28.1 C
New York
julho 22, 2019
Livros

Livro de poesias ajuda a superar luto por doença

Fluido, Mergulho marca a estreia de Debora Grion na literatura 

Cansaço extremo, apesar da boa quantidade de horas dormidas; ressecamento da pele e dos cabelos; e aumento de peso sem motivo aparente levaram a estudante de medicina Débora Grion, então com 21 anos, a desconfiar que houvesse algo errado com a sua saúde. A primeira reação foi ignorar, mas os sintomas evoluíram rapidamente e Débora decidiu buscar ajuda de especialista. Em um primeiro exame clínico, o tumor já era palpável; Ultrassons, exames de sangue e biópsia levaram ao diagnóstico de malignidade.

Entre os sentimentos que a acompanharam, angústia e medo. Mas, na contramão, veio a coragem de encarar os vários finais e externalizar a dor em poemas que deram origem ao livroMergulho (Autografia), lançado recentemente.

Mergulho consegue ser leve, quase irônico, como se colocasse uma dobra por sobre a mesma página, elevando a narração ao quadrado. Débora Grion, nascida em Londrina, atualmente morando em Niterói, fala sobre o encontro com “fim” como se fosse com ela própria.

– Parece o fim, chega, mas ela ainda continua a aprontar. Acrescenta uma “errata”, apontando seus erros de interpretação: na verdade, “você morreu bem antes de ele se ir / você renasceu quando ele se foi”. E, arremata numa segunda errata , sem dar espaço para um exagero retumbante, lembrando que, na verdade, ela estava morta “antes de ele chegar”. 

Ela conta que o livro não é autobiográfico, mas uma consequência do que viveu: a morte e o renascimento que ela pôde catalisar. Segundo Débora, escrever pela ótica do amor foi a maneira que encontrou de suportar a possibilidade e lidar com o medo do fim da vida. “Foi meu escudo para driblar a morte de relações, da minha infância, a morte física ou das pessoas que amo”. 

A influência da autora vai dos beatniks a García Márquez, passando por Sylvia Plath e Ana Cristina Cesar, ou mesmo Van Gogh – para quem dedica dois poemas. Seus versos estão longe do óbvio e flertam com a prosa, usa letras minúsculas, com a finalidade de ser fluida e informal. Outra característica do texto da escritora são as letras minúsculas, que dão à poesia a extensão do pensamento dela. 

A passagem de tempo entre os poemas do livro foi uma tática para demonstrar esse processo de amadurecimento. Os capítulos são divididos em meses: do eu lírico para o eu lírico amadurecido, que passou pelas mudanças. “No final, esse eu saí mais preparada para enfrentar os medos”. 

Atualmente, aos 24 anos, Débora, com o tratamento já finalizado, publica seu primeiro livro.

SERVIÇO

Mergulho
Editora: Autografia // Formato: 14 x 21cm // Páginas: 112 // Preço: R$ 30,00 

A AUTORA

Débora Grion tem 27 anos, quase médica. Nasceu em Londrina, no Paraná, e desde 2013 mora em Niterói. Mergulho é seu livro de estreia.

Posts relacionados

Dia Mundial do Livro: e se eles fossem proibidos?

Redação

Novo livro retrata cotidiano de um detetive

Redação

Leitura dramatizada de “O Abajur Lilás”, de Plínio Marcos, no Gabinete de Leitura Guilherme Araújo

Redação

“Leque”, novo livro da poeta Fernanda Oliveira, é lançado pela Imprimatur

Redação

Livro emocionante mostra os desafios do Transtorno do Déficit de Atenção

Redação

Elisa Lucinda lança seu segundo romance

Redação

1 comentário

Livro de poesias ajuda a superar luto por doença – Cemitério Parque Jardim do Ypê fevereiro 18, 2019 at 10:00

[…] Livro de poesias ajuda a superar luto por doença […]

Resposta

Deixe um comentário