17.3 C
New York
abril 24, 2019
Música

Novo nome da MPB, Julio Sechin lança “Festa de Adeus”, seu álbum de estreia

Julio Secchin - Festa de Adeus
Julio Secchin - Festa de Adeus

Carioca é uma das apostas do segmento para 2019

Com referências do samba, bossa-nova, e uma junção de funk e pop contemporâneo com letras da geração millennial, Julio Secchin se tornou uma aposta para 2019. Tudo aconteceu após o lançamento do seu single de estreia “Bote”. Além de cantor, compositor e produtor musical, Julio também é diretor de videoclipes, e já trabalhou com artistas como Silva e Heavy Baile. “Festa de Adeus”, seu álbum de estreia, cai como uma luva para o verão.

Ao todo, oito faixas integram o primeiro projeto do artista, incluindo as já lançadas “Bote”, “Quero um Carnaval”, “Me Acorda Antes de Partir” e “Festa de Adeus”.

Com mais de 130 mil plays no Spotify, encabeçado pelo sucesso digital “Bote”, Julio Secchin se joga na música prometendo unir diversos estilos com palavras reflexivas.

Para o lançamento do álbum, Julio contou com colaboração do irmão, Gabriel Secchin, que assina a identidade visual da capa.

Próximo single do projeto de estúdio, a faixa “Para Ser Tão Normal” ganhará clipe dedicado, gravado em dezembro, no Rio de Janeiro. O vídeo possui direção de Gabriele Dracxler e Joana Prazeres, da dupla Romã.

Julio Sechin  - foto: Yan Motta Julio Sechin – foto: Yan Motta

Para Julio, cada faixa fala um pouco sobre si:

“Quero um Carnaval”
“Essa é minha carta de amor ao Carnaval carioca. Fiz as pazes com essa festa tardiamente, mas finalmente me senti acolhido e abraçado por essa experiência maravilhosa”, reflete Julio.

“Festa de Adeus”
“A tradição do samba se encontra com o teor ácido e desaforado na letra dessa música. A beleza de perder um grande amor, cantada num coro feminino, se depara com a descrição de um relacionamento desajustado na minha voz. É talvez a instrumentação mais bela de todo disco, contrapondo a sonoridade clássica do samba com uma descrição bem moderna e crua de relacionamento”, descreve o artista.

Leia também  Sandro César: o sonho do vendedor de pão chegou aos palcos

“Inferno Astral”
“A solenidade do violoncelo na introdução logo dá espaço para uma das letras mais “soltas” do disco. Narrando um episódio de carnaval na Praça Tiradentes e uso de drogas festivas, a música traz uma linguagem bem incomum para a MPB”.

“Pra Quê Ser Tão Normal”
“Essa é a primeira música que compus na vida. Em 2007 ainda era muito distante o sonho de gravar e lançar minhas composições – e ainda mais distante a ideia mesmo de cantar e usar minha própria voz. É certamente a música mais singela do disco. Sem a acidez e ironia presentes nas outras faixas, é um registro sincero de como lidar com as idas e vindas de um relacionamento”, explica o artista.

“Me Acorde Antes de Parir”
“A despedida de um amor vira uma canção melancólica e ácida ao mesmo tempo. A sensação de que, por pouco, poderia ter sido um relacionamento feliz, mas que se perdeu nos desencontros da vida. A música chega no seu ápice no final, misturando uma revisão do relacionamento com algumas revelações que compõe o universo de muitos jovens hoje em dia”.

“Ketamina”
“A batucada baiana contrasta com o arranjo solene e melancólico. A música narra o sentimento dividido de estar apaixonado por uma mulher encantadora, porém viciada em substâncias tóxicas. O cenário contrasta com esse drama: é a partir de um réveillon na Bahia que se faz uma reflexão sobre uso de drogas e do quanto se deixa levar somente pela a aparecia das pessoas”.

“Boi Tolo”
“Essa é a segunda carta de amor ao Carnaval Carioca. Dessa vez, tem endereço certo: o bloco ‘Boi Tolo’, um dos grandes marcos dessa festa no Rio. Em especial, a música narra um dos momentos mais aguardados do cortejo do bloco: quando o Boi Tolo entra num túnel, todos os foliões se juntam num coro que ecoa bem alto por toda a estrutura ‘Índio Quer Apito’ é sempre a marchinha preferida nesse momento de ápice. Nesse cenário, os encontros amorosos no bloco se fazem ainda mais inflamados e delirantes, aproveitando esse clima mágico”, divaga Julio Secchin.

Leia também  Cacife Clandestino lança "DogStyle"

“Arco-íris Preto”
“Tal como o Carnaval, o disco se encerra numa espécie de quarta-feira de Cinzas. O clima solene e quase fúnebre dessa música contrasta com o resto do disco. A letra narra um Rio de Janeiro sem esperanças, que vê suas belezas destruídas e pessoas pretas assassinadas”, finaliza o carioca.

“Festa de Adeus” está disponível em todas as plataformas digitais.

Spotify: https://open.spotify.com/artist/0B0FipO3fLbLbHQz5RfTUs?nd=1

Deezer: http://www.deezer.com/album/83613982

Posts relacionados

Lap Dance, novo hit do cantor Latino será lançado nesta sexta

Redação

Liane Maya canta Beatles na Sala Baden Powel

Redação

Duo Gisbranco apresenta sua homenagem a Chico Cesar no Rio de Janeiro

Redação

Roupa Nova celebra 39 anos de carreira no Morro da Urca

Redação

Biquini Cavadão presta homenagem a Herbert Vianna com releitura de sua obra

Redação

Djavan inicia turnê nacional de “Vesúvio” no Clube dos Aliados

Redação

1 comentário

ARI OZORIO ALVES JR fevereiro 3, 2019 at 21:50

Não haverá lançamento do mesmo em nenhum formato físico, como CD, Vinil, etc.?

Resposta

Deixe um comentário