20.5 C
New York
junho 26, 2019
Notícias

Museu do Amanhã celebra centenário do eclipse em Sobral que comprovou a Teoria da Relatividade de Einstein 

Painel de debates com astrofísica, historiadora, antropólogo e cineasta vai discutir os diferentes significados culturais, científicos e religiosos dos eclipses ao longo da história

Há cem anos, duas expedições de astrônomos ingleses aportaram no Brasil e na Ilha do Príncipe com instrumentos de alta precisão para observação de um eclipse total do sol. O objetivo era verificar um dos fenômenos que poderia comprovar nada menos que a Teoria da Relatividade de Albert Einstein: o desvio da luz das estrelas quando estas se encontravam próximas ao Sol. Este fenômeno só poderia ser observado durante um eclipse total, quando seria possível vê-las sem a incidência da luz do sol. Sobral reunia as melhores condições climáticas e lá, no dia 29 de maio de 1919, os astrônomos fizeram os registros que mudariam a história da ciência.

Para celebrar a data, o Museu do Amanhã realizará, no próximo dia 29, das 16h às 20h, a atividade “Um eclipse para chamar de seu”: um painel para discutir diferentes formas de apropriação – científicas, culturais e religiosas – de um eclipse. Após os debates, às 18h, haverá a exibição do filme nacional “Casa de Areia” (2005), protagonizado por Fernanda Montenegro e Fernanda Torres e dirigido por Andrucha Waddington. O filme retrata o encontro da personagem de Fernanda Torres com os membros da comissão inglesa, que se encontrava em uma região inóspita, para comprovar a teoria de Einstein. (Por uma liberdade poética, o filme se passa na região dos Lençóis Maranhenses, e a comissão inglesa esteve em Sobral, no sertão do Ceará).

Além do cineasta, que falará sobre a presença dos eclipses no cinema, participarão do debate o antropólogo Marcio Campos, que comentará os diferentes significados do eclipse para culturas tradicionais, como tribos indígenas brasileiras; a astrônoma Patrícia Spinelli, que vai contar sobre o que cientistas pretendem estudar no próximo eclipse total do Sol, que acontecerá no dia 2 de julho (infelizmente, este não será visível no Brasil); e a historiadora Maria Eichler, que indicará a simbologia do eclipse para povos em tempos passados, como na Antiguidade e Idade Média. O diretor de Desenvolvimento Científico do Museu do Amanhã Alfredo Tolmasquim mediará a mesa-redonda e fará uma breve introdução histórica sobre o eclipse de 1919.

OS PARTICIPANTES:

Andrucha Waddington – Produtor e diretor de cinema. Dirigiu “Casa de Areia”, “Gêmeas”, “Os Penetras”, dentre outros. Seu filme “Eu Tu Eles” recebeu menção especial no Festival de Cannes e diversas premiações. Já trabalhou com Caetano Veloso, Gilberto Gil, Marina Lima, Djavan e Arnaldo Antunes, dirigindo videoclipes e filmes – dentre eles “Viva São João”, que mostra um pouco do universo das festas juninas no interior do Nordeste.

Márcio Campos – Físico e antropólogo, é professor aposentado Unicamp. Especialista em educação formal e não-formal, pesquisa a relação entre humanos, sociedades e natureza e saberes locais, técnicas e práticas. Estuda a relação entre astronomia e cultura, tendo já trabalhado com os índios Kayapó e populações caiçaras em regiões costeiras. Coordenador do projeto SULear, que propõe a compreensão do mundo por uma geopolítica não tradicional entre Norte e Sul globais.

Patrícia Spinelli – Astrofísica e especialista em divulgação científica, é pesquisadora adjunta do Museu de Astronomia e Ciências Afins (MAST). Co-fundadora do grupo de divulgação de astronomia GalileoMobile, Patrícia recebeu em 2013 o título de Galileo Ambassador pelo Galileo Teacher Training Program. É uma das coordenadoras do Gabinete de Astronomia para o Desenvolvimento da União Astronómica Internacional para países e comunidades de língua Portuguesa.

Maria Eichler – Historiadora, é professora do Programa de Pós-graduação em Conservação e Restauração da Universidade Santa Úrsula (USU). Pesquisadora do NERO (Núcleo de Estudos e Referências da Antiguidade e do Medievo), vinculado à Escola de História da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO). Entre suas áreas de pesquisa está a relação entre poder, religião e gênero na Antiguidade e no período medieval.

Serviço:

Um eclipse para chamar de seu
Data: 29 de maio (quarta-feira)
Horário: Painel das 16h às 18h e exibição do filme Casa de Areia das 18h às 20h.
Local: Auditório Museu do Amanhã
Inscrições no site do Museu: https://bit.ly/2HAKuqm

O Museu do Amanhã é um equipamento cultural da Secretaria Municipal de Cultura do Rio de Janeiro, sob gestão do Instituto de Desenvolvimento e Gestão (IDG).

Posts relacionados

Nathalia Tosto, com sua experiência de viagem por mais de 40 países, relata em seu blog dicas valiosas de lugares, moda, beleza e lifestyle

Redação

Galp Music Valley Sessions que antecipa encontros do Rock in Rio 2019 encerra em grande estilo

Redação

Ovelha Negra promove festa do dia de los muertos com welcome drink de tequila

Redação

Comemoração no Dia do Nhoque da Fortuna

Redação

BACARDI leva marcas premium para o Mondial de la Bière

Redação

Hareburger Itaim Bibi oferece cortesia para o Dia das Crianças

Redação

Deixe um comentário