Museu Nacional sedia semana sobre o Egito antigo

Egiptólogos do Brasil e do exterior apresentam suas pesquisas na V Semana de Egiptologia do Museu Nacional (Semna). Ela ocorre até 1º de dezembro, sexta-feira, na Quinta da Boa Vista, no Rio de Janeiro, com conferências, mesas redondas, pôsteres e apresentações de comunicações orais.

O curador da coleção egípcia do Museu Nacional/UFRJ, Antonio Brancaglion Jr., irá apresentar o tema “Segredos das Múmias do Museu Nacional: o que se esconde por trás das bandagens”. Por meio de tecnologia de ponta em trabalhos multidisciplinares envolvendo arqueólogos, engenheiros, médicos e químicos, por exemplo, foram revelados detalhes das múmias sem a necessidade de abri-las. Brancaglion explica que a múmia de uma menina de 12 anos tem algo parecido com um pequeno vaso na cabeça, de material ainda não identificado, e os estudos observaram que a retirada do cérebro foi feita em técnica trabalhosa por uma vértebra atrás da cabeça. Geralmente, segundo o especialista, a retirada do cérebro era realizada com uso de gancho pelo nariz.

Estão sendo apresentadas na Semna essa e outras curiosidades e descobertas. Do exterior, estão presentes especialistas da École Pratique des Hautes Études, Universidad de Alcalá, Universidad de Buenos Aires, Universidad Nacional de la Plata, Université Paul Valéry-Montpellier 3, University of Cambridge.

A Semana de Egiptologia do Museu Nacional é organizada por mestrandos e doutorandos do Programa de Pós-Graduação em Arqueologia com a orientação do professor Antonio Brancaglion Jr., coordenador do Laboratório de Egiptologia e curador da coleção egípcia do Museu Nacional. A abreviação Semna era a designação, na Antiguidade, da fortaleza construída pelo faraó Senusret I, que governou entre c. 1965-1920 a. C., na Núbia.

Ela é realizada anualmente próxima à data de nascimento de Pedro II, dia 2, que pode ser considerado o primeiro egiptólogo do Brasil. Na segunda viagem que ele fez ao Egito, foi presenteado com o esquife pintado da “Cantora de Amun” Sha-A-mun-em-su, datado de quase 3 mil anos, e que foi mantida no gabinete dele até a Proclamação da República. O Museu Nacional tem o maior acervo egípcio da América Latina e provavelmente o mais antigo das Américas, tendo a maioria sido arrematada em leilão em 1826 pelo imperador Dom Pedro I. O egiptólogo Brancaglion destaca que a coleção do Louvre foi iniciada no mesmo ano. A programação completa está disponível em: http://www.seshat.com.br/semna/programacao/

Criado por D. João VI em junho de 1818, o Museu Nacional é atualmente o maior museu de história natural e antropológica da América Latina. Em 1946, ele foi incorporado à Universidade Federal do Rio de Janeiro, na época Universidade do Brasil. O Museu Nacional/UFRJ mantem seu pioneirismo com estudos de ponta e amplo acervo enriquecido constantemente.

Serviço:

V Semana de Egiptologia do Museu Nacional (Semna)
Até 1º de dezembro, das 9h às 17h30.
Museu Nacional, Quinta da Boa Vista, São Cristóvão.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.