Orquestra Petrobras Sinfônica anuncia Temporada 2017

Grandes espetáculos, regidos por maestros de renome e solistas consagrados, as séries de assinatura Portinari e Djanira contarão com oito concertos

A Orquestra Petrobras Sinfônica abre no dia 1° de dezembro as assinaturas para sua Temporada 2017, com concertos das séries Portinari e Djanira, que acontecem no Theatro Municipal. A programação tem início no dia 18 de março, com regência do maestro titular Isaac Karabtchevsky e o pianista Jean Louis Steuerman. Steuerman, que atualmente é o diretor da Sala Cecília Meireles, se destacou com uma importante carreira internacional e ganhou reconhecimento depois de conquistar, em 1972, o segundo lugar no Concurso Johann Sebastian Bach, em Leipzig, na Alemanha. No programa, obras de Mozart (Concerto para piano nº 24 em dó menor, K. 491) e Rossini (Abertura da ópera La gazza ladra, Abertura da ópera O Barbeiro de Sevilha, Abertura da ópera A Italiana na Algéria, Abertura da ópera La scaladi seta e Abertura da ópera Guilherme Tell). A renovação ocorrerá entre 01 e 15 de dezembro de 2016 e novas assinaturas poderão ser feitas de 16 de dezembro de 2016 a 01 de março de 2017 nos telefones (21) 2252-3147 e (21) 2252-2633.

“A relação Mozart – Rossini é fundamentada na produção operística de Mozart que estabeleceu parâmetros definitivos para sua época. Nele está presente, além da linha do bel canto, uma força motriz que impulsiona a sonoridade da orquestra a uma conjunção com as linhas de canto. A orquestra passou, com Mozart, a um importante protagonista da comédia e do drama. Essas influências foram percebidas por Rossini que se celebrizou com obras notáveis como La gazza ladra, O Barbeiro de Sevilha e outras. Algumas das aberturas dessas óperas estarão presentes no concerto e elas testemunham desde os primeiros acordes as características do desenvolvimento da ópera”, comenta o maestro Karabtchevsky.

Pela série Portinari, realizada sempre aos sábados à tarde, ainda fazem parte mais três concertos, sendo um com regência de Felipe Prazeres e participação do solista Alexandre Dossin no piano. Porto-alegrense radicado nos Estados Unidos, Dossin recebeu em 2003 o Prêmio Especial no Concurso Internacional de Piano Martha Argerich, em Buenos Aires, além da Medalha de Prata no “Grand Prix Maria Callas”, em Atenas, Grécia e o Terceiro Prêmio no “Mozart International Piano Competition”, em Salzburg. O programa vai trazer obras de Francisco Braga, Aram Khachaturian, Zoltán Kodály e Johannes Brahms. Para o maestro Felipe Prazeres, a palavra “virtuosismo” talvez seja a linha condutora deste programa. “Tanto no lirismo de Braga, autor do hino nacional, no seu Episódio Sinfônico, quanto o colorido orquestral do Concerto para piano de Aram Khachaturian, que além de belíssimo, destaca um instrumento de percussão não muito convencional no seu movimento lento, o “Flexatone”. A segunda parte do programa é dedicada a dois grandes compositores que exploraram de forma genial a também virtuosística a música cigana: Kodaly na sua essência Húngara e Brahms como um dos compositores que melhor captou esse estilo”.

Os outros dois concertos da série serão regidos por Karabtchevsky, sendo um com o trompista e membro do conselho diretor da Orquestra Petrobras Sinfônica Philip Doyle, trazendo repertório de Richard Strauss, que segundo o maestro, propõe vários desafios. “Considero que o primeiro desafio seja o de revelar obras pouquíssimo tocadas entre nós e quase afastadas do grande repertório sinfônico. Atribuo esse fator a elas representarem um universo de problemas técnicos que tem que ser exaustivamente trabalhados pela orquestra. Além disso, conjuga-se esse aspecto a outromuito mais eloquente: revelar o espírito de transição da última fase do romantismo e a abertura para todos os movimentos da primeira metade do século XX que vieramse desenvolver na escola vienense”.

O último da série Portinari será dedicado a Villa-Lobos e integra uma série em parceria com o Theatro Municipal em homenagem aos 130 anos de nascimento do compositor. O concerto traz a obra Sinfonia nº 10 “Ameríndia”, pouco executada publicamente. Para Karabtchevsky, o concerto, em parceria com o Coro do Theatro Municipal, será um dos momentos marcantes dessa temporada.

A série Djanira, que acontece às sextas-feiras à noite,vai contar também com quatro apresentações. O concerto que abre a série, em abril, traz como regente Karabtchevsky, ao lado do premiado violinista franco-russo Fedor Rudin, vencedor dos mais importantes concursos internacionais de violino como Henri Marteau, Rodolfo Lipizer e Aram Khachaturian. Sobre o contraste da apresentação, que traz obras de Brahms e Tchaikovsky, Karabtchevsky comenta“Um concerto que engloba a linguagem apolínea de Brahms com o folclore russo, sempre presente nas sinfonias de Tchaikovsky,constitui um contraste saudável que revela duas formas de pensar unificadas pela tradicional forma de sonata que, mesmo com tantos contrastes, unificaria a arquitetura das duas obras”.

Eduardo Strausser, que com apenas 30 anos é o maestro residente do Theatro Municipal de São Paulo, vai reger o segundo concerto da série, com obras de Mozart e Anton Bruckner. Ainda na programação da série, o jovem e premiado pianista Fabio Martino, que volta a tocar com a OPES, executará o Concerto para piano nº 1 em fá sustenido menor, op. 1 de Sergei Rachmaninoff, sob a regência do maestro da Orquestra Sinfônica da Bahia Carlos Prazeres em concerto que ainda conta com obras de Lindembergue Cardoso e Dmitri Shostakovich.

Encerrando a temporada 2017 no dia 17 de novembro, estará o regente espanhol Francisco Valero-Terribas. Classificado por especialistas como um dos mais interessantes jovens maestros nos últimos anos, Valero-Terribas já participou de alguns dos mais importantes concursos de regência e festivais do mundo, como o Concurso Nikolai Malko, Lucerne Festival, Cabrillo Contemporary Music Festival e Järvi Suvefestival. O regente possui reputação apoiada por grandes nomes como Lorin Maazel, Bernard Haitink e David Zinman. O concertocontará comobras de Enrique Granados (Intermezzo da ópera Goyescas), Manuel de Falla (Suíte O chapéu de três pontas nº 1 e Suíte O chapéu de três pontas nº2) e Jean Sibelius (Sinfonia nº 2 em ré maior, op. 43).

A nova OPES
Com uma reestruturação das suas séries de concertos e nova identidade visual, a Orquestra Petrobras Sinfônica vem reforçando a integração entre o clássico e o popular e reafirmando o perfil agregador, democrático e inovador do grupo. Classificada agora por ‘Mundos’, além das séries de assinatura Portinari e Djanira, o Mundo Clássico conta ainda com a Série na Sala (música clássica na Sala Cecília Meireles) e a série de Câmara Armando Prazeres (Música de Câmara no Auditório Guiomar Novaes).

O Mundo Urbano leva a música clássica para fora das casas de concerto, fazendo parte do dia a dia da população. Neste mundo,a OPES toca em lugares públicos, inusitados, instituições de ensino, hospitais, entre muitos outros. Integram o Mundo Urbano as séries “Pelo Rio” (concertos gratuitos realizados por todo o estado do RJ), “Em Ação” (música de concerto em espaços tradicionalmente desassistidos), “Aliansce” (a OPES levando clássicos populares a shoppings centers de todo o Brasil), “#ConcertoSecreto”  (premiado projeto que visa levar a música clássica a lugares inusitados) e “Ensaio Aberto” (oportunidade para todo o público conhecer mais do cotidiano da orquestra).

Já o Mundo POP conta com os projetos mais populares e inovadores e mostra um lado versátil e eclético que se adapta a todos os formatos e estilos. Fazem parte os projetos “O Clássico É…” (músicas populares com roupagens clássicas),“Em Família” (apresentações com repertório para todas as idades), “Convidados” (apresentações com a participação de artistas populares renomados) e “Álbuns” (concertos executando na íntegra discos populares com arranjos sinfônicos).

SERVIÇO
Novas assinaturas: 01/12/2016 a 01/03/2017
Assinaturas 2017 (8 concertos) – preços com 25% de desconto
Plateia e Balcão Nobre – R$ 576
Balcão Superior – R$ 304
Galeria – R$ 120

www.petrobrasinfonica.com.br / (21) 2252-3147 e (21)2252-2633 – de segunda a sexta, das 10h às 17h.

PROGRAMAÇÃO COMPLETA

SÉRIE PORTINARI

PORTINARI I
18 DE MARÇO, SÁBADO, 16H
Isaac Karabtchevsky, regente
Jean Louis Steuerman, piano

WOLFGANG AMADEUS MOZART (1756-1791)
Concerto para piano nº 24 em dó menor, K. 491
Allegro
Larghetto
Allegretto

GIOACCHINO ROSSINI (1792-1868)
Abertura da ópera La gazza ladra

GIOACCHINO ROSSINI (1792-1868)
Abertura da ópera O Barbeiro de Sevilha

GIOACCHINO ROSSINI (1792-1868)
Abertura da ópera A Italiana na Algéria

GIOACCHINO ROSSINI (1792-1868)
Abertura da ópera La scaladi seta

GIOACCHINO ROSSINI (1792-1868)
Abertura da ópera Guilherme Tell 

PORTINARI II

24 DE JUNHO, SÁBADO, 16H
Felipe Prazeres, regente
Alexandre Dossin, piano

FRANCISCO BRAGA
Episódio sinfônico

ARAM KHACHATURIAN
Concerto para piano em ré bemol maior, op. 38

ZOLTÁN KODÁLY
Danças de Galanta

JOHANNES BRAHMS
Dança húngara nº 1

JOHANNES BRAHMS
Dança húngara nº 6 

PORTINARI III

26 DE AGOSTO, SÁBADO, 16H 
Isaac Karabtchevsky, regente
Philip Doyle, trompa

RICHARD STRAUSS
Don Juan, op. 20
RICHARD STRAUSS
Concerto para trompa e orquestra nº 1 em mi bemol maior, op. 11

RICHARD STRAUSS
Morte e transfiguração, op. 24

RICHARD STRAUSS
Suíte O cavaleiro da rosa, TrV 227d 

PORTINARI IV

04 DE NOVEMBRO, SÁBADO, 16H
Isaac Karabtchevsky, regente

HEITOR VILLA-LOBOS
Sinfonia nº 10 “Ameríndia” (Sumé Pater Patrium)

SÉRIE DJANIRA

DJANIRA I 

21 DE ABRIL, SEXTA-FEIRA 20H
Isaac Karabtchevsky, regente
FedorRudin, violino

JOHANNES BRAHMS
Concerto para violino e orquestra, op. 77

PYOTR ILYICH TCHAIKOVSKY
Sinfonia nº 2 “Pequena Rússia” em dó menor, op. 17 

DJANIRA II

19 DE MAIO, SEXTA-FEIRA, 20H
Eduardo Strausser, regente

WOLFGANG AMADEUS MOZART
Sinfonia nº 40 em sol menor, K. 550

ANTON BRUCKNER
Sinfonia nº 4 “Romântica” em mi bemol maior, WAB 104 

DJANIRA III

07 DE JULHO, SEXTA-FEIRA, 20H
Carlos Prazeres, regente
Fabio Martino, piano

LINDEMBERGUE CARDOSO
Ritual

SERGEI RACHMANINOFF
Concerto para piano nº 1 em fá sustenido menor, op. 1

DMITRI SHOSTAKOVICH
Sinfonia nº 5 em ré menor, op. 47 

DJANIRA IV
17 DE NOVEMBRO, SEXTA-FEIRA, 20H
Francisco Valero-Terribas, regente

ENRIQUE GRANADOS
Intermezzo da ópera Goyescas

MANUEL DE FALLA
Suíte O chapéu de três pontas nº 1

MANUEL DE FALLA
Suíte O chapéu de três pontas nº 2

JEAN SIBELIUS
Sinfonia nº 2 em ré maior, op. 43