Galeria Marcelo Guarnieri abre mostra com videoinstalações de Sonia Andrade

Sonia Andrade - Sem Título, 2001 - pontas de cristal de rocha, projetor e DVD - Foto Claudia Laborne - CCBB-RJ 2005
Sonia Andrade - Sem Título, 2001 - pontas de cristal de rocha, projetor e DVD - Foto Claudia Laborne - CCBB-RJ 2005

Artista pioneira da videoarte passa a ser representada pela galeria e expõe um recorte dos trabalhos produzidos durante as duas últimas décadas  

It were but madness now timpart the skill of spetacular stone”  
(Seria loucura agora partilhar a matéria da pedra espetacular) 
The undertaking John Donne, 1572-1631  

A partir do dia 30 de março, colecionadores e público em geral poderão ver de perto um recorte da produção mais recente da artista Sonia Andrade em Cristais, pedras e vídeosexposição que acontece na unidade paulistana da Galeria Marcelo Guarnieri nova representante da artista. Depois de mais de 40 anos dedicados à sua pesquisa e dezenas de exposições realizadas em museus de dentro e fora do Brasil, esta é a primeira vez que Sonia Andrade expõe os seus trabalhos em uma galeria comercial. 

Logo quando iniciou a sua trajetória na década de 1970, ao lado de um grupo de vanguardistas cariocas, durante a ditadura militar, Sonia já conquistou reconhecimento internacional. Em 1975 participou da exposição Video Art, exibida em quatro instituições norte-americanase – Institute of Contemporary Art, Filadélfia; The Contemporary Arts Center, Cincinnati; Museum of Contemporary Art, Chicago e Wadsworth Atheneum, Connecticut. Depois disso esteve presente em diversas Bienais paulistanas (incluindo a 32ª Bienal de São Paulo realizada no ano passado), exposições no MAC-USP, MAM-RJ, CCBB-RJ, FAAP, Instituto Tomie Ohtake, e também no Louvre (Paris), MoMA-NY, Centre Georges Pompidou (Paris), Museu Reina Sofía (Madri), entre outras importantes instituições públicas de arte da Europa e Ásia. Dessa vez, em Sonia Andrade Cristais, pedras e vídeos estarão reunidas seis obras produzidas entre 2001 e 2017, nas quais destaca-se a integração entre dispositivos de imagem e elementos da natureza. O que permanece ainda hoje em seus trabalhos é um interesse pelas questões políticas e estruturais da imagem, que se desenvolvem, por exemplo, a partir de ideias como opacidade e transparência, agora deslocando-se da televisão e do seu universo midiático, para a projeção e sua carga fantasmática. O encontro de tais projeções com as pedras e cristais que dispõe no espaço como anteparos, reforçam esse deslocamento, na medida em que ametistas, obsidianas, selenitas e cristais possuem, assim como a luz, propriedades mágicas.  

Na videoinstalação de 2001, composta por um bloco de areia que serve de anteparo para a projeção da imagem de uma drusa de cristais que parece ser a mesma que repousa, materialmente, em sua superfície, Sonia Andrade propõe um jogo entre objeto e representação, imagem e coisa, material e imaterial. Ainda interessada nos significados da imagem formada a partir da luz e da sua projeção em cristais, a artista projeta uma Color Bar – sinal de vídeo em forma de barras coloridas que servem como padrão de teste para o departamento de engenharia do canal de televisão – em um conjunto de pontas de cristal de rocha, associando a propriedade óptica dos prismas de cristais, que decompõem, por refração, a luz branca em todo o seu espectro de cores, a um instrumento de medição e controle desse mesmo espectro.  

A operaçãde justapor imagens e objetos, tensionando seus significados, é novamente encontrada na videoinstalação que recebe o visitante da exposição. Apresentada na entrada da galeria, a obra Sem Título, de 2005, é composta por uma projeção na parede da imagem do fogo e por uma obsidiana que éposicionada entre projetor e anteparo. A obsidiana – pedra que se forma a partir do resfriamento de lava vulcânica – recebe em sua matéria a imagem daquilo que a origina, causando, no anteparo, uma interferência a partir de sua sombra.  

Poderão ser vistas também três outras obras, todas elas caracterizadas pela presença de pedras e cristais integrados à projeção de imagens ou apenas de luz, investigando o mistério do visível e convidando o expectador a se relacionar com os jogos poéticos que constroem, numa experiência quase imersiva.  

A mostra Sonia Andrade Cristais, pedras e vídeos, na Galeria Marcelo Guarnieri, começa uma semana antes do início da SP-Arte, onde também estarão expostos alguns vídeos produzidos pela artista na década de 1970. Além disso, sua instalação Hydragrammas estará na itinerância da 32ª Bienal de São Paulo Incerteza Viva, da qual participou e que, em 2017-2018, será apresentada na Fundação de Serralves Museu de Arte Contemporânea, em Porto (Portugal). 

SERVIÇO  
 
Sonia Andrade Cristais, pedras e vídeos 
Abertura: 30 de março, quinta-feira, das 19 às 22 horas.  

Data da exposição: 30 de março até 29 de abril de 2017 
Entrada gratuita 
 
Alameda Lorena, 1966 Jardins  
São Paulo SP Brasil / 01424 006 
tel +55 (11) 3063 5410 / 3083 4873 

seg – sex: 10h às 19h / sáb: 10h às 17h  
Mais informações, acessar a página www.galeriamarceloguarnieri.com.br  
 
Assessoria de Comunicação: Agência Blush 
Hussein Rimi – fone (11) 3081 5844Hussein_rimi@hotmail.com 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui