25.4 C
New York
junho 27, 2019
Música

Olivia Hime lança Espelho de Maria no Teatro Rival Petrobras

foto: Nana Moraes
foto: Nana Moraes

O álbum reúne suítes com canções de Dori Caymmi, Edu Lobo e Francis Hime – Única apresentação, dia 9 de fevereiro

Elogiado pela crítica especializada, o novo álbum de Olivia Hime, construído ao longo dos dois últimos anos, ganha lançamento oficial no palco do Teatro Rival, no próximo dia 9 de fevereiro. O espetáculoEspelho de Maria segue o mesmo conceito do álbum homônimo e se divide em três suítes, ou movimentos: “Canções sem fim” (com músicas de Dori Caymmi e parceiros), “São bonitas as canções” (Edu Lobo e parceiros) e “Canções apaixonadas” (Francis Hime e parceiros). 

“Quis voltar à  segunda geração da bossa nova, que era a minha. Na época,  Dori Caymmi me mostrou novas harmonias, outras inversões de acordes; Edu Lobo me apresentou às ‘Bachianas’, de Villa-Lobos.Francis, desde a primeira  música dele, foi um encantamento só”, exemplifica Olivia. “Aliás, o que com certeza mudou o rumo da minha vida foram a música, Francis, por tudo e sempre, e a psicanálise”, sintetiza. 

Com direção de Flávio Marinho e direção musical de Francis Hime, o espetáculo Espelho de Maria revela o repertório gravado no álbum lançado no final de 2018, pela Biscoito Fino, mantendo os arranjos originais criados por Dori, Francis e Paulo Aragão. “Canção sem fim” (Dori Caymmi e Paulo Cesar Pinheiro), “Sobre todas as coisas” (Edu Lobo e Chico Buarque), “O amor perdido” (Francis e Geraldo Carneiro), “Vermelha”, (Francis e Olivia Hime) e ‘“Canto triste” (Edu Lobo e Vinicius de Moraes), são algumas das canções incluídas no roteiro da apresentação. 

A banda que acompanha Olivia Hime no Rival será formada por Dirceu Leite (saxofone, flauta e clarinete), Francis Hime (piano), Hugo Pilger (violoncelo), Paulo Aragão (violão) e Ricardo Amado (violino). Durante o espetáculo, Olivia fará duetos com os músicos, e arranjos mais intimistas. 

Ficha técnica Espelho de Maria:
Direção: Flávio Marinho
Direção Musical: Francis Hime
Iluminação: Marcelo Linhares
Produção Musical: Paulo Aragão
Técnico de Som: Rogério Gazaneo
Produção: Miguel BacellarAssistente de Produção: Juliana Bittencourt 

CD Espelho de Maria, por Tárik de Souza:
Em muitos discos ouvidos, uma coisa incomodava Olivia Hime: o salto abrupto de atmosferas – eventualmente conflitantes – de uma faixa para outra. “Queria fazer um disco em que a pessoa não levasse sustos com a mudança de estilos musicais, um disco noturno”, propôs em seu “Alta Madrugada”, de 1997, inspirada em álbuns consequentes, como “In the wee small hours”, de Frank Sinatra de 1955. A ideia virou o estopim para que a cantora e compositora criasse um novo formato de fluência musical: as canções vêm agrupadas em suítes, conduzidas por envolventes arranjos, que conferem unidade estética e ressignificam os temas.

 Sua primeira experiência com o conceito ocorreu em “Mar de algodão – as marinhas de Caymmi”, de 2002, dedicado à obra de Dorival Caymmi.  Depois vieram “Almamúsica” (2011) e “Sem mais adeus – uma homenagem a Vinicius” (2017), com tratamento semelhante. Mas é em “Espelho de Maria” que o formato atinge o ápice da depuração. Trata-se da incursão mais profunda no universo criativo da cantora e compositora, e onde fica mais nítida sua faceta musicista, embora ela não toque nenhum instrumento na gravação. Aluna, ainda menina, do maestro Moacir Santos, ela estudou com a mestra de boa parte da MPB, Vilma Graça, aprendeu violão com Roberto Menescal, e flauta durante seu “exílio” nos Estados Unidos, onde também fez curso por correspondência na célebre Berklee College of Music, de Boston. Embora o disco tenha fabulosos arranjos de Francis Hime, Dori Caymmi, Paulo Aragão e Jaime Alem, é de Olivia a concepção orgânica do trio de suítes que o integram. Dela também é o conceito central do álbum.

 Intitulada a partir de uma música que pensou ser de Edu Lobo (“fiquei sabendo de sua inexistência, mas o CD já estava batizado”, brinca), “Espelho de Maria” desvela uma Olivia – ela própria Maria, mas sem trair-se pelo narciso reflexo – imprevista, à frente de um disco arrebatador, “com muito instrumental, onde o canto entra como se fosse uma surpresa”, deslinda. E adiciona ao ato prazeroso da excelência estética uma espécie de missão em defesa da canção. “Ela não toca no rádio, mas a gente tem obrigação de cantar, porque esta é a futura música clássica. Muitas dessas canções serão eternas”. Ou já são.

Serviço Teatro Rival:

Rua Alvaro Alvim –  33/37

Horário: 19:30

Preços – inteira – 70,00/ promoção para os 100 primeiros pagantes – 50,00/ meia e lista amiga – 35,00

 

Posts relacionados

Palavra Cantada no Teatro Bradesco Rio

Redação

Rock de graça na Pavuna

Redação

Fuzuê de Iaiá promove roda de samba no Humaitá

Redação

Golden Boys comemoram 60 anos de sucesso na Sala Baden Powell

Redação

Som do SESC apresenta Foli Griô Orquestra no Show de Lançamento do álbum AJO com Carlos Malta e Participações Especiais

Redação

Duo Laura Lagub e Pitter Rocha em Das Verdadades à Desconfiança – Derramando canções no coração do Brasil

Redação

Deixe um comentário