Iniciadas as obras de reconstrução do Museu da Língua Portuguesa

Na área externa da Estação da Luz já é possível ver os andaimes utilizados no restauro das fachadas e esquadrias da Estação da Luz

A reconstrução do Museu da Língua Portuguesa acaba de ser iniciada, um ano após o incêndio que consumiu parte do Edifício da Estação da Luz, com a restauração das fachadas e esquadrias. As intervenções dessa etapa, com duração de doze meses, vão restabelecer a ambiência arquitetônica, com o restauro das quatro fachadas do prédio atingidas pelo incêndio, bem como a recuperação e reconstrução das esquadrias de madeira atingidas pelo incêndio. O projeto de restauração das fachadas e esquadrias foi aprovado pelos três órgãos do patrimônio histórico – Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan); Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico (Condephaat), órgão de âmbito estadual; e Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo (Conpresp).
 
Em paralelo à restauração das fachadas e esquadrias, já estão em desenvolvimento o projeto da estrutura da cobertura, de climatização, elétrica, hidráulica e combate a incêndio, revestimento da cobertura em zinco e consultoria ambiental – o projeto foca na obtenção do selo LEED (Leadership in Energy and Environmental Design), certificação para construções sustentáveis, concebida e concedida pela Organização não governamental americana U.S. Green Building Council (USGBC). As obras serão realizadas até dezembro de 2018. Já a implantação da museografia tem início em 2018, com previsão de conclusão até março de 2019. A data de inauguração só será definida após a conclusão dos projetos.

Toda a reconstrução do Museu da Língua Portuguesa será baseada no projeto original, aprovado pelos órgãos reguladores na época da inauguração do Museu, em 2006. Serão contempladas, ainda, adaptações relativas à adequação às mudanças na legislação e à experiência de uso do prédio durante seus dez anos como museu. O arquiteto Pedro Mendes da Rocha, que desenvolveu o projeto original do Museu da Língua Portuguesa junto com Paulo Mendes da Rocha, é responsável pelas adaptações necessárias no projeto de arquitetura.

O custo total da reconstrução está estimado em R$ 65 milhões. O valor de investimento da iniciativa privada é de R$ 36 milhões, em até 4 exercícios, que se somam aos R$ 34 milhões da indenização do seguro contra incêndio. Do montante total reunido, R$ 3 milhões já foram investidos nas ações emergenciais; e R$ 2 milhões serão destinados para contribuir com o primeiro ano de manutenção do Museu.

O Museu da Língua Portuguesa é uma iniciativa do Governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria de Estado da Cultura, concebido e realizado em parceria com a Fundação Roberto Marinho. Tem como patrocinador máster a EDP, patrocinadores Grupo Globo e Grupo Itaú e apoio do Governo Federal, por meio da lei federal de incentivo à cultura. O IDBrasil é a organização social responsável pela gestão do Museu.

Histórico da reconstrução
Apenas 48 horas após o incêndio, foram iniciadas as ações emergenciais na Estação da Luz e no Museu da Língua Portuguesa, com o objetivo de preservar o conjunto arquitetônico, protegendo as áreas descobertas das chuvas e retirando os escombros. Dentre elas, a impermeabilização das lajes expostas, instalação de sistemas de drenagem e construção de uma cobertura provisória, além da limpeza de equipamentos e mobiliário.

Em janeiro de 2016, foi firmado convênio entre a Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo, a Fundação Roberto Marinho e a organização social IDBrasil, com o objetivo de reconstruir o Museu da Língua Portuguesa. A Fundação Roberto Marinho, instituição ligada ao Grupo Globo, responsável pela criação original do Museu da Língua Portuguesa, é a responsável pela execução das obras de reconstrução, restauro e reinstalação, incluindo atualizações museográficas, com colaboração da Secretaria da Cultura do Estado e do IDBrasil.

Em março, o Governo do Estado de São Paulo e a Fundação Roberto Marinho deram início a uma articulação junto à iniciativa privada para apoiar a reconstrução. A aliança solidária foi realizada com o apoio da Granito & Partners, e resultou nos patrocínios firmados com a EDP, Grupo Globo e Grupo Itaú.

Três meses depois, foi realizado na Pinacoteca de São Paulo um seminário aberto ao público, com participação de profissionais envolvidos na criação e operação do Museu, com o objetivo de debater as conquistas e os caminhos para sua reconstrução, após o incêndio de dezembro de 2015. Ao longo de todo ano de 2016, o IDBrasil realizou atividades educativas e exposições itinerantes em São Paulo.

Em 12 de dezembro de 2016, o Governo do Estado de São Paulo e a Fundação Roberto Marinho anunciaram a consolidação da aliança solidária em prol do Museu da Língua Portuguesa. A EDP é patrocinador máster. E Grupo Itaú e o Grupo Globo são patrocinadores do Museu, que contará ainda com apoio da Lei Federal de incentivo à Cultura.