A.Nota promove a colaboração criativa em encontros de talentos da música brasileira na edição de 2017, no Teatro Ipanema

Jeneci e Lucas (foto: Eveline Maria)
Jeneci e Lucas (foto: Eveline Maria)

Marcelo Jeneci e Lucas Vasconcellos convidarão público a participar de show de abertura de 25 de julho, primeira apresentação conjunta dos dois músicos

Com curadoria de Thiago Vedova e patrocínio da Oi e apoio do Oi Futuro, festival tem encontros musicais, em sua maioria inéditos, sempre às terças-feiras, até fevereiro de 2018

Em 2017 o Festival A.NOTA – que desde 2013 promove apresentações de alguns dos melhores talentos da música independente nacional – cresceu, se expandiu, migrou e se multiplicou! E traz uma série de encontros musicais para o público da cidade e seus visitantes!

A nova temporada do Festival A.NOTA começa dia 25 de julho com um show de Marcelo Jeneci e Lucas Vasconcellos e o objetivo de promover a colaboração criativa entre dois ou mais artistas em todos os seus encontros até fevereiro de 2018, no Teatro Ipanema. Com patrocínio da Oi e apoio do Oi Futuro, o festival aposta na troca como experiência artística e promove uma combinação da criação independente de diferentes artistas em apresentações únicas, onde a partilha de sonoridades, ritmos, arranjos e melodias fazem do show o cenário para a experimentação.

E não se engane! Não se trata de uma série de shows com participações! A ideia desta temporada tem como eixo a colaboração criativa entre dois (ou mais) artistas. “A construção de um repertório coletivo, que valoriza o diálogo musical, é o motor dessa engrenagem, que tem na ‘vontade do fazer junto’ as performances que o público do Rio de Janeiro vai poder ver de perto nesta edição do festival”, explica Thiago Vedova, curador, produtor e idealizador do projeto. “Muitas delas únicas e inéditas”, acrescenta.

O show de Jeneci e Lucas, que abre esta edição no Teatro Ipanema, terá pianos, sintetizadores, drum machines e guitarras construindo uma teia sonora inédita e original. Será uma experiência de improvisação de paisagens sonoras em tempo real, marcando a abertura e o conceito desta nova temporada do projeto.

O A.Nota nasceu no palco do Oi Futuro e é um projeto com a marca da cocriação e da experimentação, dois valores que o instituto valoriza e quer incentivar na cultura brasileira”, afirma o gestor de Cultura do Oi Futuro, Roberto Guimarães. “Os encontros realizados pelo festival reúnem talentos da música brasileira contemporânea que unem suas bagagens e formas de expressão próprias para gerar uma nova síntese, expandindo as possibilidades criativas”, complementa.

O A.NOTA seguirá com uma programação de 22 encontros musicais que ocuparão praticamente todas as terças-feiras do teatro até fevereiro de 2018, com as próximas datas já confirmadas, abaixo:

01/08 – Iara Ira

08/08 – Barbara Eugenia + Tata Aeroplano

15/08 – Sambas do Absurdo

22/08 – Marcos Suzano + Marcelo Vig

05/09 – Mundo Cordeiro (Felipe Cordeiro + Manoel Cordeiro)

E muito mais está por vir! Outros encontros previstos serão: Bem Gil + Davi Moraes + Matheus VK; Vulgue Tostói + Ventre;  Kassin + Wado; Cesar Lacerda + Romulo Fróes; Biltre + Mohandas; Relógio de Dali + Pietá; Silvério Pontes + Antonio Guerra + Guinga; Luana Carvalho + Pedro Luís; Noites do Norte + Felix Robatto; e Hurtmold + Paulo Santos.

E um detalhe: a temporada de 2017 de A.NOTA acontece num dos palcos mais emblemáticos da cidade, o do Teatro Ipanema, célebre pelos espetáculos e shows memoráveis nos anos 70 e 80 que, na música, marcaram o surgimento e a consolidação de nomes como Marina Lima e Cazuza, só pra citarmos dois exemplos!

Ao receber o A.NOTA, o Teatro Ipanema segue resgatando sua tradição de palco para os talentos e novidades da música independente nacional. Sempre sintonizado com os movimentos de resistência cultural e reformado há pouco mais de um ano sob direção da ocupação artística Vem!Ágora, o teatro continua abrindo espaço para a experimentação artística contemporânea com uma programação que mescla espetáculos musicais e teatrais ao longo da semana.

https://www.facebook.com/anota2016/

https://www.facebook.com/teatroipanema/

FESTIVAL A.NOTA 2017 – PROGRAMAÇÃO

25/07 – Marcelo Jeneci + Lucas Vasconcellos

Pianos, sintetizadores, drum machines e guitarras construirão uma teia sonora que será constantemente sampleada e ressignificada pelo processamento de loops e efeitos que Vasconcellos usará na apresentação. Essa pesquisa é o foco do trabalho de Lucas, que encontra em Jeneci um instrumentista e compositor capaz de revelar em suas improvisações o material perfeito para essa articulação. 

O show pressupõe a participação da plateia, que será convidada a interagir com o músico no palco com qualquer tipo de interação sonora: voz, áudios gravados em celulares, um solo em qualquer instrumento que estiver no palco etc. O material é imediatamente aproveitado e transformado.      

Marcelo Jeneci – Em 2000, o pernambucano Manoel Jeneci – pai de Marcelo e autodidata que sempre ganhou a vida consertando aparelhos eletrônicos, eletrodomésticos e instrumentos musicais – soube pelos freqüentadores de sua oficina que Chico César procurava um músico para tocar sanfona e piano em sua turnê internacional. Marcelo tocava piano e treinava nas sanfonas que os clientes do pai deixavam para consertar, mas não tinha seu próprio instrumento. O problema foi resolvido quando um dos habitués da oficina de seu Jeneci, Dominguinhos, resolveu presentear o menino com uma peça de sua coleção. Marcelo tirou passaporte e iniciou seu primeiro trabalho como músico profissional, com a sanfona do mestre, ao lado de Chico César, seu parceiro na faixa “Felicidade”, que, não por acaso, abre o primeiro disco do compositor, “Feito pra acabar” (2010). Com seu segundo disco, “De Graça” (2013), Jeneci tem colhido ainda mais frutos: o álbum foi indicado no Grammy Latino 2014 como “Melhor Álbum de MPB” e Jeneci ganhou o prêmio de “Melhor Compositor” de 2014 da APCA (Associação Paulista de Críticos de Arte). Depois do enorme sucesso do primeiro disco “Feito pra acabar” (2010), Marcelo Jeneci vem crescendo no palco e “De Graça” conquistando seu espaço.

Lucas Vasconcellos – Lucas Vasconcellos é multiinstrumentista, cantor e compositor atuante há 20 anos. Tem três discos solo – “Falo de Coração” (2014), “Adotar Cachorros” (2015) e “Silenciosamente” (2016) – e três gravados pela dupla carioca Letuce, (2009-2016), com a cantora Letícia Novaes. Lucas também fundou o coletivo Binário (2000), uma banda de rock experimental e eletrônico, e tocou com músicos como Rodrigo Amarante, Katia B, Lucas Santtana, Plínio Profeta, Orquestra Imperial, Alice Caymmi, Dado Villa-Lobos e Legião Urbana.

01/08 – Iara Ira – Um espetáculo que une Duda Brack, Júlia Vargas e Juliana Linhares com direção de Thiago Amud

O projeto Iara Ira  configura-se em um espetáculo inédito, que transborda os limites de uma apresentação musical. No palco, três grandes artistas, donas de vozes ímpares e carreiras mais do que promissoras: Duda Brack (22), Júlia Vargas (27) e Juliana Linhares (26) apresentarão um show construído a partir de suas afinidades e suas vontades, em diálogo com os músicos acompanhantes e a equipe de criação. As três juntas, seja pelo caminho musical que trilham ou pela região de onde vieram (Duda é gaúcha, Júlia é carioca e Juliana é potiguar) traçam um sincero panorama da nova safra de intérpretes brasileiras.

O projeto tem direção musical do músico Thiago Amud, considerado por nomes como Guinga, Caetano Veloso e Milton Nascimento como um dos grandes compositores e arranjadores da atualidade. A banda é formada por músicos que extrapolam o domínio do instrumento, atuando também como produtores musicais, compositores e arranjadores. São eles: Elisio Freitas, Ivo Senra e Lourenço Vasconcellos.

O projeto do show Iara Ira nasce da vontade de juntar, pela primeira vez, na vida e em arte, três das destacadas vozes femininas da jovem geração de cantoras da MPB, em um sensível e espetacular encontro musical. A dramaturgia conceitual do projeto tem como foco valorizar o canto como atividade artística, poética e veículo de comunicação. Partindo da imagem de Iara, tradicional figura do folclore brasileiro, o projeto visa rever a lenda para, então, tirar a sereia do imaginário de um canto letárgico e nostálgico. Iara Ira é uma aposta na força das mulheres, em uma feminilidade voraz; um movimento de empoderamento prático, no sentido de dar voz àquelas que estão precisando falar e, neste caso, cantar.

Das cantigas de ninar aos cantos folclóricos, das ladainhas de nossas lavadeiras à música das sirenes de nossas metrópoles, Iara Ira é um convite para olhar o presente, mas sem esquecer de outras temporalidades que nos cercam. Em cena, ouviremos o canto de sereias urbanas, compromissadas com o aqui e agora que nos interpela, cantando aquilo que precisa urgentemente ser dito.

01 de Agosto
Horário: 20h30
Valor: R$ 30,00 (inteira) e R$ 15,00 (Lista amiga Meia) 

08/08 – Barbara Eugenia + Tata Aeroplano – Vida Ventureira 

Em março de 2017, Bárbara Eugênia e Tatá Aeroplano entraram no estúdio Minduca junto com Dustan Gallas, Junior Boca, Bruno Buarque, Clayton Martin e Lenis Rino para gravar o disco “Vida Ventureira”, álbum de parcerias inéditas que conta a história de um casal pé na estrada viajando pelo mundo.

A dupla criou as canções na Fazenda Serrinha, em contato com a natureza dionisíaca e cercados de muita arte. As músicas surgiram inspiradas num roteiro de cinema, ideia proposta pela Bárbara, que convidou Tatá para compor em parceria as histórias desse disco. Vida ventureira é um filme cantado, tocado, imaginado, musicado. É a saga de um casal que sai numa viagem de descobertas e libertação.

O disco narra acontecimentos e situações. Desde a saída cheia de surpresas, excitação, aquela sede de viver, passando por momentos de questionamento profundo, um retiro para dentro, vêm brigas e reconciliações, uma abertura de consciência, quebra de paradigmas até que chega ao final em uma grande catarse, eles finalmente encontram a “luz no fim do mundo”. O disco foi arrajando e produzido coletivamente por Bárbara, Tatá, Dustan Gallas, Junior Boca e Bruno Buarque.

08 de Agosto
Horário: 20h30
Valor: R$ 30,00 (inteira) e R$ 15,00 (Lista amiga Meia) 

15/08 – Sambas do Absurdo – Juçara Marçal + Gui Amabis + Rodrigo Campos

Inspirados por O Mito de Sísifo, de Albert Camus, os Sambas do Absurdo versam livremente sobre o encontro com o Absurdo, apresentado no livro como o divórcio do indivíduo com a própria a vida. Segundo Camus, a única questão filosófica que importa é o suicídio, e quando encontramos o Absurdo, que seria, em suma, a falta de sentido da vida, temos duas opções: ou nos suicidamos ou aprendemos a viver uma vida absurda.

Os sambas, parcerias de Rodrigo Campos (música) e Nuno Ramos (letra), são apresentados por três artistas, que assinam o álbum: Gui Amabis, Juçara Marçal e o próprio Rodrigo.

A proposta estética dos Sambas do Absurdo tem no cerne a quebra de alguns alicerces do samba enquanto gênero. Essa quebra oferece, consequentemente, um samba obscuro, dissolvido, vertiginoso – pisamos num terreno pantanoso, e talvez essa sensação se pareça mesmo com o Absurdo. Juçara canta, Rodrigo toca violão e cavaco e Gui arranja, fazendo valer seus recursos de produtor e sua maneira peculiar de samplear. No show, o trio apresenta, além dos oito sambas que compõem o disco, outras canções que de alguma forma também contemplam o Absurdo.

15 de Agosto
Horário: 20h30
Valor: R$ 30,00 (inteira) e R$ 15,00 (Lista amiga Meia) 

22/08 – Marcelo Vig + Marcos Suzano – Computambor – Do ancestral ao eletrônico

A união sonora entre um baterista e um percussionista brasileiros, ambos  produtores, para criar um show que traz uma mistura entre tambores e eletrônica, para criar uma música tecnologicamente ancestral, orgânica e digital.  Marcelo Vig e Marcos Suzano têm em comum a paixão pelos tambores, pela música  eletrônica e pelas possibilidades sonoras das misturas que esses elementos trazem.  As projeções em video, já usadas por Vig em seus shows, ampliam a experiência  do público.  

Marcelo Vig

Vig dividiu seus últimos 15 anos entre Rio e Londres. Como baterista, Vig já trabalhou com grandes nomes dos dois lados do Atlântico como: Eminem, Avril Lavigne, Will Smith, Kelly Rowland (Destiny’s Child), Stacie Orrico, Bishi, Cass Fox, Jason Donovan, Shakin’ Stevens, Debbie Bonham e Patrick Wolf.

Já laçou dois trabalhos solo, o disco “Om’Dub” e o EP Solarize com 5 músicas (Spotify, Deezer, iTunes Store). Seus shows são sempre uma mistura vibrante de som e imagem com video projeções e sua música altamente dançante e vibrante.

Marcos Suzano

Aclamado músico e percussionista, Suzano participou de vários grupos importantes no cenário musical brasileiro e internacional, como Zizi Possi, Gilberto Gil, Sting e Joan Baez, o que fez com que se tornasse um dos músicos mais requisitados atualmente tanto para shows como para gravações. 

Além de muitos discos lançados, suas pesquisas em música eletrônica unem-se a um profundo conhecimento da base musical afro brasileira, resultando numa ação marcada pelo virtuosismo e originalidade, em favor de uma assinatura sonora. Suas idéias de renovação da percussão brasileira são transmitidas em festivais, aulas e workshops ministrados no mundo inteiro. Atua como diretor das 10 últimas edições do FESTIVAL PERCPAN, um panorama anual da percussão mundial.

22 de Agosto
Horário: 20h30
Valor: R$ 30,00 (inteira) e R$ 15,00 (Lista amiga Meia)  

Serviço

FESTIVAL A.NOTA 2017

Show de abertura com Marcelo Jeneci & Lucas Vasconcellos

25 de julho, às 20h30

Ingressos: R$ 30 (inteira) e R$ 15 (Meia) 

Teatro Ipanema

Capacidade: 193 lugares

Classificação: livre

Rua Prudente de Morais, 824A – Ipanema

Telefone: (21) 2267-3750

teatroipanema.culturapresente@gmail.com

Facebook/TeatroIpanema