O Boca do Inferno no Centro Cultural Municipal Parque das Ruína

O Boca do Inferno é uma peça inspirada livremente na vida do maior poeta barroco brasileiro, Gregório de Matos.  Passa-se especificamente entre os anos de 1687 e 1694, período em que o poeta retorna de Portugal à Bahia, aos 47 anos, e é deportado para Angola.

O espetáculo mostra o conflito de um homem em decadência como fidalgo e em ascensão como poeta, desafiando a tudo e a todos, com sua língua maldita e suas sátiras ferinas, azedas e mordazes, o que lhe valeu o apelido de “Boca do Inferno”.

Os ataques à Igreja e aos políticos da época em seus poemas, sua personalidade instável e suas contradições são uma constante na narrativa, oscilando entre o sagrado e o profano, o sublime e o grotesco, o amor e o pecado.

No elenco: o ator Licurgo (Gregório de Matos), que tem grandes passagens pela TV, Cinema e Teatro; Gilson de Barros (Chico Laranja), ator e diretor do Centro Cultural Municipal Parque das Ruínas, e Andréa Mattar (Ana), atriz de longa data com passagens pela TV, Cinema e Teatro.

O texto é de Adailton Medeiros, diretor e criador do cinema “Ponto Cine” e quem assina a direção é o próprio Licurgo.

Conspiração, corrupção, orgulho, vaidade, cobiça e poder amarram os personagens de O Boca do Inferno numa trama que culminará numa traição.

Quem traiu e quem foi traído? Está aí o mistério que só o público poderá desvendar.

Segundo o diretor, Licurgo: “Gregório é artista que não cabe em seu tempo. Criticava a política, a religião e os maus hábitos da Bahia colonial. Suas sátiras, bem lidas, servem perfeitamente para o Brasil de hoje. Essa talvez seja uma das principais qualidades da verdadeira arte. Por incrível que pareça montar O Boca do Inferno, pra nós, é falar do Brasil atual”.

Segundo o autor, Adailton Medeiros: “Escrevi esse texto há 15 anos, venho mexendo nele desde 2002, sempre tirando e colocando uma coisinha aqui e ali, muito por provocações do Gilson de Barros. Sempre quis escrever algo sobre os malditos, sobre o que eles têm que nos atrai tanto. Gregório é primeiro artista maldito do Brasil, e como todo maldito é humano, tem lá as suas contradições, coloquei todos os malditos do meu imaginário afetivo num liquidificador, bati, misturei e acabou resultando nesse saboroso e delirante Gregório de Matos”.

Sinopse
Espetáculo baseado na vida do poeta Gregório de Matos. Transcorre no período do seu retorno à Bahia – aos 47 anos, 33 deles vividos em Portugal -, até a sua deportação para Angola (1683-94) -, mostra o conflito de um homem em decadência como fidalgo e em ascensão como poeta, desafiando a tudo e a todos, com sua língua maldita e sua sátira mordaz, o que lhe valeu o apelido de “Boca do Inferno”. 

FICHA TÉCNICA

Texto       
Adailton Medeiros

Direção
Licurgo

Elenco
Licurgo
Gilson de Barros
Andréa Mattar

Idealização
Gilson de Barros

Preparadora Corporal
Virgínia Maria

Figurinos
Janaína Wendling

Iluminação
Paulo Denizot

Operador de Luz
Denilson Batalha

Programação Visual
Guilherme Rocha

Fotos
Lucas Souza

Produção e Assessoria de Imprensa
Adriana Lemos e Fernanda Nicolis

Serviço

O Boca do Inferno

Local:
Centro Cultural Municipal Parque das Ruínas
Rua Murtinho Nobre, 169 – Santa Teresa – Rio de Janeiro
Tel. 2215-0621
Bilheteria funciona de terça à domingo, a partir de 14h. Pagamento somente em dinheiro.
Ingresso: R$ 30,00 (inteira)
Estreia: 02/09/2017
Temporada 1: 02/09 a 24/09/2017 (setembro) – sábados e domingo – 19h
Temporada 2: 08/10 a 26/11 (outubro e novembro) – domingos – 16h
Classificação: 16 anos
Duração: 60m

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.