Lúcia Menezes lança o CD “Lúcia” em show na Sala Baden Powell, com participação de Jorge Mautner e José Milton

Lúcia Menezes canta como quem borda em um delicado tecido. E toda esta delicadeza estará no shows de lançamento de seu novo CD “Lúcia” na Sala Baden Powell, no dias 23 de agosto, com participações especiais de Jorge Mautner e de José Milton. 

Lançado no inicio do ano pela Biscoito Fino, “Lúcia” é seu quarto álbum gravado no Rio de Janeiro, feito com o mesmo time dos três anteriores: produção de José Milton e arranjos e regência de Cristóvão Bastos e João Lyra, e contando com duas participações especialíssimas: a de Chico Buarque, na sua canção “Desencontro”, e de Miúcha, em “Sonho de Marinheiro”, de João Donato e Fausto Nilo.

O repertório seguiu seu interesse pela busca de novos nomes e o resgate de artistas importantes da música brasileira, com uma interpretação totalmente pessoal, colocando sua assinatura em todas as canções, como bem observou Jorge Mautner no texto de apresentação do álbum – um traço marcante desde seu primeiro disco.  É este repertório que Lúcia irá mostrar nos shows no Solar de Botafogo, com direção musical e teclado da pianista Camila Dias acompanhada dos músicos João Camarero (violão), Jamil Joanes (baixo), Nizo Jeremias (sanfona), Antonio Rocha (sopros) e Jiló (percussão).

Além das canções “Desencontro” e “Sonho de Marinheiro” citadas acima, estarão no show a faixa que abre o CD “Esperança Vã”, canção de Marcello Tupynambá, pseudônimo de Fernando Lobo, já traduz o tom do disco que traz releituras de clássicos como “Letra I”, de Luiz Gonzaga e Zé Dantas, composta em 1953, “Sete Cantigas para Voar”, de Vital Farias,“Recado”, de Djalma Ferreira e Luiz Antônio, “Mudando de Conversa”, de Hermínio Bello de Carvalho e Mauricio Tapajós, “Bem-te-Viu”, que Jorge Mautner compôs com Nelson Jacobina em 1974, e “Lourinha”, de Fred Falcão e Arnoldo Medeiros – que encerra o CD nos remetendo aos antigos programas de auditórios – além das inéditas “Devolve”, da compositora brasiliense Angela Brandão e “Viola e Sanfona”, de João Lyra e Paulo César Pinheiro.

Além desse repertório, Lúcia fará uma homenagem a seu conterrâneo e amigo Belchior, falecido recentemente, que conheceu desde a infância e sempre cantou suas músicas, interpretando algumas de suas canções, uma delas “Paralelas” – a qual foi a primeira a ouvir pela sua relação de amizade próxima dele com toda sua família.  Aliás, foi Lúcia quem cantou em público pela primeira vez a música dele, “Espacial”, ainda adolescente, aos 12 anos, num festival de música em Fortaleza. Lúcia tem no baú (e na memória) mais umas seis músicas inéditas dele, aprendidas nos saraus intimistas nos fins dos anos 1960, regados a café, queijo coalho e papos sobre política e filosofia, que aconteciam na casa de sua família, e vai mostrar algumas delas neste show.

Lúcia Menezes, ou Lucinha como é mais conhecida, é natural de Itapipoca/CE, ao norte de Fortaleza, cidade de serra, mar e sertão, que a habita desde cedo, mesmo tendo se mudado ainda criança para a capital. É artista desde criança. Entre produções teatrais na escola e para a família a música sempre esteve presente em sua vida e, ainda na infância, aos três anos ganhou concurso de melhor voz infantil. E a paixão pela música seguiu com ela, participando de corais como solista e, já em carreira solo, nos tradicionais Festivais de Música, colecionando mais prêmios e abrindo estrada para shows pela região. Gravou seu primeiro disco em 1991, “Divina Comédia Humana”, em vinil, com sucessos de Belchior e Fagner, cuja ideia e repertório foram do próprio  Belchior. Cinco anos depois lançou seu segundo trabalho, um CD ao vivo, totalmente dedicado ao repertório de Carmen Miranda. Em 1997 e 1998 ganhou o prêmio de melhor cantora da Fundação Cultural de Fortaleza.

Já no Rio, em 2005 gravou o disco Lúcia Menezes”, pela Kuarup, ao lado de grandes nomes da música brasileira como o produtor José Milton e arranjos divididos entre Cristóvão Bastos e João Lyra. O release de apresentação foi escrito por Ruy Castro: ”… Lúcia Menezes é uma cantora do bom e do melhor Ceará e em temperamento, escolha do repertório e estilo, ela é, isto sim, uma legítima cantora brasileira. Seu jeito de cantar, terno ou esfuziante, romântico ou humorístico, conforme o caso, demonstra o profissionalismo e a tarimba, tipo ‘o que vier eu traço’ – e traça mesmo, como diz no samba de Alvaiade, em que vai acelerando o ritmo até chegar a uma velocidade de quebra-língua (não há muita gente na praça capaz dessa proeza hoje em dia).” 

Três anos depois voltou a reunir o mesmo time e gravou o álbum “Pintando e Bordando”, pela Som Livre. Desta vez, a assinatura do texto foi de Sérgio Cabral: “…Eis uma cantora para ser ouvida como um deleite e, para os que ainda não a conhecem, como uma deliciosa surpresa. Trata-se de uma intérprete absolutamente original pelo jeito de cantar e, sobretudo, por um timbre que nos impede de confundi-la com qualquer outra cantora do passado ou do presente…”. Com esse álbum foi indicada ao Prêmio da Música Brasileira, na categoria “Melhor Cantora Regional”, única cantora cearense já indicada a esse prêmio.

Em 2012, Lucinha lançou mais um CD, o “Lucinha”, reunindo o mesmo time. O repertório seguiu na linha de busca de novos nomes e o resgate de artistas da música brasileira. Foi também selecionado para o Prêmio da Música Brasileira e o texto novamente assinado por Sérgio Cabral:  “atenção para a magnífica leitura de Lúcia Menezes dos dois sambas, ambos com aquele balanço que consagrou, por exemplo, Geraldo Pereira, em que a cantora parece um Cyro Monteiro ou um Miltinho de saias, inteiramente à vontade para nos mostrar como é que se faz para interpretar um samba sincopado…” 

CD “Lúcia” nas plataformas digitais

iTunes: http://apple.co/2koBU3V
Apple Music: http://apple.co/2jSjhVh
Spotify: http://spoti.fi/2jSaLpt
Deezer: http://bit.ly/2kdLsMQ
Napster: http://bit.ly/2kNxvFp
Google Play:http://bit.ly/2kdNDQt

Serviço

Show: Lúcia Menezes em show de lançamento do CD “Lúcia”, com participação de Jorge Mautner e José Milton

Local – Sala Municipal Baden Powell (Av. N. Sra. de Copacabana, 360, Copacabana/RJ- Tels.: (21) 2547-9147/98675-4222)

Dias: 23 de agosto de 2017, quarta-feira

Horário: 20h

Preço:  R$ 40,00 (inteira) e R$ 20,00 (meia)

Vendas antecipadas: na bilheteria do teatro de 4ª a domingo das 14 às 21h ou pela internet em  www.ticketmais.com.br

Duração: 1h10

Capacidade: 469 lugares

Classificação: 16 anos

Acessibilidade: Sim

Estacionamento: Não

Cartões de débito: Não

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.