16.7 C
New York
maio 22, 2019
Teatro & Dança

“Marvada Vida” leva realidade do interior de Minas Gerais ao palco do Teatro Eduardo Kraichete

Marvada Vida - foto: BernardoMarques
Marvada Vida - foto: BernardoMarques

Uma vila no interior do Brasil. Palco coberto de terra. O que tem lá atrás da montanha? “Marvada Vida” é a fabulosa história de nós todos, belos e miseráveis seres humanos. Na apresentação do dia 14 de fevereiro, no Teatro Eduardo Kraichete, um coro de atores e atrizes narra a dor e a beleza de se perder dentro si. Vivem no palco essa única vida marvada que temos até o assombroso fim irremediável que se aproxima dia após dia… A morte. Ou talvez uma nova vida!

Marvada Vida“, parte da mostra “OST 18 Anos – A Vida como Palco!” é antes de tudo uma homenagem do autor Amaury Lorenzo à sua terra, Minas Gerais, onde viveu até os 14 anos de idade. É o momento de falar com propriedade sobre suas memórias de infância, sobre o desconfiado e especial povo mineiro. A inspiração veio da sua cidade natal, Congonhas, que tem 60 mil habitantes e é cercada pelo ouro, pelo minério de ferro, pela pedra sabão. O texto é situado no Alto do Bom Jesus, referência direta ao Santuário do Bom Jesus de Matosinhos, em Congonhas, que recebe milhares de fiéis ao longo do ano e é Patrimônio Cultural da Humanidade tombado pela UNESCO. No espetáculo, uma festa em homenagem à padroeira, Nossa Senhora da Ajuda, está para acontecer. Inúmeros apontamentos reais são descritos pelo autor no texto, como o Córrego das Mortes, conhecido rio da região do Vale do Paraopeba.

“Os personagens do espetáculo são inspirados em alguns habitantes da cidade da minha infância, como Emília, mãe da personagem Margarida, que conduz a história. Emília era nome da minha avó paterna. João, personagem que se apaixona por Margarida, é o nome do meu avô paterno. Além deles, surgem personagens corriqueiros no imaginário mineiro: as beatas fofoqueiras Dona Figênia e Dona Rosária, o Padre Rocha (Personagem real e ainda vivo em Congonhas), a rezadeira (Véia do Mato), Nossa Senhora da Ajuda (que faz uma aparição à Margarida e faz revelações sobre os rumos da história)…”, comenta o autor e diretor Amaury Lorenzo.

O caminho dramatúrgico é alicerçado com Teatro Regionalismo e Bertolt Brecht, levando o autor a aprofundar-se em suas memórias de infância, transitando entre o fantástico, o lúdico, o épico e o político, pra finalmente contar os atos e os desatos da vida de todos nós nessa fabulosa “marvadavida” que vivemos.

SERVIÇO:

14 de fevereiro de 2019 – 19h30

Direção: Amaury Lorenzo

Classificação etária: 14 anos

Duração: 80 minutos

Local do Espetáculo: Av. Roberto Silveira, 123, Icaraí – Niterói/RJ

Ingressos: R$15 (VENDA SOMENTE NA SEDE DA OST)

Rua Saldanha Marinho 14 – Centro/ Niterói.

Informações: (21) 2721-0468

 

REALIZAÇÃO:

OFICINA SOCIAL DE TEATRO

www.ofsocialdeteatro.com

Posts relacionados

Oficina Social de Teatro apresenta a Mostra (com teatro) Opinião

Redação

Alcione participa da comedia ‘Pão com Ovo’ no Teatro dos Grandes Atores

Redação

Espetáculo “A vida ao lado”se apresenta na Arena Carioca Fernando Torres

Redação

Musical AVESSO leva fortes emoções e conflitos de gerações ao Rio de Janeiro

Redação

Sucesso pelo Brasil, “Fulaninha e Dona Coisa” apresenta segunda temporada pelo país

Redação

“O Pena Carioca” – Homenagem da Cia Atores de Laura a Martins Pena ganhará montagens gratuitas

Redação

Deixe um comentário