24.7 C
Rio de Janeiro
outubro 20, 2018
Teatro & Dança

Obra de Eduardo Galeano inspira atriz Nena Inoue na peça Para Não Morrer

foto: Raquel Rizzo
foto: Raquel Rizzo

Mulheres da resistência – célebres ou anônimas – que transformaram o meio e as pessoas com as quais conviveram é a temática do espetáculo Para Não Morrer, solo de Nena Inoue que, pelo papel, recebeu o Troféu Gralha Azul de Melhor Atriz em 2017.

Com dramaturgia do curitibano Francisco Mallmann a partir da obra Mulheres, do escritor uruguaio Eduardo Galeano (1940-2015), a encenação concebida por Nena em parceria de criação com Babaya (BH) apresenta temáticas femininas e feministas atreladas a questões políticas, especialmente da América Latina. Uma mulher se apropria da palavra e dá voz a muitas outras. Diferentes lugares, vidas e momentos históricos se mesclam em um clamor que traz a coragem de narrar, a urgência de ser dito e de contar essas histórias.

“Lendo o livro me inspirei na importância dessas mulheres que estavam na contramão do que era imposto e vi a importância de repassar para outras pessoas. Em seguida, quis colocar em cena mulheres que lutaram antes de nós pela liberdade e que, de alguma forma, venceram. As mulheres como protagonistas de suas histórias. Convidei, então, o Francisco Mallmann para a dramaturgia e ele trouxe um texto sensível, que emociona. Ele foi muito assertivo em captar o que eu queria desse espetáculo. Contei também com o olhar sensível e sempre preciso da Babaya, minha parceira há anos, que dirigiu comigo esse trabalho”, explica a atriz.

Escrito em 1997, o livro recupera a biografia de várias personagens históricas cuja importância a perspectiva dominante reduziu, deturpou ou simplesmente ignorou. Uma forma de dar voz às lutas de mulheres que não são vistas nem lembradas: negras, indígenas, guerrilheiras, mães, avós, filhas de diferentes épocas e lugares que foram violentadas, mutiladas, torturadas, assassinadas e esquecidas. E resgata ainda algumas mais conhecidas, como Sherazade, Rosa de Luxemburgo, Stela do Patrocínio, Josephine Baker e Olga Benário, entre outras.

O espetáculo se insere no debate atual interessado no resgate e na manutenção da memória, apresentando o Brasil em interlocução muito estreita com toda a América Latina. “A peça é sobre opressão e violências, mas também sobre resistências, lutas, afeto. É também sobre as mulheres de hoje, do que está adormecido, coisas esquecidas que precisamos despertar. Vivemos um momento de retrocessos sociais onde a consciência histórica e resistência se fazem ainda mais necessárias, e este espetáculo é minha forma de militar, de resistir. Ele vem tocando distintos públicos, que não somente mulheres, pois seus conteúdos são importantes para todos neste momento”, reflete Nena.

O espetáculo rememora os grandes feitos de perseverança contra a opressão. A figura de Nena Inoue, sentada em uma poltrona em cena, apresenta uma narradora limitada fisicamente, mas que insiste em falar e que intersecciona distintas vivências e aprendizados, evocando, ao mesmo tempo, muitas presenças, alternando força e ternura. Um contragolpe. Exercício de resistência.

TEMPORADAS
O espetáculo estreou no Festival de Curitiba (Mostra Oficial), em abril de 2017, na II Curitiba Mostra, uma idealização do Espaço Cênico coordenada por Nena Inoue e Gabriel Machado, com objetivo de fomentar processos de criação autoral e intercâmbio entre artistas de diversas áreas. Em seguida, fez temporadas em Curitiba (Ave Lola Espaço de Criação e Espaço Fantástico das Artes) e em São Paulo (SESC Pinheiros). Apresentou-se ainda nos festivais FILO (Festival Internacional de Londrina); SINGA 2017 (Simpósio Internacional de Geografia Agrária); Mostra SÓ EM CENA, de Maringá; Mostra Solos Ave Lola, no Festival Internacional (FICA / Natal-RN) , sempre com grande sucesso de público. Com temporada agendada no Teatro Poeirinha (RJ) para Agosto, a peça retorna a São Paulo em Setembro e Outubro.

NENA INOUE:
Nascida em Córdoba (Argentina) e criada desde os nove anos no Brasil, Nena Inoue é artista gestora, produtora, diretora teatral e atriz formada em 1978 pelo Curso Permanente de Teatro do Centro Cultural Teatro Guaíra. Completando 40 anos de carreira, contabiliza mais de 60 espetáculos profissionais e atua ainda como Coordenadora do Espaço Cênico desde 1997. Esteve na mesma função por nove anos (2000 a 2009) ao lado de Luís Melo no ACT – Ateliê de Criação Teatral, espaço que realizou e abrigou distintos trabalhos de caráter multi-área. Foi também Diretora Artísticado Centro Cultural Teatro Guaíra (2003 a 2006); produtora da Sutil Companhia de Teatro (2008 a 2010) e, desde 2009, tem sua produção artística voltada às temáticas de caráter histórico-político-social.

SERVIÇO:

“PARA NÃO MORRER”
Temporada: 03 a 26 de agosto
Quinta, Sexta e Sábado às 21h, Domingo às 19h
Duração: 60 minutos
Classificação Etária – 14 anos

Teatro Poeirinha
Rua São João Batista, 104 – Botafogo
Tel.: (21) 2537-8053

Ingressos:
R$ 20 (promocional para todos – 5ª feira)
R$ 60 (inteira – 6a a domingo) / R$ 30 (meia-entrada  – 6a a domingo)

FICHA TÉCNICA:

Dramaturgia – Francisco Mallmann (a partir da obra Mulheres, de Eduardo Galeano)
Criação, Direção e Atuação – Nena Inoue
Direção de Texto e Parceria de Criação – Babaya Morais
Iluminação – Beto Bruel
Criação de Figurinos/Adereços – Carmen Jorge
Cenário – Ruy Almeida
Técnico Operador – Vinicius Sant
Designer Gráfico – Martin Castro
Realização – Espaço Cênico
Colaboradores RJ – Abílio Ramos, Doroti Jablonski, Paula Rollo, Spectaculu – Escola de Arte e Tecnologia, Daniele do Rosario
Direção de Produção – Nena Inoue
Produção local – Bloco Pi Produções – Damiana Guimarães e Isabel Gomide
Assistente de Produção – Mariana Pantaleão

Posts relacionados

Um ano sem Rogéria no Teatro Rival Petrobras

Redação

Jóias do Ballet Russo no Teatro Bradesco Rio

Redação

“Essa coisinha estúpida chamada amor” estréia no Teatro Henriqueta Brieba

Redação

Deixe um comentário