Jenny Han confirma presença na Bienal do Livro Rio

Autora que já vendeu mais de 100 mil exemplares somente no Brasil, lançou em maio, pela Intrínseca, “Agora e para sempre, Lara Jean”

A best-seller americana Jenny Han é mais um nome confirmado para a 18ª Bienal Internacional do Livro Rio – que acontece entre 31 de agosto e 10 de setembro no Rioceontro. A autora, que já vendeu mais de 100 mil exemplares somente no Brasil, lançou em maio, pela Intrínseca, “Agora e para sempre, Lara Jean”, último livro da trilogia que inclui também os títulos “Para todos os garotos que já amei” e “P.S.: Ainda Amo Você”.

Outros 11 autores internacionais já estão confirmados para participar do maior evento literário do Brasil. A britânica Paula Hawkins vendeu mais de 20 milhões de exemplares do livro “A garota do trem”, sendo 250 mil no Brasil, e acaba de lançar por aqui “Em águas sombrias”. Fenômeno dos thrillers policiais, Karin Slaughter é autora de “Cega”, que foi publicado em mais de 30 idiomas. Já no universo dos livros de fantasia o destaque é a autora Victoria Schwab, que lança no evento “Um encontro de sombras”, continuação da série “Um tom mais escuro de magia”.

A portuguesa que conquistou os leitores brasileiros com a série “Quebrados”, Sofia Silva, também estará presente. Outras best-sellers que fazem parte da programação oficial são Abbi Glines, conhecida pela série “Rosemary Beach”, e Gayle Forman, que ocupou o primeiro lugar na lista do New York Times com “Se eu ficar”.  A australiana Leisa Rayven, que vendou mais de 150 mil exemplares das obras “Meu Romeu”, “Minha Julieta” e “Coração perverso”, lançará “Mister Romance”, primeiro volume da série “Masters of love”.

O evento conta ainda com Carl Hart – primeiro negro a ser professor titular de neurociência da Universidade Columbia – que lançou “Um preço muito alto” –, e o filósofo italiano Nuccio Ordine – um dos maiores especialistas em Giordano Bruno do mundo, autor de “A utilidade do inútil”. Completam o time o angolano Pepetela – um dos mais aclamados nomes da literatura em língua portuguesa da atualidade, que lançará na Bienal seu novo romance, “Se o passado não tivesse asas” – e o vencedor do Pulitzer e autor de “O Poder do hábito”, Charles Duhigg.