31.5 C
Rio de Janeiro
novembro 15, 2018
Música

Garcia Gang

Garcia Gang - foto: Tháysa Barbosa
Garcia Gang - foto: Tháysa Barbosa

Aori Anaga, Ainá Garcia, Hodari, Aisha e Yaminah são os nomes que já sacodem a cena urbana nacional e a internet, e que agora se uniram para levar a arte e a ancestralidade africana através de uma salada de ritmos como o afrobeat, rap, r&b, funk e trap na festa “Garcia Gang”, que acontecerá na sexta-feira, dia 10 de Agosto, na Casa Ganjah na Lapa no Rio de Janeiro.

Para entender a importância dos cinco integrantes deste projeto artístico é preciso conhecer a origem desta família. Todos os artistas do quinteto são netos de um dos casais mais importantes para a cultura afrobrasileira: Lydia Garcia e Willy Mello. Lydia é carioca e foi a primeira professora de música da rede pública do Distrito Federal e Willy Mello, conhecido como OluMello, também, nasceu no Rio de Janeiro mas foi para Brasília em 1958, onde o artista plástico e desenhista de arquitetura, trabalhou com Oscar Niemeyer. Do fruto desta relação nasceram Kenya, Mali, Ialê, Kwame e Luena. Foi a partir daí que a família que já militava pelas causas dos afrobrasileiros iniciou uma dinastia de nomes africanos e as gerações que se sucederam acompanham a tradição. A valorização da cultura e da estética africana sempre fizeram parte da educação desta família, que serve de exemplo e de referência para tantos brasileiros.

O chamado a ancestralidade começou cedo para todos os integrantes deste quinteto musical. A primeira geração de netos dos Garcia começou com o Aori, 39 anos, conhecido também como MC Lapa, que foi um dos precursores da cultura HipHop na cidade do Rio de Janeiro e é tido como uma entidade do Rap nacional por suas músicas no Inumamos e por ter criado a lendária Batalha do Real, evento importante para o rap brasileiro, que abriu portas para diversos nomes como Emicida. Ainá Garcia, 35 anos, viveu a chegada do rap nas ruas cariocas durante a sua adolescência, fez parte do grupo intitulado “Anfetaminas” e recentemente lançou seu single “ BSNC” que mostra que as mulheres negras podem ser o que e quando quiserem. A geração seguinte começou com o músico e multi instrumentista Hodari, 27 anos, que nasceu em Brasília mas que absorveu muito conhecimento musical durante as suas férias no bairro boêmio da Lapa. Aisha, 20 anos e Yaminah, 21 anos, são DJ`s e dançarinas, ambas se destacam por apresentarem sets  repletos de músicas afrofuturistas em suas performances.

A festa contará com a participação especial do rapper Akira Presidente – FA7HER, que se destaca no cenário musical principalmente para a nova geração de fãs deste estilo musical rap, por seu selo Pirâmide Perdida que tem lançado diversos nomes do segmento e por suas parcerias com Marcelo D2. O show na Lapa , bairro base da família na cidade, é o primeiro desta turnê que seguirá para Brasília, São Paulo e Salvador nos próximos meses.

Sobre os artistas:

Aori: https://g.co/kgs/5F9qkj
Ainá: https://www.youtube.com/watch?v=kd0uVc68QJY
Hodari:  https://www.youtube.com/watch?v=90L-W0RNqI8
https://www.youtube.com/watch?v=N3uMicN86jY
https://www.vice.com/pt_br/article/43pn5w/o-hodari-e-inevitavelmente-artista
https://twitter.com/MariliaMReal/status/1023995485084889093
Aisha e Yaminah: https://www.instagram.com/aishambikila/?hl=pt-br
https://www.instagram.com/yaminaheixo/?hl=pt-br

Serviço:

Garcia Gang 

Atrações: Ainá / Aori / Hodari / Aisha / Yaminah
Participação especial: Akira Presidente
DJs convidados: Kenny/\ e M$E
Local: Garcia Gang – R. do Rezende, 82 – Centro, Rio de Janeiro.
Horário: A partir das 20 horas.
Ingressos: R$10,00 antecipado e após as 00h R$20,00.

Posts relacionados

Ivan Lins e Trio, com entrada franca no Espaço Furnas Cultural

Jorge Rodrigues

Projeto Deu Samba com Rodrigo Drade

Redação

Festival #voltaMOTIM fecha a campanha de financiamento coletivo da casa com música, exposições e flash de tatuagem

Redação

Deixe um comentário