25.4 C
Rio de Janeiro
setembro 23, 2018
  • Home
  • Teatro & Dança
  • ‘Jacques e a Revolução, ou como o criado aprendeu as lições de Diderot’ reestreia no Teatro Glaucio Gill
Featured Teatro & Dança

‘Jacques e a Revolução, ou como o criado aprendeu as lições de Diderot’ reestreia no Teatro Glaucio Gill

Jacques e a revolução - Abílio Ramos e Katia Iunes - Foto: MarQo Rocha
Jacques e a revolução - Abílio Ramos e Katia Iunes - Foto: MarQo Rocha

A cada nova temporada a comédia dramática Jacques e a Revolução ou Como o criado aprendeu as lições de Diderot, de Ronaldo Lima Lins, montagem inaugural da Todo o Mundo Cia de Teatro, dirigida por Theotonio de Paiva, torna-se mais atual. Em sua quinta temporada, a peça estreia no dia 14 de setembro, no Teatro Glaucio Gill, espaço da Secretaria de Estado de Cultura/FUNARJ, em Copacabana, bairro da Zona Sul do Rio, e ficará em cartaz até 8 de outubro, às sextas-feiras, aos sábados, domingos e às segundas-feiras, às 20h.

Jacques e a revolução é uma inspiradíssima comédia dramática, com tintas fortes e diálogos que flertam com a condição humana contemporânea, num mundo atravessado por subornos, apropriação indébita de capital público, zero apreço pelo cidadão, luta das mulheres e intolerância cultural. Tudo isso está lá, na engenhosa dramaturgia de Ronaldo Lima Lins, peça vencedora do Prêmio Maurício Távora – 1989 / Secretaria de Cultura do Estado do Paraná.

Jacques e a Revolução traz em sua narrativa uma arquitetura dramatúrgica que alinha tirania, manipulação, jogos de poder. Sedução e sexo recheiam os diálogos de Jacques, um empregado de segundo escalão, e seu patrão, o Empresário. De conversa em conversa, qualquer sentido de moral desaparece. Jacques conta suas proezas e aprende/ensina com o Empresário. A história, que se passa sem definição de lugar e tempo, poderia ser no Planalto Central, numa empresa pública, agronegócio, enfim, na vida real. Na verdade, a peça foi escrita a pedido do mestre Luís de Lima (1925-2002), ator português notabilizado por sua grandeza na mímica. Ele nunca a encenou. “Luís sugeriu em 1989 que Ronaldo elaborasse um texto para teatro a partir de ‘Jacques, o Fatalista, e seu amo’, de Diderot. A ideia era o centenário da Revolução Francesa estar no centro da peça. O que Ronaldo fez, porém, foi estabelecer um diálogo intenso com a obra do filósofo francês iluminista Denis Diderot”, assinala o diretor e dramaturgo Theotonio de Paiva.

As histórias de Jacques receberam um destaque especial através do humor de Ronaldo Lima Lins. São construções provocadoramente deliciosas que nos trazem à mente acontecimentos ligados a outras épocas: histórias de amor, traições, armadilhas etc. Por outro lado, a peça é recheada de pistas falsas, com espelhamento de situações e de personagens, nos levando a querer saber, de fato, o que é verdade ou mentira.

Assistindo ao espetáculo, somos surpreendidos pela forma vigorosa e desconcertante, com que se desenvolve a conversa entre Jacques e seu patrão, entremeada sempre de sucessivas histórias que relatam um para o outro. É essa mesma conversa que serve de eixo à construção dramatúrgica da peça e do espetáculo, realçado por um elenco harmonioso.

Palavras do diretor: ‘Momento diverso, porém igualmente perturbador’
Theotonio de Paiva, diretor e dramaturgo carioca com mais de 30 anos de trabalho, foi orientando no Mestrado e no Doutorado de Ronaldo Lima Lins. “Dois motivos básicos me levaram a encenarJacques e a revolução: a possibilidade de avançar numa pesquisa de linguagem, dentro de uma perspectiva de um teatro narrativo e a percepção que tive na época – e lá se vão cinco anos! – de que estava diante de um texto teatral, que se revelava como uma expressão incomum, por ser capaz de pensar/refletir sobre as grandes questões contemporâneas de um modo extremamente maduro e desconcertante”, afirma.

E continua: “Apesar de escrito num momento diverso, porém igualmente perturbador (no início do processo de democratização do país, à época da queda do muro de Berlim), o texto parece dialogar mais intensamente com os tempos atuais, como se estivéssemos diante de uma espécie de expressão premonitória das sucessivas crises hegemônicas e representativa dos poderes. Para examinar um conjunto de ideias delineadas pelo iluminista francês, a peça reinaugura questões antigas na dinâmica dos últimos séculos da modernidade”.

O “tema da viagem”, conforme aparece em Diderot, em Jacques e a Revolução, contudo, se concentra num único eixo, no coração de um império econômico, metáfora do próprio sistema. Nessa condição, Jacques e o Empresário passam em revista as suas próprias histórias, ambições e derrotas. O público é colocado diante de uma dialética envolvendo dominador e dominado, na qual há trânsito e alternância de posições. Quem estava por baixo vê-se por cima e vice-versa.

A direção acentua esse jogo de espelhos, numa encenação que exercita o poder da síntese, ao trabalhar com quatro naipes de personagens: dois homens e duas mulheres. Essa composição permite revelar mais claramente o jogo presente no próprio texto, favorecendo uma grande construção dramático-narrativa entre atores e público.

Jacques e a revolução - Abílio Ramos, Patrícia Bello, Marco Hamellin e Katia Iunes - Foto: Flávia Fafiães
Jacques e a revolução – Abílio Ramos, Patrícia Bello, Marco Hamellin e Katia Iunes – Foto: Flávia Fafiães

Jacques e a Revolução ou Como o Criado aprendeu as lições de Diderot é o único texto teatral de Ronaldo Lima Lins, que defendeu sua tese de doutoramento, ‘O teatro de Nelson Rodrigues: uma realidade em agonia’, em 1979, na Sorbonne. O estudo se tornou uma referência sobre o autor de ‘Vestido de Noiva’. Ronaldo Lima Lins é Professor Emérito da Faculdade de Letras da UFRJ, da qual foi diretor por duas vezes. É poeta, ficcionista e autor de livros de ensaio, nos quais elabora reflexões envolvendo cultura, literatura e sociedade. Sua mais recente obra é ‘O Livro e seus algozes’ (Editora Mauad). Recentemente, Carmem Negreiros e Theotonio de Paiva lançaram ‘Ronaldo Lima Lins: criação e pensamento’, coletânea de artigos sobre a obra do escritor (Editora UFRJ).

Acalentada por cinco anos, a montagem já realizou quatros temporadas: Parque das Ruínas (2016), Teatro Ziembinski (2017), Serrador (2018) e Café Pequeno (2018). Artistas de várias gerações compõem a Todo o Mundo Cia de Teatro: os atores Abílio Ramos, Katia Iunes, Marco Aurélio Hamellin e Patrícia Bello, que atuam sob a iluminação de Renato Machado, com a trilha sonora original de Caio Cezar e Christiano Sauer e direção de arte de Marianna Ladeira e Thaís Simões, além da direção de movimento da coreógrafa Carmen Luz.

Serviço: 

Jacques e a Revolução, ou como o criado aprendeu as lições de Diderot, com a Todo Mundo Cia de Teatro, estreia 14 de setembro.

Texto: Ronaldo Lima Lins. Direção: Theotonio de Paiva.Com a Todo Mundo Cia de Teatro. Elenco: Abílio Ramos, Katia Iunes, Marco Aurélio Hamellin e Patrícia Bello.

Sinopse: Comédia dramática, com tintas fortes e diálogos que flertam com a condição humana contemporânea, alinhando tirania,manipulação e jogos de poder em sua narrativa. Sedução e sexo recheiam os diálogos de Jacques, um empregado de segundo escalão, e seu patrão, o empresário. A conversa – amigável e informal, que às vezes resvala para conflituosa – coloca-os em confrontos bem-humorados. Eles passam em revista as suas próprias histórias, ambições e derrotas. Somos colocados diante de uma dialética envolvendo dominador e dominado, como se fosse um destino, no qual há trânsito e alternância de posições.

Teatro Glaucio Gill– Praça Cardeal Arcoverde s/nº, Copacabana (ao lado do Metrô Cardeal Arcoverde) – 2332-7904.

Temporada: 14 de setembro a 8 de outubro de 2018

Dias e horários: Sextas, sábados, domingos e segundas-feiras, às 20h.

Ingressos: R$ 40 (inteira) e R$ 20 (meia).

Duração: 80 minutos.

Classificação: 14 anos.

Vendas online: https://www.ingressorapido.com.br/

FACEBOOKhttps://www.facebook.com/jacquesearevolucao/

Ficha Técnica

Texto: Ronaldo Lima Lins | Direção e dramaturgia: Theotonio de Paiva | Atores: Abílio Ramos, Katia Iunes, Marco Aurélio Hamellin e Patrícia Bello | Trilha sonora original: Caio Cezar e Christiano Sauer | Direção de arte: Marianna Ladeira e Thaís Simões | Direção de movimento: Carmen Luz | Iluminação: Renato Machado | Design gráfico: Nicholas Martins | Fotos de divulgação: MarQo Rocha e Flávia Fafiães | Assessoria de imprensa: Valéria Souza | Auxiliar administrativo: Bruna Mota | Direção de produção: Katia Iunes | Realização: Todo o Mundo Cia de Teatro | Produção: Nonada – Arte e cultura contemporânea.

Posts relacionados

Roteiro para comemorar o Dia da Cachaça

Redação

Zélia Duncan apresenta seus maiores sucessos em show intimista no Teatro da Caixa Nelson Rodrigues

Redação

Sesc apresenta “O condomínio”, uma trama policial com tons kafkianos

Redação

Deixe um comentário