20.9 C
New York
junho 18, 2019
Featured Teatro & Dança

Minha vida daria um bolero

TÚ TE ACOSTUMBRASTES; SOLAMENTE UMA VEZ; ANGUSTIA; BESAME MUCHO e mais 13 boleros que fazem parte do imaginário coletivo são o pretexto para contar a história do musical, de Artur Xexéo, MINHA VIDA DARIA UM BOLERO, com Françoise Forton e Aloísio de Abreu no elenco, acompanhados pelos músicos Itamar Assiere – piano e Diego Zangado – percussão. A direção de MINHA VIDA DARIA UM BOLERO é de Rubens Camelo e Paulo Denizot, que também assina a iluminação. O musical estreia no dia 19 de julho, no Teatro Sesc Ginástico.

“Depois do sucesso, 5 anos não contínuos, de NÓS SEMPRE TEREMOS PARIS, fiquei com vontade de escrever um novo texto no mesmo formato: dois atores, uma comédia romântica e canções de um determinado ritmo que fizessem parte da memória afetiva. Ao mesmo tempo, Françoise me trouxe a ideia de um musical no qual ela cantasse boleros e tangos. Optei por só usar boleros. Mas acabei incluindo um tango”, revela o autor e jornalista Artur Xexéo.

Os personagens possuem personalidades opostas e se relacionam durante 20 anos, embora nunca tenham se encontrado. Os dois vão descobrir que talvez seja possível se apaixonar por uma voz. FRANÇOISE FORTON é Diana, uma locutora que apresenta um programa de rádio diário há 20 anos, uma espécie de consultório sentimental. “A peça conta a maneira com que as pessoas podem se apaixonar, mesmo não estando presentes fisicamente. O relacionamento acontece a partir do programa de Diana, onde ela usa boleros para dar conselhos a seus ouvintes”, detalha a atriz. Orlando, interpretado por ALOÍSIO DE ABREU, é um professor de dança que busca o programa para se aconselhar e acaba se apaixonando pela voz da apresentadora. “No dia em que é abandonado no altar por sua noiva, Orlando ouve o programa de boleros e se apaixona pela voz e pelo jeito despachado da locutora”, conta Abreu.

Diana e Orlando se relacionam durante 20 anos, embora nunca tenham se encontrado. As ondas da rádio Mundo criam a relação entre os dois. Diana é uma mulher que nunca se casou, acredita no amor, mas nunca arriscou. Orlando é um homem que sempre quis casar, porém com dificuldades de manter as relações. Na medida em que o tempo passa, durante o programa, os personagens vão ajudando um a outro, aprendendo e descobrindo o caminho do amor. ”A pergunta principal da peça é: será que alguém pode se apaixonar por uma voz? E, como diz o texto da peça, há vozes que nasceram uma para outra”, afirma Aloísio.

Quando começa a peça, está indo ao ar a última edição do programa MINHA VIDA DARIA UM BOLERO. Neste dia, Diana expõe, ao vivo, o relacionamento que mantém há 20 anos com Orlando.  Porém, eles nunca se viram. Só conversam por e-mail, mensagens de celular e principalmente pelo programa de rádio. Mas agora, após a última edição, pela primeira vez, terão um encontro presencial,  numa prometida aula de dança.

Este é o nono texto autoral de Artur Xexéo: “A garota do biquíni vermelho”, “Nós sempre teremos Paris”, “Zé Trindade, a última chanchada”, “Um Natal pra nós dois”, “Cartola, o mundo é um moinho”, “Hebe, o musical”, “Dalva e Herivelto, eu não posso lembrar que te amei”, “Bibi, uma vida em musical” e “Minha Vida daria um bolero”. São 4  traduções e adaptações de textos estrangeiros: “Xanadu”, “O cachorro riu por último”, “Ou tudo ou nada” e “Love story”.

O autor já esboça um novo musical com a mesma estrutura de “NÓS SEMPRE TEREMOS PARIS” e “MINHA VIDA DARIA UM BOLERO”, porém com outro gênero musical, para a atriz Françoise Forton encenar. “Não somos uma companhia. Mas acho que nos damos bem, né? Por que não tentar de novo?”, brinca Xexéo.

Serviço
Teatro Sesc Ginástico
Endereço: Av. Graça Aranha, 187, Centro
Telefone: 2279-4027
Lotação: 513 lugares
Estreia: 19 de julho às 19h
Temporada: de quinta a sábado às 19h e domingo às 18h. Até 05 de agosto
Valores: Inteira – R$ 30,00 / Meia – R$ 15,00 / Associados Sesc – R$ 7,50
Funcionamento da bilheteria: de terça a domingo das 13h às 20h
Formas de pagamento: dinheiro, débito e crédito
Classificação indicativa: 12 anos

Ficha técnica / Minha Vida Daria um Bolero
Elenco: Françoise Forton e Aloísio de Abreu
Texto: Artur Xexéo
Direção: Rubens Camelo e Paulo Denizot
Direção musical e músico: Itamar Assiere
Músico: Diego Zangado
Direção de movimento: Marina Salomon
Preparação vocal: Paula Santoro
Cenário: Carlos Alberto Nunes
Figurinos: Clívia Cohen
Iluminação: Paulo Denizot
Visagismo: Fernando Cazione
Designer de som: Junior Brasil
Fotógrafos: Ricardo Brajterman e Moskow
Programador visual: Felipe Braga
Mídia social: Gigi Prade
Coordenação de produção: Eduardo Barata
Direção de produção: Elaine Moreira
Produção executiva: Tom Pires
Produção e assessoria de imprensa: Barata Comunicação

Posts relacionados

Evento gratuito homenageia vikings com música, hidromel e mais

Redação

Altas Horas | Serginho Groisman recebe Marília Gaberiela, Theodoro Cochrane, Maurício de Sousa e sua verdadeira Mônica para um papo em família

Alyson Fonseca

“Hominus Brasilis” se apresenta de graça em Icaraí

Redação

Após sucesso pelo mundo, espetáculo “Cárcere” chega ao Rio

Redação

‘Zilda Arns – A dona dos lírios’ estreia, dia 21 de setembro, no Teatro Candido Mendes, em Ipanema

Redação

Casa Carandaí promove festival de queijos e embutidos artesanais do Brasil

Redação

Deixe um comentário