22.3 C
New York
julho 23, 2019
Notícias

Mostra de Artes Cênicas Tiradentes em Cena acontece de 18 a 25 de maio

Em sua sétima edição, evento traz a temática da Alegria como forma de resistência em ano de pouco investimento na cultura

A partir do próximo dia 18 de maio, a cidade de Tiradentes, em Minas Gerais, abre as portas para a sétima edição da Mostra de Artes Cênicas Tiradentes em Cena. Durante oito dias, a charmosa cidade mineira terá suas ruas, praças e casarios ocupados pelas artes cênicas e à disposição do público. Espetáculos teatrais dos mais variados gêneros, música, dança, exposição, lançamentos de livro, oficinas, intercâmbios e rodas de conversas que irão estimular a reflexão do pensamento e entreter o público. Em 2019, a mostra elegeu a ALEGRIA como tema do evento e usará essa força que nos conecta e puxa para o momento presente como forma de resistência artística em tempos tão difíceis para a cultura. Alegria não é sinônimo de felicidade e tão pouco significado de superficialidade. É um momento de êxtase que une as pessoas, abre portas e gera empatia.

– Montamos uma programação bem diversificada, rodeado de parcerias, com espetáculos de variados gêneros, além de conversas e outras atividades abertas ao público. Um festival se monta durante todo um ano, mas sem incentivos essa tarefa se torna ainda mais árdua.  A produção cultural é importante para a cadeia produtiva, pois geram empregos, rendas, impostos, promove circulação de espetáculos, gera trocas. Por isso vamos resistir com alegria de alguma forma não deixar passar e a reafirmar a importância da cultura para uma nação. A cultura é alma de um povo, – desabafa a idealizadora da mostra.

Atriz e bailarina Dorothy Lenner é homenageada
Em 2019 o Tiradentes em Cena não precisou ir muito longe para encontrar uma importante figura do cenário artístico nacional para render sua homenagem e apresentar sua história ao público. Famoso destino turístico no país, a cidade de Tiradentes também se tornou um reduto de artistas que escolheram a cidade para viver. Foi assim para a atriz e bailarina polonesa Dorothy Lenner, que adotou a cidade após uma visita na década de 1980. Nascida em Bucareste, ainda criança precisou se refugiar em Buenos Aires após a invasão de Hitler em 1939. Usou seu conhecimento em dança adquirido ainda em terras hermanas, ingressou na Escola de Artes Dramáticas em São Paulo e participou ao lado de Ruth Escobar de montagens que marcaram toda uma geração durante a ditadura militar. Mas foi após uma viagem à índia onde conheceu a arte milenar do butô e desde então se dedicou a desenvolvê-la.

Durante todo o evento, o público poderá conhecer mais de sua história com a exposição “Dorothy Lenner – Memórias”, sob curadoria de Hideki Matsuka, que ficará aberta durante todo o evento no Centro Cultural SESIMINAS Tiradentes Yves Alves. A exposição terá uma exibição inédita do importante fotógrafo russo Serguei Maksimishin que se encantou e acompanhou Dorothy em Tiradentes por alguns dias, quando esteve aqui com uma exposição no Festival Arte Vertentes.

– É uma homenagem, mas é uma homenagem para a cidade, para o tiradentino, que eu amo, respeito e tenho muita admiração. Não tenho palavras para agradecer aos céus, Deus, os arcanjos, aos deuses do olimpo e tudo que está em volta da gente, porque tudo é vida. A vida é difícil, complicada, mas ela é bela e estamos vivos – diz Dorothy.

Parcerias, ações de continuidade, estreia e debates marcam mostra
A diversidade de apresentações e o intercâmbio entre artistas locais e grandes nomes do cenário nacional sempre fizeram parte do Tiradentes em Cena. Em 2019, a mostra promoverá um encontro entre o Núcleo Ás de Paus e o grupo local Teatro da Pedra. O grupo criado há dez anos em Londrina, no Paraná, também apresentará o espetáculo “A miséria da Tia Pereira” e “Donântonia”.

O Festival Cenas Curtas realizado com a Rococó Produções, outra iniciativa dentro da Mostra para incentivar novos talentos, também está de cara nova. Em parceria em parceria com o Programa Caixa Preta da Universidade Federal de São João Del Rey, artistas de vários locais que tenham algum viínculo com a Universidade se apresentarão no Teatro Municipal e três cenas serão premiadas.

A crescente parceria com o Sesc Minas levará além dos espetáculos, novamente as rodas de conversas para o centro das atenções. O público refletirá sobre a temática do evento, além de discutir questões como feminismo, educação e cidadania.

O Sobrado Quatro Cantos, outro espaço alternativo fixo durante toda mostra, será dedicado à literatura e abrigará a Editora Javali, a primeira de Belo Horizonte e uma das únicas do país voltada exclusivamente para publicações de teatro. A editora foi criada em 2015 pelos atores e dramaturgos Assis Benevenuto e Vinícius Souza.

Quem também estará em Tiradentes para divulgar seu novo livro é atriz e diretora Monah Delacy.

Os espetáculos que fazem parte da sétima edição
A programação da sétima edição da mostra vem recheada de espetáculos dos mais variados gêneros e apresentações em diferentes espaços que cercam a cidade. A praça principal da cidade abrigará espetáculos de Circo. A lona da Spasso Escola de Circo receberá o espetáculo “Anjos Nus”, da Cia. Levianos, de São Paulo.  A luta pela liberdade da população afro-brasileira também será lembrada na peça “Mata Rasteira”, de Belo Horizonte, que será apresentada no Museu Padre Toledo. O intercâmbio com a UFSJ também promoverá uma apresentação de teatro e dança dentro da universidade, com o espetáculo “Levantes. Ações para estar sobre a Terra”.

O tradicional grupo Trama de Teatro traz de Contagem, BH, a peça “A gota que falta”, espetáculo que tematiza a escassez da água e busca uma reflexão crítica sobre a sociedade atual Quem assina a direção é Chico Pelúcio, ator e diretor de teatro reconhecido por seu trabalho no Grupo Galpão, do qual é integrante, além da sua atuação em cinema e televisão.

– “A montagem de “A Gota que Falta” com o Grupo Trama de Teatro tem vários e bons significados. Em um País onde a cultura sofre todo tipo de golpe e indiferença renovar um grupo com a idade do Trama é um ato de coragem e resistência. Foi com grande prazer e esperança que trabalhei com esses jovens atores”, diz Chico Pelúcio.

O ator Alexandre Lino retorna ao seu teatro documental para homenagear educadores e discutir a educação no país com a peça “O Quadro Negro”, dirigida por Maria Maya.

A mostra encerra no dia 25 de maio, sábado, homenageando os 50 anos do movimento tropicalista. O grupo Teatro da Pedra conduzirá o público em um cortejo com a peça “Caetanear” até a apresentação da banda Sagrada Profana, formada por 16 mulheres e com um potente repertório que exalta ícones femininos.

A Mostra de Artes Cênicas Tiradentes em Cena conta com a parceria cultural do Sesc em Minas e  SESI FIEMG, promoção cultural Jornal o Tempo, apoio IPHAN, Prefeitura Municipal de Tiradentes, Sobrado Cultural Aimorés, Museu da Liturgia, Associação Empresarial de Tiradentes (ASSET), Campus Cultural UFMG e Fundação Rodrigo Melo Franco de Andrade, empresários e amigos de Tiradentes. Uma rede afetiva que coloca a artes cênicas na cena.

Posts relacionados

Mel Mattos faz uma homenagem especial a um dos ícones da música nordestina

Redação

Verão do Spanta estreia na Marina da Glória

Redação

Centro de Visitantes Paineiras inaugura o Restaurante Paineiras Express

Redação

Jovem Produtor fará a abertura do Campos Fashion Week 2018

Redação

Feira de São Cristóvão tem funcionamento normal no feriado da Consciência Negra

Redação

Rock in Rio 2019 terá mais de 700 produtos oficiais para a edição deste ano

Redação

Deixe um comentário