19 C
New York
junho 19, 2019
Notícias

Meus Duzentos Filhos – Vida e Trabalho de Janusz Korczak

Um dos homens mais generosos, humanistas e sábios que viveu neste mundo é o personagem central da peça “Meus Duzentos Filhos”Janusz Korczak, pedagogo, pediatra e escritor judeu polonês, fundador e gestor do Orfanato Modelo, em Varsóvia, onde se dedicou durante 30 anos a formar e educar órfãos, oferecendo as crianças amor, carinho, respeito e instrução moral para enfrentar a vida. Korczak viveu para educar e cuidar dos pequenos que amparou e morreu com eles, nas mãos nazistas no campo de Treblinka, em 1942. O espetáculo teatral tem duas estreias no mês de agosto: primeira no dia 08 de agosto (quarta), às 20h30, durante o 4º Festival Midrash de Teatro, no Midrash Centro Cultural, no Leblon. A segunda, no dia 18 de agosto (sexta), no Centro Cultural da Justiça Federal (CCJF), no Centro.

“O Rei Matt está convencido de que somente a sensibilidade, a espontaneidade e a imaginação de uma criança são capazes de mudar a realidade” (Janusz Korczak)

“Meus Duzentos Filhos” é um monólogo cuja atuação do ator Marcelo Aquino. Em cena está a vida e obra de Janusz Korczak (1879-1942), uma mesa, uma cadeira. Janusz Korczak é o pseudônimo de Henryk Goldszmit, nascido no dia 22 de julho de 1878, em Varsóvia (Polônia) e responsável por desenvolver um método pedagógico inovador.

“Sim, me tornei um escritor, foram vários concursos literários, foi quando adotei um pseudônimo: Janusz Korczak. Esse nome colou em mim para sempre”. (Janusz Korczak)

Baseado no diário deixado por ele, suas memórias são resgatadas e transportadas para este espetáculo teatral que focaliza sua brilhante e iluminada ação junto as crianças acolhidas em seu orfanato modelo Dom Sierot (A Casa dos Órfãos), onde trabalhou durante 30 anos, na Varsóvia. Os órfãos – seus duzentos filhos – aprendiam disciplina, ganhavam instrução e força moral para enfrentar a vida. Korczak afirmava que “não existem crianças, existem pessoas”, e esforçava-se para assegurar a elas uma infância despreocupada, mas não isenta de obrigações.

O texto de Miriam Halfim é pontuado de lirismo, emoção e aponta o amor como caminho para vencer instabilidades e transformar seres humanos desesperançados em cidadãos úteis e capazes de contribuir para uma sociedade melhor. O monólogo traz a generosidade, hombridade, nobreza, retidão, firmeza de caráter e lealdade como características explícitas do personagem. Desse modo, a peça conduz o público a pensar sobre a educação e o tratamento dispensado as crianças com um novo olhar, o do amor. É uma verdadeira oportunidade de conhecer uma grande história de força de vontade em meio as ações pavorosas do nazismo.

“Eu me emocionei e ainda me emociono quando li o texto. Muitas vezes nos ensaios preciso segurar as lágrimas. É uma história real que comove. Temos tantas crianças em situação de vulnerabilidade como as do orfanato. Tantos professores no Rio de Janeiro e no Brasil enfrentam riscos diários na educação das crianças e, como Korczak, nunca desistiram. Dar vida a um personagem tão forte é um orgulho”, diz o ator Marcelo Aquino.

“Eu adoro crianças. Eu nunca suportei ver um adulto maltratando crianças, ficava enfurecido. Não aceitava injustiças e não entendia por que umas crianças tinham tudo e outras nada. Para educá-las, é preciso elevar-se até elas para poder vislumbrar e compreender toda a riqueza de sua mente. Elevar-se para aproximar-se de cada uma delas e entender toda a sua beleza.” (Janusz Korczak)

ficha técnica é respeitável: tem direção de Ary Coslov, Marcelo Aquino interpretando Janusz Korczak, ​Paulo César Medeiros na iluminação, ​Bernardo Peixoto como assistente de direção, Ana Vitória na preparação corporal e produção de Maria Alice Silvério. A peça saiu do papel com a ajuda do financiamento coletivo via Catarse no site www.catarse.me/meusduzentosfilhos, onde ainda segue angariando fundos para manter-se em cartaz.  

VIDA E TRABALHO DE JANUSZ KORCZAK
O Orfanato Modelo Dom Sierot (A Casa dos Órfãos) foi fundado no dia 7 de outubro de 1912 por Janusz Korczak juntamente com sua amiga Stefania Wilczyska. A entidade destinada a crianças judias era financiada pela Sociedade judaica “Auxílio aos Órfãos”. Ele desenvolveu a chamada “República de Crianças”, onde funcionava um tribunal de arbitragem de crianças, no qual os próprios órfãos avaliavam as causas apresentadas por eles mesmos, podendo inclusive levar à tribunal seus educadores.

“Educação não transforma o mundo. Educação muda pessoas. Pessoas transformam o mundo. A educação modela as almas e recria os corações. Ela é a alavanca das mudanças sociais.” (Janusz Korczak)

Entre outubro e novembro de 1940, o orfanato foi transferido a mando do governo nazista para o Gueto de Varsóvia, o maior bairro judaico estabelecido pela Alemanha Nazista na Polónia durante o Holocausto. O educador e seus duzentos filhos padeceram nas mãos dos apoiadores do alemão Adolf Hitler. Embora o pedagogo tenha recebido três propostas para sair do local, recusou todos os chamados: ele não iria a lugar nenhum sem seus filhos.

Foi no gueto, que ele retomou a escrita regular do seu diário iniciado em 1939, após dois anos sem fazer nenhuma anotação sobre o comportamento e desenvolvimento das crianças e técnicas educacionais aplicadas por ele. A última anotação foi em 4 de agosto de 1942. Na manhã de 5 de agosto de 1942, o local foi cercado pelas tropas nazistas. Era o fim. Korczak, então com 64 anos, pediu para as crianças colocarem suas melhores roupas e pegarem o seu brinquedo favorito. Em marcha, ele pegou duas crianças pelas mãos e guiando um grupo de 192 órfãos, embarcou em um dos vagões rumo aos campos de extermínio. O comboio também levava Stefania Wilczyńska e mais um grupo de educadores. A caminhada para a morte tornou-se um ícone do massacre. Janusz Korczak foi assassinado com suas crianças no campo de extermínio nazista de Treblinka. No ano de 1948, foi postumamente agraciado com a Cruz de Cavaleiro da Ordem da Polônia Restituta. O diário foi publicado pela primeira vez em Varsóvia, em 1958.

“Muito pouca luz, pouco espaço, pouco oxigênio, um vagão cheio de almas e um trem em deslocamento. Tomara que meu diário esteja a salvo em algum lugar.” (Janusz Korczak)

INFLUÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL
Korczak foi um pedagogo inovador e precursor nas iniciativas em prol dos direitos da criança e do reconhecimento da total igualdade entre elas e os adultos. Seu trabalho ganhava força e também tinha inspiração nos estudos desenvolvidos por Maria Montessori – educadora, médica e pedagoga italiana que destacava a importância da liberdade, da atividade e do estímulo para o desenvolvimento físico e mental das crianças.

“Algumas crianças conhecem a alegria de brincar e reinventar o mundo, mas muitas levam uma vida dura desde cedo. Eu sei do que estou falando, pois tive que aprender cedo a enfrentar a dureza do mundo.” (Janusz Korczak)

Janusz Korczak deixou princípios que ainda hoje estão sendo estudados. Seus 24 livros são a base de grandes nomes da educação infantil com Paulo Freire e o psicólogo suíço, Jean Piaget, que chegou a visitar o orfanato. Sua ideia de respeitar os direitos da criança é referência para muitos autores contemporâneos. A importância e relevância de Korczak na educação fez surgir em 1998 o “O seminário é uma comemoração dos 50 anos da Declaração dos Direitos da Criança da ONU, inspirada em Korczak”.

FICHA TÉCNICA
Texto: Miriam Halfim
Direção: Ary Coslov
Interpretação: Marcelo Aquino
Cenário ​e trilha sonora: Ary Coslov
Iluminação: Paulo César Medeiros
​Orientação de figurinos: Rosa Ebe ​
Assistente ​d​e Direção: Bernardo Peixoto
Preparadora Corporal: Ana Vitória
Fotos, Vídeos E Design: Thiago Sacramento
​Edição e pesquisa adicional de trilha sonora: Pedro Leal David​
Assistente de produção: Mayara Voltolini
Produção: Maria Alice Silvério

SERVIÇOS 

4º Festival Midrash de Teatro – Estreia 08 de agosto

Midrash Centro Cultural – Rua General Venâncio Flores, 184, Leblon, Rio de JaneiroOito apresentações. Datas e Horários: 08 e 09 de agosto (20h30); 15, 16, 22, 23, 29 e 30 de agosto (20h).Quartas e Quintas. Capacidade: 50 lugares. Informações: (21) 2239-1800 – secretaria@midrash.org.brIngressos: R$ 40 (inteira) e R$ 20 (meia-entrada). Passaporte Festival: R$ 80,00 (5 apresentações) | R$ 100,00 (10 apresentações). Venda antecipada online: www.midrash.org.brClassificação Livre.

Posts relacionados

Volta às aulas universitárias: comprar livros técnicos na Estante Virtual pode ser até 75% mais econômico

Redação

Famous Burguer, um presente para o Dia dos Namorados

Redação

Clássica feijoada de carnaval do restaurante Noi São Francisco acontece no sábado 

Redação

Jane Di Castro prestigia festa de Felipe Grimaldi, no Rio

Redação

Pioneiro na lipoaspiração no Brasil, Dr. Luiz Haroldo Pereira será destaque na Jornada Paulista de Cirurgia Plástica

Redação

AquaRio recebe selo “Friend of the Sea” das mãos de Paolo Bray

Redação

Deixe um comentário