25.4 C
Rio de Janeiro
setembro 23, 2018
  • Home
  • Música
  • Getúlio Côrtes em “As Histórias de Getúlio Côrtes”
Música

Getúlio Côrtes em “As Histórias de Getúlio Côrtes”

Hitmaker da Jovem Guarda, lançou o primeiro disco este ano, aos 80 de vida

Roberto Frejat, Gerson King Combo, Max Sette, Luellem de Castro, Mônica Ávila e Kátia Preta participam do show 

Sou Negro Sim! Mas ninguém vai rir de mim! A frase, criada por Getúlio Côrtes nos anos 1970 e eternizada na voz de Toni Tornado, virou praticamente um emblema da música soul produzida no Brasil e muito bem conduzida pelo seu irmão Gerson King Combo em apoteóticas – e raras – performances. Gerson King Combo será um dos participantes do show lançamento do primeiro disco de Getúlio Côrtes (o autor de ‘Negro Gato’) “As Histórias de Getúlio Côrtes” no dia 4 de setembro, às 19h30, no Teatro Rival Petrobras, na Cinelândia. Outros convidados são Roberto Frejat, Max Sette, Luellem de Castro, Mônica Ávila e Kátia Preta.

E aos 80 anos de idade, “As Histórias de Getúlio Côrtes” é o primeiro álbum do compositor, que ficou conhecido na voz de Roberto Carlos em sucessos como “Negro Gato”, “Pega Ladrão”, “O Sósia”, “Quase Fui lhe Procurar”, gravados pelo “rei” Roberto Carlos e por nomes como Luiz Melodia, Erasmo Carlos, Reginaldo Rossi, Marisa Monte e outros, ao longo de décadas. O disco traz versões inéditas de músicas conhecidas, com pegada indie-rock, feitas pelos músicos Marcelo Callado (Do Amor, Banda Cê), Benjão (Abayomi Afrobeat Orchestra), Melvin (Carbona, Acabou La Tequila) e o próprio André Paixão.

Aliás, basta uma conversa com Getúlio para constatar de onde vieram suas letras, ou seja, de suas próprias experiências e viagens pela vida. Por exemplo, muitos pensam que “Negro Gato” foi composta como forma de protesto aos menos privilegiados. Porém, a letra surgiu de um simples caso rotineiro: durante meses, Getúlio foi importunado por um gato que frequentava o forro do telhado de sua casa. As noites de insônia decorridas por conta da presença do hóspede não convidado serviram de mote para o seu maior sucesso, regravado até pelo MC Leozinho.

Lançado nas plataformas através do selo Super Discos (André Paixão) e é distribuído fisicamente via Discobertas, de Marcelo Fróes, diretor artístico do disco, o espetáculo de lançamento contará com nomes de peso, como Frejat.  “Conheci o Frejat durante uma homenagem ao Luis Melodia no Circo Voador. Cantamos ‘Negro Gato’ juntos e foi inesquecível!”, lembra.

Uma das surpresas da noite no Teatro Rival Petrobras será a participação da atriz e cantora Luellem de Castro, que interpreta a Tassília em “Malhação – Vidas Brasileiras”. Outra novidade desse show é a inserção de um bloco inteiro de black music recheado de composições suas com King Combo. “Uma vez, o Raul Seixas, que era diretor artístico da gravadora CBS, me pediu para escrever uma letra bem bobinha onde nada fazia sentido. Chutei o balde e mandei uma bizarrice. Mas ele acabou adorando e lançou por Tony e Frankie”.

“Patati Patata” é uma das seis canções programadas para o momento mais dançante do show. É nesse momento que os metais de Max Sette e Rodrigo Sha se farão presentes, sendo que este último gravou um sax barítono em “Negro Gato”, segunda faixa do disco, todo feito por músicas de Getúlio Côrtes.

A direção do show terá a assinatura do Bernardo Vilhena, que tem forte ligação com a música de Getúlio: “Ele sempre demonstrou uma afinada intuição para detectar o gosto musical da juventude. Getúlio é único. Não cabe em definiçõesEle não foi só um cara da Jovem Guarda. Getúlio foi um dos pioneiros da Black Music no Brasil. Na música e na letra. Negro Gato, seu sucesso eterno, é um clássico da MPB”, diz o poeta e escritor.

Hitmaker da Jovem Guarda
Getúlio é figura querida por muitos intérpretes. Só que ele nunca teve um disco dele, como ‘O artista’. O interessante é que fugimos da estética antiga, datada, mais esperada para um disco com músicas que foram gravadas há tanto tempo por outros nomes, mas sem perder a essência de cada uma delas”, explica André Paixão.

Para o produtor, “aos 80 anos, Getúlio está cantando o fino e é um grande contador de histórias, como as da época em que era diretor-assistente do Carlos Manga na Globo; ou como o Roberto Carlos o descobriu nos corredores de um estúdio; quando foi confundido com o Jorge Ben numa blitz e se safou; cada música tem uma história curiosa ou inocente por trás”, completa.

É essa a dinâmica do compositor, na qual cada música retrata uma história banal, corriqueira, porém com o viés bem-humorado e malandro, será percebida no show do dia 4 de setembro, no Teatro Rival Petrobras.

Escute aqui:  https://www.superstudio.com.br/getuliodisco

Vídeo Release: https://www.dropbox.com/s/c50r2vbyztq13r9/VideoRelease1.mp4?dl=0

Ficha técnica show:
Getúlio Cortes – voz e coros
Helvécio Parente – piano, sintetizador e orgão
Marcelo Callado – bateria e voz
Gustavo Benjão – guitarra e voz
Melvin – baixo e voz
André Paixão – guitarra e voz

Convidados especiais:
Roberto Frejat, Gerson King Combo, Max Sette, Luellem de Castro, Mônica Ávila e Kátia Preta. 

Serviço

Teatro Rival Petrobras – Rua Álvaro Alvim, 33/37 – Centro/Cinelândia – Rio de Janeiro. Data: 04 de setembro (Terça). Horário: 19h30. Abertura da casa: 18h. Ingressos: Setor A – R$ 60,00 (inteira), R$ 30,00 (meia-entrada) | Setor B – R$ 50,00 (Inteira), R$ 35,00 (Promoção para os 100 primeiros pagantes), R$ 25,00 (meia-entrada). Venda antecipada pela Eventim –http://bit.ly/Ingressos2z0P23jBilheteria: Terça a Sexta das 13h às 21h | Sábados e Feriados das 16h às 22h Censura: 18 anos. www.rivalpetrobras.com.br. Informações: (21) 2240-9796. Capacidade: 350 pessoas. Metrô/VLT: Estação Cinelândia.

*Meia entrada: Estudante, Idosos, Professores da Rede Pública, Funcionários da Petrobras, Clientes com Cartão Petrobras e Assinantes O Globo

Posts relacionados

Andrea Ferrer apresenta o show “Versos e Reversos do Amor”no Beco das Garrafas

Redação

Sorriso Maroto apresenta no Km de Vantagens Hall show com retorno de Bruno Cardoso aos vocais

Redação

Amorym faz show ’60 Anos da Bossa Nova’, no Solar Botafogo

Redação

Deixe um comentário