20.5 C
New York
junho 26, 2019
Música

Hate Moss sintetiza indie, pós-punk e electroclash em álbum “Live Twothousandhatein”, gravado em apenas uma tomada em Florença

Hate Moss por Eleonora Rossi
Hate Moss por Eleonora Rossi

Álbum do duo ítalo-brasileiro sai pelos selos Stock-a Arts and Records (Reino Unido) e Discos Rebeldes (Argentina/México) e também estará disponível em vinil

Em uma visceral sessão de estúdio em Florença, na Itália, o duo Hate Moss construiu seu álbum de estreia em uma só tomada, gravando os instrumentos ao vivo. O resultado é “Live Twothousandhatein”, registro intenso que encapsula a sonoridade indie, pós-punk e electroclash, mesclada a música brasileira e italiana em clima experimental já revelada nos singles e clipes “Honey”, “Evil” e “Londres”. Coincidindo com a chegada do álbum a todas as plataformas de streaming por meio dos selos Stock-a Arts and Records (Reino Unido) e Discos Rebeldes (Argentina/México), “Honey” também ganha um vídeo ao vivo gravado no Relaxo Studio como parte da série Hidden Session. Em breve, o disco também será disponibilizado em vinil.

Ouça “Live Twothousandhatein”: http://smarturl.it/HateMossAlbum

Radicados em Londres, Tina e Ian Carvalho mesclam letras em inglês, português, italiano e espanhol para compartilhar uma visão de mundo plural. Formado por uma italiana e um ítalo-brasileiro, eles unem suas raízes em canções que misturam um clima descontraído e despretensioso, ao mesmo tempo que mantém a intenção de fazer pensar.

“Esse é o primeiro álbum da banda, vai mostrar para o público quem somos. A nossa ideia é mostrar também o nosso lado irônico além da parte mais dark, digamos. Ele nasceu como um álbum solo meu e depois se transformou, através de re-arranjos eletrônicos, no álbum da Hate Moss, então tem uma veia muito biográfica. As letras são poesias (ou gostariam de ser) escritas nas línguas que falamos e contam histórias e pontos de vistas. Falam mais através de sensações que sentimentos. É uma análise do que está à nossa volta. Tem críticas, tem ideias e sobretudo tem muitas perguntas”, reflete Ian.

Dividindo vocais, bateria e elementos eletrônicos, Ian e Tina começaram o projeto em 2018 com o single e clipe “Honey”. O lançamento abriu portas para uma turnê por várias cidades do Brasil, indo de Florianópolis até Goiânia, passando por Rio e São Paulo. Além disso, se apresentaram no Locomotiva Festival, dividindo palco com nomes como Rakta e Boogarins.

Em seguida, o Hate Moss embarcou para uma turnê pela Itália  que passou por Roma, Arezzo e Florença, onde se apresentou na Florence Tattoo Convention. Foi na histórica cidade italiana que o duo gravou seu disco de estreia. O repertório une composições iniciadas há 10 anos com inspirações instantâneas que se tornaram canções em menos de 10 minutos. Talvez por isso sejam um somatório de momentos e memórias colecionados ao longo de turnês, viagens e shows.

Assim que a tracklist se materializou, o processo foi rápido. Em uma só sessão, o duo gravou boa parte do trabalho no Relaxo Studio ao lado de amigos músicos, complementando com algumas partes e instrumentos registrados também no Brasil e na Inglaterra. O tempo parece ter sido o grande catalisador a estreia do Hate Moss.

“‘Live Twothousandhatein’ é um título bizarro. Esse ano de 2018 foi quando começou o projeto, mas também mostrou como a ignorância leva as pessoas a produzir um ódio que fortalece os que estão no poder, fabricando un círculo vicioso e deletério. Essa é a linha temática que junta cada música e leva o ouvinte a se divertir enquanto se pergunta ‘o que está acontecendo?’ Essa era a nossa ideia: divertir o público, mas deixando-o também com a cabeça cheia de perguntas. Isso fazem bem os melhores comediantes – e nós, afinal, somos também palhaços”, analisa Ian.

Para 2019, a banda reserva o começo da sua turnê com shows marcados na Espanha, Portugal, Itália, Reino Unido, Turquia, México e Brasil. A Hate Moss se apresentará em algumas cidades brasileiras no começo do segundo semestre. As informações da turnê serão divulgadas em breve.

Ouça “Live Twothousandhatein”: http://smarturl.it/HateMossAlbum

Assista a “Honey” (Hidden Session): https://youtu.be/Gm5ftJ6KzBk

Ficha técnica:
Disponível e vinil 12”, fabricado por Cyclone Music Productions. Lado
Todas as faixas compostas e produzidas por Hate Moss
Gravado por Andrea Nardoni e Alessandro Bianchi no Relaxo Studio (Florença, Itália)
Mixagem e engenharia de som por Mauro Polito no Fine Arts Studios

Alessandro Bianchi (Guitarra: Londres/Dis Pater), Antonio Cavaliere (Baixo: Londres), Lorenzo Lovasco (Baixo: Funerale), Lorenzo Becattini (Baixo: Dis Pater), Fabiano Benetton (Baixo: Like Me), Mauro Polito (Synth/programações), Uberto Rapisardi (Órgão e Therevox: Funerale/Like Me/Dis Pater), Thiago Jorge (Guitarra: Mirror), Lupo (vox: Hanged Man), Masha (vox: Hanged Man).

Lançado por Discos Rebeldes e Stock-A em 2019.

Tracklist:

Lado A:
Hanged man
Funerale
Evil
Dis Pater
The time you remake
Mirror (part one)

Lado B:
Mirror (part two)
Londres
Like me
Honey

Siga Hate Moss:

http://www.hatemoss.com

https://www.facebook.com/hatemoss

https://www.instagram.com/hatemossband/

Posts relacionados

Após temporada europeia, Bianca Gismonti homenageia o pai no Manouche

Redação

Blues Etílicos no Teatro Rival Petrobras

Redação

Terreirão recebe Reinaldo, Grupo Arruda e a Velha Guarda da Mangueira

Redação

Jorge Drexler no Teatro Riachuelo

Redação

Valéria Lima no show “Fascinação por Nana” no Teatro Rival Petrobras)

Redação

Natura Musical apresenta “Veia Nordestina I”, novo trabalho de Mariana Aydar

Redação

Deixe um comentário