Los Carpinteros ganham grande exposição individual no CCBB-RJ

Prepare-se para encantar-se e intrigar-se com a exposição Los Carpinteros: Objeto Vital, com obras inusitadas e cheias de significados produzidas com a utilização criativa da arquitetura, da escultura e do design, por um dos coletivos de arte mais aclamados da atualidade.

Com instalações grandiosas, Los Carpinteros – os cubanos Marco Castillo e Dagoberto Rodríguez – são conhecidos pelo forte apelo social das obras e pela crítica ácida, sagaz e bem-humorada. Os artistas questionam a utilidade das coisas e exploram o choque entre função e objeto. A exposição estreia no Rio de Janeiro em 3 de maio, depois de percorrer São Paulo, Brasília e Belo Horizonte. O público poderá conferir o melhor da arte contemporânea cubana até o dia 1 de agosto.

Booking.com

A exposição é composta por mais de 70 obras: desenhos, aquarelas, esculturas, instalações, vídeos e obras site specific. O público poderá acompanhar todas as fases do coletivo, desde a década de 1990 até obras inéditas, feitas especialmente para a exposição no Brasil, a partir de ideias e desenhos anteriores. A curadoria é de Rodolfo de Athayde, da Arte A Produções.

“O objeto será o protagonista desta exposição, forçado a uma constante metamorfose pela ideia artística: imaginado em desenhos, projetado e testado nas maquetes tridimensionais ou alcançando sua vitalidade máxima como utopia realizada nas grandes instalações”, descreve o curador.

Fundado em 1992, o coletivo reunia Marco Castillo, Alexandre Arrechea e Dagoberto Rodriguez. O nome foi atribuído aos artistas por alguns de seus colegas, em virtude da empatia com o material trabalhado e com o ofício que foi resgatado como estratégia estética.

Em 2003, Alexandre Arrechea deixou o grupo e Marco e Dagoberto deram continuidade ao trabalho.

ESTRUTURA DA MOSTRA

Los Carpinteros: Objeto Vital será apresentada em três segmentos:

  1. Objeto de Ofício

É o segmento dedicado ao primeiro período, determinado pela manufatura artesanal de objetos inspirados pelas vivências do cotidiano e o uso intensivo da aquarela como parte do processo de visualização da ideia inicial da obra. Os trabalhos são fruto da intensa troca criativa ocorrida durante o período da formação dos artistas, no Instituto Superior de Arte em Havana. Naturalmente, também refletem o contexto cubano dos anos 1990, em franca crise econômica.

  1. Objeto Possuído

Apresenta o momento em que o trabalho de Los Carpinteros começa a ganhar representatividade em importantes coleções no mundo com obras que, para além das problemáticas especificamente cubanas, falam de questões existenciais universais. “A transterritorialidade característica da arte contemporânea leva os artistas a um terreno aberto em que dividem preocupações com criadores de diversas nacionalidades, à margem de suas origens”, afirma o curador. Muitos dos projetos ambiciosos que tinham sido esboçados no papel são materializados nesse momento com a abertura de novas perspectivas. Dentro deste segmento foi reservado um lugar especial para os objetos de som: aquelas obras que têm um vínculo direto com a música, expressão cultural por excelência que marca a ideia do “ser cubano”.

  1. Espaço-Objeto

Neste núcleo é dedicada atenção especial à arquitetura e às estruturas, temáticas constantes na obra dos artistas, que reiteradamente selecionam referências do entorno urbano para subvertê-las, ao alterar contexto e funcionalidade. Esse diálogo, característico do trabalho de Los Carpinteros, permeia toda a exposição e terá neste segmento um espaço reservado.

HUMOR E CRÍTICA
Com um equilíbrio delicado entre o humor e o comentário político, entre o global e o contextual, as obras permitem acompanhar o percurso dos artistas. O uso da madeira nos anos iniciais e a recuperação de uma profissão aparentemente alheia ao mundo das belas artes foi o que definitivamente marcou o coletivo artístico e acabou batizando o grupo como Los Carpinteros.

O diálogo entre o preciso encaixe de madeiras polidas à perfeição e uma tela pintada com domínio clássico gera obras como Marquilla Cigarrera, que tem a narrativa pictórica inserida no objeto. Convertem-se em objetos também os edifícios: inicialmente as emblemáticas construções de Havana, como o Focsa, transformadas em móveis de madeira, cheios de gavetas vazias. Logo mais, monumentos internacionais são ‘replicados’ utilizando peças de lego no VDNKh Toy. O jogo de escalas continua e recria ferramentas cotidianas como estruturas arquitetônicas: Casa-Pinza, por exemplo, usa o formato de um alicate como base de uma planta para um espaço residencial.

Los Carpinteros já expuseram em alguns dos maiores museus do mundo, como o MoMA e o Guggenheim em Nova York, o Museum of Contemporary Art em Los Angeles e a TATE Gallery, em Londres. Já passaram também pelo México, Japão, França, Suíça, entre outros países.

Marco Castillo, Dagoberto Rodriguez e Alexandre Arrechea são graduados pelo Instituto Superior de Arte de Havana. Os dois artistas que hoje compõem Los Carpinteros vivem e trabalham entre a capital cubana e Madri, na Espanha.

LOS CARPINTEROS: OBJETO VITAL
Mostra apresentada em três blocos

  • Objeto de Ofício
  • Objeto Possuído
  • Espaço-Objeto

DATAS E LOCAIS:
CCBB Rio de Janeiro: de 03 de maio até 01 de agosto de 2017

CURADORIA
Rodolfo de Athayde.
Arte A Produções Ltda.

 

CCBB RIO DE JANEIRO
Rua Primeiro de Março, 66, Centro
(21) 3808-2020
Horário: quarta a segunda, das 9h às 21h
Entrada: franca

Booking.com