Grupo Gestopatas apresenta o espetáculo “Pareidolia – depois do fim” no Centro Cutlural Justição Federal, no Centro do Rio

Pareidolia – depois do fim mescla linguagens das Formas Animadas, do Teatro Gestual, da Dança e da Percussão para abordar um contexto pós-apocalíptico do mundo, no qual habitam apenas seres “mutantes” e restos de objetos que insistem em se recriar para que a vida se perpetue, ainda que em contextos áridos e muito pouco propícios. A peça estreia dia 23 de agosto no Centro Cultural da Justiça Federal com sessões as quartas e quintas, às 19h.

Quatro intérpretes – atores, músicos e bailarinos – levam à cena máscaras teatrais e bonecos formados a partir da junção de objetos de uso cotidiano, elementos que “restaram” dentro do contexto abordado, e que são ressignificados durante da encenação. A direção é de Cecilia Ripoll, também responsável pelas montagem e dramaturgia de Paco e o Tempo.

Ao longo do espetáculo, os intérpretes também exploram a união de corpos de modo a sugerir a formação de rostos gigantes, fazendo jus ao título do trabalho. Vale explicar que “pareidolia” é um fenômeno psicológico conhecido por fazer as pessoas reconhecerem imagens de rostos humanos ou animais em objetos, sombras, formações de luzes e em qualquer outro estímulo visual aleatório.

O trabalho alia refinamento de pesquisa de linguagem com comunicação direta com seu público, seja através do humor, seja através de seu forte apelo imagético. 

Pareidolia – depois do fim é resultante de uma pesquisa iniciada em 2014, tendo como foco principal o desenvolvimento da linguagem das Formas Animadas, especialidade do Grupo Gestopatas, que lhe rendeu Indicação ao III Prêmio CBTIJ nessa categoria, em seu mais recente trabalho, Paco e o Tempo.

O espetáculo já realizou diversas apresentações “work in progress”, tendo inclusive recebido o Prêmio Viva o Talento! (Prefeitura do Rio) para uma das edições de mostra do processo no Centro Coreográfico do Rio de Janeiro. Agora o trabalho tem sua estreia oficial marcada para o dia 17 de agosto, em temporada com nove apresentações.

Sinopse
Quatro intérpretes criadores mesclam as linguagens da manipulação de formas animadas, do teatro gestual, e da percussão corporal para dar vida, em cena, a máscaras e bonecos – construídos a partir de objetos de uso cotidiano. Pareidolia- depois do fim aborda um contexto pós-apocalíptico do mundo, no qual habitam apenas seres “mutantes” e restos de objetos que insistem em se recriar para que a vida se perpetue, ainda que em contextos áridos e muito pouco propícios. Direção e dramaturgia de Cecilia Ripoll.

Ficha Técnica
Direção e Dramaturgia: Cecilia Ripoll
Intérpretes criadores: Ademir de Souza, Jan Macedo, Julia Pastore e Tania Gollnick
Cenário: Ademir de Souza e Cecilia Ripoll
Figurinos: Tania Gollnick
Direção Musical: Ademir de Souza e Julia Pastore
Desenho de Luz: Pedro Struchiner
Máscaras e Bonecos: Ademir de Souza
Assistência de Direção: Aline Sampin
Comunicação Visual: Bruna Franco e Daniel Reis
Assistência de Produção: Renata Batista
Produção: André Roman 
Idealização: Grupo Gestopatas
Realização: Grupo Gestopatas e AR Produções

Serviço
Tempo de Duração: 55 minutos
Classificação etária: 12 anos
Local: Centro Cultural da Justiça Federal (Cinelândia)
De 23 de Agosto a 14 de Setembro
Quartas e quintas-feiras, às 19h
Ingressos: R$ 40 (inteira) e R$ 20 (meia)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.