 anos), que leva o prêmio de Música brasileira no valor de R$ 17 mil; e a russa Liza Kliuchereva (17 anos), que ganhou o prêmio Ginastera, de US$ 3 mil.

O Concurso

A quinta edição dessa verdadeira olimpíada musical começou dia 1º de dezembro no Rio de Janeiro. Patrocinado exclusivamente pelo BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) e realizado pelo Instituto Arte Plena, trouxe dessa vez 19 dos melhores jovens pianistas do mundo. A soma dos prêmios alcança R$ 280 mil (para o primeiro prêmio estão reservados R$ 120 mil, além de e séries de concertos pelo mundo todo – incluindo alguns prestigiadíssimos palcos, como os do Lincoln Center em Nova York).

Nesta edição, o Concurso homenageia a pianista e professora Lucia Branco e o compositor Camargo Guarnieri – de quem os candidatos tocaram, na etapa semifinal, uma peça dentre as indicadas no regulamento (Toccata, Ponteio nº 49, Fraternidade ou Choro Torturado).

“A quinta edição em 2016 vem comprovar uma sólida visibilidade internacional do concurso”, revela Lilian Barretto, que dirige o concurso à frente do Instituto Arte Plena. “Somos hoje o único concurso do Brasil certificado pela World Federation of International Music Competitions, e um dos dois concursos avalizados pela Instituição na América Latina”.

A grande final
As etapas eliminatórias e as semifinais aconteceram na Sala Cecília Meireles, dias 1, 2, 4 e 5 de dezembro. A grande final, no sábado, dia 10/12, será feita no Theatro Municipal. A Sinfônica Brasileira estará sob a regência de Roberto Tibiriçá.  Todos os eventos têm entrada franca e são abertos ao público. Os ingressos serão distribuídos ao público 2 horas antes de cada espetáculo.

O Júri
A presidência desta V edição é de Elisso Virsaladze, da Geórgia. Ganhou o primeiro premio aos 24 anos na Schumann Competition em Zwickau e o terceiro lugar no Tchaikovsky. É convidada das maiores orquestras mundiais. Professora do Conservatório de Moscou e em Munique (Munich Musikhochschule), integra frequentemente o júri de concursos como o Tchaikovsky, em Moscou, o Rubinstein em Tel Aviv e o Santander, da Espanha.

Compõem o corpo de jurados:

O pianista vietnamita Dang Thai Son, primeiro prêmio e Medalha de Ouro no X Concurso Chopin/ 1980, em Varsóvia. Foi a primeira vez que um concurso internacional do mais alto nível teve como vencedor um pianista asiático.  É um incontestável nome do instrumento com uma carreira onde figuram praticamente todas as grandes salas e as principais orquestras e regentes do mundo.  É também, desde 2001, professor convidado na Universidade de Montreal e também já integrou juris dos concursos mais importantes.  

Irineu Perpétuo, jornalista e tradutor, colaborador da revista Concerto e jurado do concurso de música Prelúdio, da TV Cultura, já foi jurado de diversas competições nacionais ministra cursos, oficinas e palestras, inclusive em universidades como a USP, UFRJ, na de São Petersburgo e na Universidade do Texas.  Publicou Populares &Eruditos (com Alexandre Pavan-  Editora Invenção, 2001), Cyro Pereira – Maestro (DBA Editora, 2005), e dos audiolivros História da Música Clássica (2008), Alma Brasileira: A Trajetória de Villa-Lobos (2011) e Chopin: O Poeta do Piano (todos da Livro Falante, 2012). Traduziu, diretamente do russo, livros de A. S. Púchkin, Turguêniev, Tolstói,  Dostoiévski e Vassili Grossman.  

Uma das mais renomadas pianistas brasileiras, Linda Bustani foi discípula de Arnaldo Estrella e ganhou, aos quinze anos de idade, o Concurso Internacional Vianna da Mota, de Lisboa, depois de vencer os Concursos Nacionais de Salvador e do Rio de Janeiro. Estudou com Iakov Zak e Elisso Virsaladze no Conservatório Tchaikovsky, em Moscou. Carreira lançada – também ganhou concursos no Rio, em Bratislava e o de Leeds – vem se apresentando pelo mundo todo.

Professor Honorário do Conservatório de Genebra, o argentino Luis Ascot estudou em Buenos Aires e, no Brasil, com Guiomar Novaes, Magdalena Tagliaferro e Jacques Klein. Ganhou o Paderewski Award e o Prize of Virtuosity na instituição suíça em 1973. A carreira de intérprete o levou aos mais importantes palcos dos cinco continentes. É intérprete privilegiado e foi amigo pessoal do compositor argentino Alberto Ginastera; prossegue como membro de numerosos corpos de jurados em concursos.

O polonês Piotr Paleczny, destacados pianista e professor, premiado em cinco concursos internacionais de piano, inclusive o VIII Concurso Chopin, e foi pupilo de Jan Ekier.  Também solista das grandes orquestras mundiais, dirige desde 1993 o mais antigo festival de piano existente no mundo – o International Chopin Piano Festival de Duszniki Zdroj.  É professor laureado e júri das competições internacionais.

Tamás Ungár, pianista húngaro, se apresenta e ensina com frequência em todo o mundo. É um dos mais conhecidos e respeitados professores de piano dos Estados Unidos; Fundador e diretor executivo da Piano Texas International Academy & Festival e membro desde 1978 do corpo docente da Texas Christian University (TCU) Piano Faculty, tem tido alunos premiados nos grandes concursos.  

Compositor Homenageado: Camargo Guarnieri

Mozart Camargo Guarnieri (Tietê, 1 de fevereiro de 1907 — São Paulo, 13 de janeiro de 1993) é o compositor homenageado nessa edição, com obras incluídas no programa de todos os concorrentes – um dos maiores nomes da música no Brasil.

Além de compositor, encarnando o nacionalismo modernista, foi professor e regente.  Filho de músicos (o pai era barbeiro e flautista, a mãe, pianista) estudou com Ernani Braga e com o regente italiano Lamberto Baldi. Compõe para orquestra a partir de 1929, dedicando-se a incorporar ritmos e temas do folclore brasileiro. Nos anos 1930, dedica-se a estudar mestres do atonalismo, mas nos anos 1950 lidera um movimento que busca a recuperação das formas tradicionais de composição (versus o serialismo de Koelreutter, por exemplo). Mas utiliza a técnica serial no Concerto nº 5, para piano e orquestra, de 1970, quando diz: “Não estou mudando de ideia. Vivo no presente e minha música é atual”.

Forma uma escola de composição. Entre seus alunos estão Osvaldo Lacerda,  Aylton Escobar, Almeida Prado e Marlos Nobre. Seu interesse pelo ensino de música no Brasil é forte – cria um plano para o governo de Juscelino Kubitschek.  Foi  regente e diretor artístico da Orquestra Sinfônica da Universidade de São Paulo (1975-1992); recebeu o Prêmio Gabriela Mistral, da Organização dos Estados Americanos (OEA) como Maior Músico das Três Américas.

Homenagem a Lucia Branco

A pianista homenageada nesta edição é Lucia Branco  (1903-1973), que teve papel fundamental para toda uma geração de pianistas no Rio de Janeiro. Aluna de Arthur De Greef, por sua vez aluno de Franz Liszt, deu aulas para Jacques Klein, Luiz Eça, Arthur Moreira Lima, Nelson Freire e… Tom Jobim (conta-se que Tom pensou em se dedicar à carreira de concertista mas, com o incentivo da professora, acabou se dedicando à composição).

Ações Formadoras

Não é só o Concurso, a cada dois anos – vibração, torcida, emoção – que está em jogo aqui. Nem mesmo a grande visibilidade internacional já conquistada. Com o patrocínio do BNDES, o Instituto Arte Plena tem feito um trabalho contínuo de formação e de estímulo à atividade musical em geral e pianística em particular.  E com regularidade.

“Nós nos orgulhamos por realizar ações de apoio à qualificação artística nacional”,  começa Lilian, “a começar pela concessão de bolsas de estudo a pianistas promissores no país”.

Desde 2014 estão sendo concedidas bolsas de estudo a promissores jovens brasileiros, garimpados por todo o país e avaliados por um júri especializado. Já foram concedidas 13 bolsas a jovens e talentosos pianistas brasileiros, cinco dos quais estarão concorrendo nesta quinta edição.

Em 2010, foram comprados 20 pianos para doação a instituições de ensino de música como a Escola de Música da UFRJ e o Conservatório Brasileiro de Música.

Em 2011, foi lançado o livro Guiomar Novaes do Brasil, um recorte da carreira internacional de Novaes, trazendo gravações inéditas da grande intérprete com a Filarmônica de Nova York.

Um curso para afinadores de piano a cargo de George Boyd – aliás, de grande importância para a manutenção dos pianos no Brasil é outra das ações formadoras.

Em 2014 o Concurso passou a ter sede na Cidade das Artes, como projeto-residente, e em parceria com a Cidade das Artes realizou a Série Medalhas de Ouro do Piano, trazendo ao Brasil vencedores de renomados concursos internacionais como o Concurso Internacional de Música Rainha Elisabeth (Bélgica), Van Cliburn (USA) e Chopin (Polonia).

O Concurso traz grandes vencedores de outros certames para concertos no Brasil, na série Medalhas de Ouro. E em 2016 iniciou uma série de concertos de brasileiros pela América Latina – tocaram na Argentina, Uruguai, Peru, Colômbia e México os pianistas Cristian Budu, Pablo Rossi, Fabio Martino e Leonardo Hilsdorf.

A Direção Artística

Lilian Barretto, criadora, coordenadora e diretora artística do Concurso Internacional BNDES de Piano, é uma das pianistas brasileiras mais conhecidas, e uma produtora com vasto currículo. Foi aluna de Gilberto Tinetti, Glória Maria Fonseca Costa e Jacques Klein no Brasil e, no exterior, fez parte da classe do prof. Jan Ekier, na Academia Chopin, Polônia. Além de sua carreira como solista e camerista, foi diretora da Sala Cecília Meireles e do Theatro Municipal do Rio de Janeiro. No Brasil, tocou sob a regência de Isaac Karabtchevsky, Simon Blech, David Machado, Roberto Duarte, Diogo Pacheco, Alceu Bocchino, Thomas Conlin e muitos outros.

Foi vencedora de diversos concursos nacionais de piano, entre eles, o Concurso Nacional de Piano da Bahia em 1968. Recebeu do Ministério da Cultura da Polônia a Medalha de Ordem ao Mérito em 1984, ano em que participou do Congresso de Mulheres Musicistas em Paris. Por dois anos consecutivos, realizou estágio de produção artística na Royal Opera House, em Londres.

Como camerista, apresentou-se com a violinista russa Nina Beilina, o Quarteto de Colônia, o tenor Aldo Baldin, o oboista Alex Klein, o bandoneonista argentino Daniel Binelli, o violinista Paulo Bosisio, o tenor Fernando Portari e em parceria com a bailarina Ana Botafogo apresentou- se em diversas cidades brasileiras.

Foi jurada do Concurso Internacional de Piano Vianna da Motta, em Lisboa. Apresentou-se no Festival du Château de la Follie, Bélgica, no Festival Liszt de Grottamare, Itália, no Festival de Música de Rapallo, Itália, no Festival Les Nuits Pianistiques, em Marselha, França e no Amiata Piano Festival na Toscana, Itália. Desde 2009 é a diretora artística e coordenadora geral do Concurso Internacional BNDES de Piano.

PRÊMIOS

Total, em valor bruto, de R$ 280.000 (duzentos e oitenta mil reais).

1º Prêmio – R$ 120.000 (cento e vinte mil reais) e concertos no Brasil, na Europa e nos EUA na temporada de 2016/2017.

2º Prêmio R$ 75.000 (setenta e cinco mil reais).

3º Prêmio R$ 60.000 (sessenta mil reais).

Prêmio Melhor Intérprete de Música Brasileira R$ 17.000 (dezessete mil reais).

Prêmio do Público Cidade das Artes R$ 8.000 (oito mil reais)

OBS: A Fundação Ginastera, através de sua presidente Georgina Ginastera oferece um prêmio ao candidato que desejar incluir no repertório da prova semifinal a Sonata nº 1 ou a Sonata nº 2 de Alberto Ginastera. O prêmio será de US$ 3.000 para o melhor intérprete da obra.

SERVIÇO

Sábado, 10 DE DEZEMBRO – 16 horas – sábado – Theatro Municipal
Prova final com três finalistas e Orquestra Sinfônica Brasileira – Regência de Roberto Tibiriçá

TODOS OS INGRESSOS SERÃO DISTRIBUÍDOS GRATUITAMENTE A PARTIR DE DUAS HORAS ANTES DE CADA EVENTO

Theatro Municipal do Rio de Janeiro – Praça Marechal Floriano s/n – Centro – 21 2332.9191 / 2332.9134 / 2332.9005

ASSESSORIA DE IMPRENSA – VERBO VIRTUAL

Luciana Medeiros lucianamedeiros@verbovirtual.com.br55 21 2294-4560 / 98139-0202 (Tim)

Paula Catunda  – paula.catunda@gmail.com55 21 2286-6583 /  98795-6583 (Claro)

Booking.com