10.2 C
New York
abril 18, 2019
Featured Teatro & Dança

Maitê Proença em “A Mulher de Bath”

foto: Daniel Chiacos e Matheus José Maria
foto: Daniel Chiacos e Matheus José Maria

“Se não houvesse em toda a Terra imensa, autoridade além da experiência, a mim isso seria suficiente, pra fazer um relato contundente, das mazelas da vida de casado.” Assim se apresenta ao público A Mulher de Bath, mulher dos ainda medievais anos 1380, que  já enterrou cinco maridos e, fogosa e cheia de vida, está em busca do sexto.

Depois de duas temporadas seguidas em São Paulo, no Sesc Bom Retiro e no Teatro FAAP, Maitê Proença traz ao Rio a peça escolhida para comemorar seus 40 anos de carreira e 60 anos de vida, e também os 80 anos do diretor Amir Haddad.

A MULHER DE BATH é uma mulher libertária, à frente de seu tempo, e não teme dizer o que pensa. Ela é uma das figuras basilares da literatura ocidental, precursora de Shakespeare e do indivíduo moderno.

O texto é do escritor e filósofo inglês Geoffrey Chaucer (1343-1400), reconhecido como o pai da literatura inglesa, e faz parte de sua obra inacabada “Os Contos da Cantuária”,publicada pela primeira vez em 1475 e tida como uma das mais importantes da literatura inglesa e um clássico da literatura mundial. A tradução, de José Francisco Botelho, foi indicada ao Prêmio Jabuti e já é considerada uma referência contemporânea na tradução de Chaucer.

A ATUALIDADE DO TEXTO
“É um texto de interesse universal. Uma mulher falando dos jogos e artimanhas do amor, das guerras infernais no casamento, do sexo e suas armadilhas, das diferenças entre homens e mulheres, da necessidade da soberania feminina, de seu pleito por liberdade. São as mesmas questões de hoje. Ele foi surpreendente em sua época, e continua a surpreender agora”, conta Maitê Proença, atriz e idealizadora do projeto.

“Chaucer teve a audácia e a graça de colocar essa história, que nós transformamos em teatro, na boca de uma mulher, uma viúva libertária. Uma mulher que ama a vida, a alegria, o riso, o sexo, os homens, a diversão. A mulher de Bath é profundamente religiosa e tudo o que faz justifica pela Bíblia. Nela, o sagrado e o profano convivem perfeitamente. Isso resulta divertido e cômico.”, continua Maitê.

SINOPSE
Numa taberna qualquer, à beira de uma estrada, em plena Inglaterra medieval, uma mulher experiente, bem humorada e de franqueza desconcertante conta a história de sua vida: seus cinco maridos e a vida sexual, suas paixões, seus rancores e vinganças, seu profundo conhecimento dos homens e da alma humana. Sem poupar a ninguém, nem a si própria, fala das coisas como são, de forma irreverente e direta.

A MONTAGEM – O TEXTO EM VERSOS
Inédito nos palcos brasileiros, o texto conta com tradução de José Francisco Botelho, que buscou inspiração na poesia popular brasileira – do repente nordestino à trova gaúcha – para reviver a exaltação e a grandeza da Idade Média, em versos inspirados no cancioneiro popular e na poesia oral do interior do Brasil.

A montagem tem como marca a contemporaneidade do pensamento teatral de Amir Haddad, aproximando o público dos atores de forma direta e sem mistérios. Tudo está à mostra: a preparação da cena, o jogo de luz, a operação do som. A proposta é perseguir a simplicidade e dialogar com todo tipo de público.

A trilha da peça é operada em cena pelo ator e músico Alessandro Persan, que interage com a atriz e também participa, junto com ela, da movimentação dos objetos e das mudanças de ambientação. Os elementos da cena são rearrumados pelos atores para criar ambientes típicos da época: tabernas, alcovas, igrejas.

A PARCERIA DE MAITÊ PROENCA E AMIR HADDAD
Maitê Proença e o diretor Amir Haddad tiveram seu primeiro encontro profissional em 2012, na peça As Meninas – Prêmios APTR Melhor Autor (Maitê e Luiz Carlos Góes), Melhor Atriz (Patrícia Pinho) e Melhor Figurino (Beth Filipecki) – seguido de À Beira Do Abismo Me Cresceram Asas, em 2014 – Prêmio APTR Melhor Atriz para Clarisse Derziê.

SERVIÇO:
Temporada: de 20 a 29 de julho de 2018
Horários: sexta e sábado às 20 horas; domingo, às 19h
Ingresso: Plateia inferior e balcão: R$ 50 (inteira) e R$ 25 (meia)
Valor promocional para a sessão de estreia (20 de julho): R$ 40 (inteira) e R$ 20 (meia)
Duração: 70min
Capacidade: 642 lugares
Classificação indicativa: 16 anos
Local: Imperator
Endereço: Rua Dias da Cruz, 170 – Méier
Tel: (21) 2597-3897
http://www.imperator.art.br/

FICHA TÉCNICA
Texto: Geoffrey Chaucer
Tradução: José Francisco Botelho
Adaptação: Maitê Proença
Direção: Amir Haddad
Com: Maitê Proença
Participação do ator e músico: Alessandro Persan
Cenário: Luiz Henrique Sá
Figurino: Angèle Froes
Adereços: Marcilio Barroco
Iluminação: Vilmar Olos
Preparadora Corporal: Marina Salomon
Assistente de direção: Alessandro Persan
Trilha Sonora: Alessandro Persan
Camareira: Naná Nascimento
Fotos divulgação: Daniel Chiacos e Matheus José Maria
Fotos de cena: Sabrina Moura e Matheus José Maria
Mídias Sociais: Rafael Teixeira
Projeto Gráfico: Fabio Arruda e Rodrigo Bleque (Cubículo)
Idealização: Maitê Proença
Produção : Jaqueline Roversi (Amor&Arte Produções)
Direção de Produção: Maitê Proença
Realização: M. Proença Produções Artísticas Ltda.

Posts relacionados

Rio Scenarium recebe Sargento Pimenta na festa Here Comes The Samba

Redação

Festival Infantil Teatro Clara Nunes

Redação

‘Para Onde vão os Corações Partidos’ no Teatro Ipanema

Redação

Pelo menos o acervo de invertebrados foi salvo, diz diretora do museu

Agência Brasil

Espetáculo “#Fakenelson”faz parte da mostra “OST 18 Anos – A Vida como Palco!”

Redação

Ilha de Ferro | “Tela Quente Especial” exibe primeiro capítulo da série exclusiva do Globoplay

Alyson Fonseca

Deixe um comentário