“Hominus Brasilis” no Teatro Dulcina

Após se apresentar na China, comédia física da Cia de Teatro Manual volta ao Rio para celebrar três anos em cartaz

Hominus Brasilis - Foto: Jaqueline Sapim
Hominus Brasilis - Foto: Jaqueline Sapim

“Hominus Brasilis”, espetáculo de estreia da Cia de Teatro Manual, acaba de completar três anos em cartaz com uma trajetória bem sucedida que inclui apresentações em festivais teatrais nos Estados Unidos (Chicago\2016), Argentina (Buenos Aires\2017) e mais recentemente na China (Beijing\2017). No Brasil, já somam mais de 200 apresentações e 9 mil espectadores em passagem por teatros do Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, Paraná e Maranhão. Para celebrar a data, a montagem que, em 2014, foi indicada aos Prêmios Shell de Melhor Direção e Cesgranrio na categoria Especial pelo estudo sobre o Espaço Cênico através da Plataforma, volta aos palcos cariocas para uma curta temporada dentro da programação da Mostra 3º Sinal, da Cia PeQuod, no Teatro Dulcina, de 06 a 17 de dezembro, com sessões de quarta a domingo, sempre às 19h.

Segundo o crítico Rodrigo Monteiro, “Hominus Brasilis talvez lembre um dos motivos pelos quais o teatro é uma arte tão antiga e tão importante para a humanidade. No melhor da sua essência, é sempre uma arte do encontro entre alguém que interpreta com alguém que assiste de forma que todo o resto fica em segundo plano”. Para Lionel Fisher, crítico e jurado dos Prêmios Cesgranrio e APTR, “Em função da imensa criatividade dos atores no que concerne à materialização de imagens e dos sons que as acompanham, da permanente alternância entre humor, poesia e dramaticidade, o resultado é absolutamente encantador, o que demonstra as infinitas possibilidades de expressão que o teatro permite”.

Com dramaturgia, concepção e direção da Cia de Teatro Manual, “Hominus Brasilis” conta a história da humanidade de uma forma nunca antes vista. A partir de detalhada pesquisa através da trajetória do homem no mundo, o grupo de quatro atores – Helena Marques, Matheus Lima, Dio Cavalcanti e Camila Nhary – utiliza corpo e sonoplastia vocal, ao vivo, para contar episódios marcantes da História. Desde o Big Bang até hoje em dia, a montagem pincela grandes momentos da humanidade e convida o espectador a se emocionar com o surgimento da vida, a extinção dos dinossauros, a expansão marítima da Europa, as grandes guerras e também eventos que marcaram a história brasileira, como a chegada dos portugueses, a escravidão, a ditadura militar e a repentina morte do ex-piloto Ayrton Senna. O conturbado momento político do Brasil refletiu na montagem que está em constante atualização. Fatos como o impeachmant, panelaços, manifestações na rua e corrupção entraram na dramaturgia.

O espetáculo aplica uma linguagem cênica inédita no Brasil: todas as cenas acontecem sobre uma pequena plataforma retangular de 2m x 1m. Não há cenário nem adereços. Apenas com o corpo e vozes, e sem a ajuda de outros recursos cênicos, o espetáculo apresenta um olhar irreverente e criativo sobre nossa trajetória.

Impulsionados pela boa caminhada de “Hominus Brasilis”, a companhia de Teatro Manual está em processo de montagem do segundo espetáculo, com estreia prevista para 2018. Dirigido por Marcela Andrade, “Sapatos Vermelhos”, inspirado no conto homônimo de Hans Christian Andersen, trata dos conflitos entre desejos, vontades, vocações, sobre ser a mistura do que realmente somos com o que o mundo exige que sejamos. A Cia segue a mesma linguagem da fisicalidade, da mímica, da pantomina, do teatro de imagens, da narrativa visual como impulsos para a criação cênica, mas o espetáculo não acontecerá propriamente na plataforma de 2m², como em Hominus Brasilis. Os atores irão utilizar importantes ferramentas que a plataforma oferece (como o jogo com múltiplas possibilidades de ritmos, espaços, tempos) para aprofundar sua pesquisa nesta estética e, principalmente, sua fusão com a história de Christian Andersen.

Serviço

Hominus Brasilis
Temporada: 06 a 17 de dezembro.
Dia\hora: quarta a domingo às 19h
Local: Teatro Dulcina
Endereço: Rua Alcindo Guanabara, 17, Centro (metrô Cinelândia)
Valor: R$30\R$15
Faixa etária: 12 anos
Capacidade: 200 pessoas
Telefone: 2240-4879
Duração: 60 minutos

Ficha Técnica
Idealização: Cia de Teatro Manual (Dio Cavalcanti, Helena Marques, Matheus Lima e Patrícia Ubeda)
Dramaturgia, Concepção e Direção: Cia de Teatro Manual
Supervisão de Cena: Julio Adrião
Elenco: Dio Cavalcanti, Helena Marques, Matheus Lima, Camila Nhary
Stand in: Mariana Fausto 
Iluminação: Gustavo Weber
Figurino: Camila Nhary
Programação visual: Thaís Gallart
Fotos: Jacqueline Sampin
Operação de Luz: Julia Faria
Produção: Pagu Produções Culturais
Realização: Cia de Teatro Manual