26.9 C
Rio de Janeiro
novembro 15, 2018
Featured Teatro & Dança

Minha vida daria um bolero

TÚ TE ACOSTUMBRASTES; SOLAMENTE UMA VEZ; ANGUSTIA; BESAME MUCHO e mais 13 boleros que fazem parte do imaginário coletivo são o pretexto para contar a história do musical, de Artur Xexéo, MINHA VIDA DARIA UM BOLERO, com Françoise Forton e Aloísio de Abreu no elenco, acompanhados pelos músicos Itamar Assiere – piano e Diego Zangado – percussão. A direção de MINHA VIDA DARIA UM BOLERO é de Rubens Camelo e Paulo Denizot, que também assina a iluminação. O musical estreia no dia 19 de julho, no Teatro Sesc Ginástico.

“Depois do sucesso, 5 anos não contínuos, de NÓS SEMPRE TEREMOS PARIS, fiquei com vontade de escrever um novo texto no mesmo formato: dois atores, uma comédia romântica e canções de um determinado ritmo que fizessem parte da memória afetiva. Ao mesmo tempo, Françoise me trouxe a ideia de um musical no qual ela cantasse boleros e tangos. Optei por só usar boleros. Mas acabei incluindo um tango”, revela o autor e jornalista Artur Xexéo.

Os personagens possuem personalidades opostas e se relacionam durante 20 anos, embora nunca tenham se encontrado. Os dois vão descobrir que talvez seja possível se apaixonar por uma voz. FRANÇOISE FORTON é Diana, uma locutora que apresenta um programa de rádio diário há 20 anos, uma espécie de consultório sentimental. “A peça conta a maneira com que as pessoas podem se apaixonar, mesmo não estando presentes fisicamente. O relacionamento acontece a partir do programa de Diana, onde ela usa boleros para dar conselhos a seus ouvintes”, detalha a atriz. Orlando, interpretado por ALOÍSIO DE ABREU, é um professor de dança que busca o programa para se aconselhar e acaba se apaixonando pela voz da apresentadora. “No dia em que é abandonado no altar por sua noiva, Orlando ouve o programa de boleros e se apaixona pela voz e pelo jeito despachado da locutora”, conta Abreu.

Diana e Orlando se relacionam durante 20 anos, embora nunca tenham se encontrado. As ondas da rádio Mundo criam a relação entre os dois. Diana é uma mulher que nunca se casou, acredita no amor, mas nunca arriscou. Orlando é um homem que sempre quis casar, porém com dificuldades de manter as relações. Na medida em que o tempo passa, durante o programa, os personagens vão ajudando um a outro, aprendendo e descobrindo o caminho do amor. ”A pergunta principal da peça é: será que alguém pode se apaixonar por uma voz? E, como diz o texto da peça, há vozes que nasceram uma para outra”, afirma Aloísio.

Quando começa a peça, está indo ao ar a última edição do programa MINHA VIDA DARIA UM BOLERO. Neste dia, Diana expõe, ao vivo, o relacionamento que mantém há 20 anos com Orlando.  Porém, eles nunca se viram. Só conversam por e-mail, mensagens de celular e principalmente pelo programa de rádio. Mas agora, após a última edição, pela primeira vez, terão um encontro presencial,  numa prometida aula de dança.

Este é o nono texto autoral de Artur Xexéo: “A garota do biquíni vermelho”, “Nós sempre teremos Paris”, “Zé Trindade, a última chanchada”, “Um Natal pra nós dois”, “Cartola, o mundo é um moinho”, “Hebe, o musical”, “Dalva e Herivelto, eu não posso lembrar que te amei”, “Bibi, uma vida em musical” e “Minha Vida daria um bolero”. São 4  traduções e adaptações de textos estrangeiros: “Xanadu”, “O cachorro riu por último”, “Ou tudo ou nada” e “Love story”.

O autor já esboça um novo musical com a mesma estrutura de “NÓS SEMPRE TEREMOS PARIS” e “MINHA VIDA DARIA UM BOLERO”, porém com outro gênero musical, para a atriz Françoise Forton encenar. “Não somos uma companhia. Mas acho que nos damos bem, né? Por que não tentar de novo?”, brinca Xexéo.

Serviço
Teatro Sesc Ginástico
Endereço: Av. Graça Aranha, 187, Centro
Telefone: 2279-4027
Lotação: 513 lugares
Estreia: 19 de julho às 19h
Temporada: de quinta a sábado às 19h e domingo às 18h. Até 05 de agosto
Valores: Inteira – R$ 30,00 / Meia – R$ 15,00 / Associados Sesc – R$ 7,50
Funcionamento da bilheteria: de terça a domingo das 13h às 20h
Formas de pagamento: dinheiro, débito e crédito
Classificação indicativa: 12 anos

Ficha técnica / Minha Vida Daria um Bolero
Elenco: Françoise Forton e Aloísio de Abreu
Texto: Artur Xexéo
Direção: Rubens Camelo e Paulo Denizot
Direção musical e músico: Itamar Assiere
Músico: Diego Zangado
Direção de movimento: Marina Salomon
Preparação vocal: Paula Santoro
Cenário: Carlos Alberto Nunes
Figurinos: Clívia Cohen
Iluminação: Paulo Denizot
Visagismo: Fernando Cazione
Designer de som: Junior Brasil
Fotógrafos: Ricardo Brajterman e Moskow
Programador visual: Felipe Braga
Mídia social: Gigi Prade
Coordenação de produção: Eduardo Barata
Direção de produção: Elaine Moreira
Produção executiva: Tom Pires
Produção e assessoria de imprensa: Barata Comunicação

Posts relacionados

Casa Carandaí promove festival de queijos e embutidos artesanais do Brasil

Redação

Festival Infantil Teatro Clara Nunes

Redação

Venit Hotéis comemora Dia Nacional da Cachaça com caipirinha premiada

Redação

Deixe um comentário