24.2 C
Rio de Janeiro
outubro 21, 2018
Música

Gonzaguinha: O Eterno aprendiz no Teatro dos Grandes Atores

Rogério Silvestre
Rogério Silvestre

Depois de uma super bem-sucedida temporada no Centro da cidade, no Teatro João Caetano, na Praça Tiradentes, onde foram aplaudidos por quase 10.000 espectadores em 13 apresentações onde 7 delas, tiveram LOTAÇÃO ESGOTADA, o musical “GONZAGUINHA: O ETERNO APRENDIZ”, que é uma versão poética da vida e da obra do cantor e compositor Gonzaguinha, com o ator Rogério Silvestre, os cantores Paulo Francisco ‘Tutuca’, Bruna Moraes e Nathallie Alvin e os músicos Rafael Toledo (Guitarra, violão e voz),  Alcione Ziolkowski (bateria), Omar Fontes (teclados), Buga Júnior (sax, flauta e cavaquinho) e Dudu Dias (baixo), voltará em cartaz no dia 12 de outubro/2018, no Teatro dos Grandes Atores (Av. das Américas 3.555 – Shopping Barra Square – Barra da Tijuca – Tel. 3325-1645) para apenas 3 semanas, com apresentações as 6asf e sábados 21h e domingos 19h, em curtíssima temporada, somente até o dia 28/10/2018, com ingressos aos preços de R$ 60,00 (6af e domingo) e R$ 70,00 (sábado).  50% de desconto para estudantes, jovens até os 21 anos e acima de 60 anos.

O espetáculo mostra a história de um dos maiores compositores e intérpretes brasileiros, em uma obra que reúne artes cênicas e música.

São 16 canções assinadas pelo próprio Gonzaguinha – “Explode Coração”, “Recado”, “Começaria Tudo Outra Vez”, “Moleque”, “Sangrando”, “O Que é o Que é?”, “Ponto de Interrogação”, “Eu Apenas Queria Que Você Soubesse”, “Com a Perna no Mundo”, “Grito de Alerta”, “De Volta ao Começo”, “Palavras”, “É”, “Diga Lá, Coração”, “Espere por Mim, Morena” e “Vamos a Luta” – que misturam xote, samba, baião e música romântica que foram gravadas pelos maiores nomes da nossa MPB, como Maria Bethânia, Elis Regina, Simone, Raimundo Fagner, Ângela Maria, Cauby Peixoto  e o próprio Wagner Tiso que na última apresentação do espetáculo no Teatro João Caetano, no domingo, dia 30/09, homenageou a cantora Angela Maria, tocando ao teclado a canção “Começaria Tudo Outra Vez” que foi gravada por ela e seu maior parceiro musical, Cauby Peixoto, em 1991.

Com o intuito de preservar a memória desse ícone da MPB, o espetáculo apresenta passagens da vida do artista que iniciou sua trajetória na década de 60 em meio aos tropeços da ditadura militar e seguiu cantando seus amores e anseios pela vida.

Como bem disse o crítico do jornal O Globo,  Leonardo Bruno: “Gonzaguinha é um personagem que gera um fascínio impressionante. Morto aos 45 anos, em 1991, deixou obra extensa e alinhada com os anseios de sua geração, mas que ainda encontra eco quase três décadas depois — prova disso é que, nos últimos seis anos, sua figura virou peça de teatro, filme/série, enredo de escola de samba e ganhou homenagem no Prêmio da Música. O musical “Gonzaguinha — O eterno aprendiz”, demonstra profunda admiração e respeito pela obra e pelo artista.

A concepção de Kleber Lincoln e Amaury Vieira propõe dois espetáculos independentes: em um deles, um ator vive Gonzaguinha em monólogo; no outro, três cantores e uma banda revivem os sucessos do compositor.

O espetáculo ganha com a entrada em cena da banda, que relembra com competência o inspirado repertório de Gonzaguinha. Os cantores Rafael Toledo e Paulo Francisco Tiso conseguem bons momentos de comunicação com a plateia, mas é a voz de Bruna Moraes que eleva a eletricidade no palco. A ela coube tarefa desafiadora: reler canções que ficaram marcadas nas interpretações de Elis Regina e Maria Bethânia. A cantora mostra presença de palco e sobressai como o grande destaque do musical.

A intenção de homenagear Gonzaguinha é louvável, e a execução de seu repertório já garante momentos de catarse. “Gonzaguinha — O eterno aprendiz” é bem-sucedido como um show-tributo ao compositor.”

Certamente, GONZAGUINHA: O ETERNO APRENDIZ merece ser visto e revisto pelos fãs do Gonzaguinha, pelos fãs dos grandes musicais e, principalmente, pelos amantes do bom teatro.

GONZAGUINHA: O ETERNO APRENDIZ.
Concepção do espetáculo: Dr Kleber Lincoln e Maestro Amaury Vieira.
Texto: Gildes Bezerra.
Com o ator Rogério Silvestre, os cantores Paulo Francisco ‘Tutuca’, Brunna Moraes e Nathallie Alvin e os músicos Rafael Toledo (Guitarra, violão e voz),  Alcione Ziolkowski (bateria), Omar Fontes (teclados), Buga Júnior (sax, flauta e cavaquinho) e Dudu Dias (baixo)
Diretor Musical: Rafael Toledo.
Diretor Teatral: Breno Carvalho.
Produção, Assessoria de Imprensa e Marketing: João Luiz Azevedo
Realização: Boca Fechada Produções Artísticas e Rogério Silvestre Produções.

Teatro dos Grandes Atores

Av. das Américas 3.555 – Shopping Barra Square – Barra da Tijuca – Tel. 3325-1645.
De 12 a 28 de Outubro 2018
Sextas e Sábados 19h e Domingos 18h
Preço dos ingressos: R$ 60,00 (6af e domingo) / R$ 70,00 (sábados)
* Meia Entrada para estudantes, jovens até 21 anos e acima de 60 anos e assinantes do Jornal O Globo)
Tempo de duração: 80 minutos
Limite: Livre

Posts relacionados

Rock in Rio anuncia primeiras atrações

Redação

Urca Bossa Jazz faz show no J Club em homenagem aos 60 anos de Bossa Nova

Redação

Evandro Mesquita reúne seleção de craques da música para celebrar os 50 anos doTeatro Ipanema

Redação

Deixe um comentário