Mar de Ressaca no SESC Copacabana

foto: Camilo Lobo
foto: Camilo Lobo

Mar de Ressaca, da Cia Impele, que estreia no dia 1o de dezembro no Mezanino do Sesc Copacabana, é o primeiro espetáculo de dança dirigido por Marco André Nunes, premiado encenador carioca, vencedor dos prêmios SHELL, APTR e Questão de Crítica de melhor direção por Caranguejo Overdrive.

A Cia Impele é formada por Aline Bernardi (que fez BR3, do Teatro da Vertigem, e Senhora dos Afogados, de Ana Kfouri), Alexandre Mendes (que participou da Cia Étnica de dança e Cia de dança contemporânea da UFRJ), Jéssica Barbosa (que atuou no filme Besouro, de João Daniel Tikhomiroff, e no musical Orfeu da Conceição, de Aderbal Freire Filho) e Marina Magalhães (que participou da Primeiro Ato Cia de Dança, Cia Regina Miranda & AtoresBailarinos, Pulsar Cia de Dança). Em sua pesquisa de novas linguagens cênicas, a Cia Impele investiga o hibridismo entre a dança, a performance, o teatro e a música.

O espetáculo Mar de ressaca é fruto de uma pesquisa de movimento que inicialmente se alimentou dos traumas e histórias familiares dos artistas. Como se materializa no corpo de um performer isso que, sobrevivendo ao tempo e à mudança, sempre retorna? Ao longo do processo, no entanto, tornou-se evidente que as feridas individuais refletem sempre feridas coletivas compartilhadas por toda uma sociedade. A violência sexual, o racismo, e mesmo a tortura que marcaram os membros da Cia Impele são transpostos para a cena como sintomas de uma doença social que só pode ser tratada coletivamente. O que não é elaborado coletivamente, como os crimes da ditadura civil-militar iniciada em 1964, sempre retorna. Basta olhar para o mar de ressaca em meio ao qual vivemos atualmente.

A dramaturgia de Patrick Pessoa (parceiro de diretores como Marcio Abreu, Aderbal Freire-Filho e os Irmãos Guimarães, crítico teatral e professor de filosofia da UFF, em sua primeira colaboração com Marco André Nunes) constrói essa ponte entre o privado e o público, o individual e o político a partir da utilização de fragmentos de autores como Schopenhauer, Machado de Assis, Kafka e Brecht. Como afirma o dramaturgo: “O Marco André e eu viemos do teatro, de modo que nosso interesse é pensar novas possibilidades de articulação entre o corpo e a história, a dança e a palavra.”     

A ressaca a que alude o título tem um viés ao mesmo tempo existencial e político. Diz respeito à violência do mar, metáfora do caráter cíclico do tempo psíquico, mas também à possibilidade de, juntos, resistirmos às tempestades históricas que ameaçam destruir a nossa sempre precária democracia e os avanços sociais duramente conquistados desde a Abertura e a Constituição de 1988.

O figurino e o cenário são de Evee Ávila e Pedro Leobons, artistas visuais que acompanharam o processo desde o início, interferindo na criação da coreografia com proposições cenográficas. A direção de arte desse trabalho tem como grande inspiração as marcas que ficam nos corpos e construções assolados pela violência das marés.

A direção de movimento e a preparação corporal ficaram a cargo de Toni Rodrigues, coreógrafo e bailarino habituado a trabalhar na fronteira entre a dança e o teatro.

A luz é de Renato Machado, que acompanha o trabalho de diversas companhias de dança e teatro e já recebeu mais de 40 indicações para prêmios de iluminação.

O cantor e compositor Pedro Sá Moraes, vencedor do prêmio Profissionais da música 2016 como melhor cantor, considerado “um dos maiores cantores e compositores de sua geração” (O Globo), assina a preparação vocal e a direção musical. Ele estará ao vivo em cena tocando composições originais criadas especialmente para o espetáculo. A trilha incorpora sons eletrônicos, percussão indiana (mridangam), baixo e guitarra.

Mar de ressaca estreia dia 1o de dezembro de 2016 no Mezanino do Sesc Copacabana e segue em temporada de quarta a sábado às 21h e domingo às 20h, até o dia 18/12.

SERVIÇO

Espetáculo Mar de Ressaca
Datas: 1º a 18 de Dezembro de 2016
Horário: 21h de quarta a sábado |  20h no Domingo
Local: Mezanino do Sesc Copacabana
Ingressos: R$ 5 (associado do Sesc), R$ 10 (meia), R$ 20 (inteira)
Endereço: Rua Domingos Ferreira, 160, Copacabana, Rio de Janeiro – RJ
Informações: (21) 2547-0156
Bilheteria: aberta de terça a domingo, sendo de terça a sábado das 13h às 21h e domingos das 13h às 20h.
Classificação indicativa: 16 anos
Lotação: 50 pessoas