18.8 C
New York
junho 20, 2019
Música

Novo nome da MPB, Julio Sechin lança “Festa de Adeus”, seu álbum de estreia

Julio Secchin - Festa de Adeus
Julio Secchin - Festa de Adeus

Carioca é uma das apostas do segmento para 2019

Com referências do samba, bossa-nova, e uma junção de funk e pop contemporâneo com letras da geração millennial, Julio Secchin se tornou uma aposta para 2019. Tudo aconteceu após o lançamento do seu single de estreia “Bote”. Além de cantor, compositor e produtor musical, Julio também é diretor de videoclipes, e já trabalhou com artistas como Silva e Heavy Baile. “Festa de Adeus”, seu álbum de estreia, cai como uma luva para o verão.

Ao todo, oito faixas integram o primeiro projeto do artista, incluindo as já lançadas “Bote”, “Quero um Carnaval”, “Me Acorda Antes de Partir” e “Festa de Adeus”.

Com mais de 130 mil plays no Spotify, encabeçado pelo sucesso digital “Bote”, Julio Secchin se joga na música prometendo unir diversos estilos com palavras reflexivas.

Para o lançamento do álbum, Julio contou com colaboração do irmão, Gabriel Secchin, que assina a identidade visual da capa.

Próximo single do projeto de estúdio, a faixa “Para Ser Tão Normal” ganhará clipe dedicado, gravado em dezembro, no Rio de Janeiro. O vídeo possui direção de Gabriele Dracxler e Joana Prazeres, da dupla Romã.

Julio Sechin  - foto: Yan Motta Julio Sechin – foto: Yan Motta

Para Julio, cada faixa fala um pouco sobre si:

“Quero um Carnaval”
“Essa é minha carta de amor ao Carnaval carioca. Fiz as pazes com essa festa tardiamente, mas finalmente me senti acolhido e abraçado por essa experiência maravilhosa”, reflete Julio.

“Festa de Adeus”
“A tradição do samba se encontra com o teor ácido e desaforado na letra dessa música. A beleza de perder um grande amor, cantada num coro feminino, se depara com a descrição de um relacionamento desajustado na minha voz. É talvez a instrumentação mais bela de todo disco, contrapondo a sonoridade clássica do samba com uma descrição bem moderna e crua de relacionamento”, descreve o artista.

“Inferno Astral”
“A solenidade do violoncelo na introdução logo dá espaço para uma das letras mais “soltas” do disco. Narrando um episódio de carnaval na Praça Tiradentes e uso de drogas festivas, a música traz uma linguagem bem incomum para a MPB”.

“Pra Quê Ser Tão Normal”
“Essa é a primeira música que compus na vida. Em 2007 ainda era muito distante o sonho de gravar e lançar minhas composições – e ainda mais distante a ideia mesmo de cantar e usar minha própria voz. É certamente a música mais singela do disco. Sem a acidez e ironia presentes nas outras faixas, é um registro sincero de como lidar com as idas e vindas de um relacionamento”, explica o artista.

“Me Acorde Antes de Parir”
“A despedida de um amor vira uma canção melancólica e ácida ao mesmo tempo. A sensação de que, por pouco, poderia ter sido um relacionamento feliz, mas que se perdeu nos desencontros da vida. A música chega no seu ápice no final, misturando uma revisão do relacionamento com algumas revelações que compõe o universo de muitos jovens hoje em dia”.

“Ketamina”
“A batucada baiana contrasta com o arranjo solene e melancólico. A música narra o sentimento dividido de estar apaixonado por uma mulher encantadora, porém viciada em substâncias tóxicas. O cenário contrasta com esse drama: é a partir de um réveillon na Bahia que se faz uma reflexão sobre uso de drogas e do quanto se deixa levar somente pela a aparecia das pessoas”.

“Boi Tolo”
“Essa é a segunda carta de amor ao Carnaval Carioca. Dessa vez, tem endereço certo: o bloco ‘Boi Tolo’, um dos grandes marcos dessa festa no Rio. Em especial, a música narra um dos momentos mais aguardados do cortejo do bloco: quando o Boi Tolo entra num túnel, todos os foliões se juntam num coro que ecoa bem alto por toda a estrutura ‘Índio Quer Apito’ é sempre a marchinha preferida nesse momento de ápice. Nesse cenário, os encontros amorosos no bloco se fazem ainda mais inflamados e delirantes, aproveitando esse clima mágico”, divaga Julio Secchin.

“Arco-íris Preto”
“Tal como o Carnaval, o disco se encerra numa espécie de quarta-feira de Cinzas. O clima solene e quase fúnebre dessa música contrasta com o resto do disco. A letra narra um Rio de Janeiro sem esperanças, que vê suas belezas destruídas e pessoas pretas assassinadas”, finaliza o carioca.

“Festa de Adeus” está disponível em todas as plataformas digitais.

Spotify: https://open.spotify.com/artist/0B0FipO3fLbLbHQz5RfTUs?nd=1

Deezer: http://www.deezer.com/album/83613982

Posts relacionados

Nome forte do indie folk americano, Joshua Radin faz show no Teatro Ipanema

Redação

Carol Ferreira conquista o público e fica entre as mais pedidas nas rádios do Rio de Janeiro com a nova música “Não Dá”, do EP “LadoC”

Redação

Bailão agita a Lagoa – um novo lugar para dançar no Rio

Redação

FP do Trem Bala

Redação

Dhu Moraes e Sandra Pêra em Duas Feras Perigosas

Redação

Evento no Recreio reúne sucessos do Indie Rock

Redação

1 comentário

ARI OZORIO ALVES JR fevereiro 3, 2019 at 21:50

Não haverá lançamento do mesmo em nenhum formato físico, como CD, Vinil, etc.?

Resposta

Deixe um comentário