-1.5 C
New York
dezembro 19, 2018
Livros

Fundação Pierre Verger lança nova edição do livro Orixás, Deuses Iorubás na África e no Novo Mundo

Vida e obra de Pierre Verger giraram em torno da essência, capturar a essência do ser humano… ilustrar, registrar, compartilhar, conectar e multiplicar. A partir de toda a herança artística e cultural deixada pelo fotógrafo e antropólogo, a Fundação Pierre Verger vai promover ao longo do ano um conjunto de ações comemorativas em homenagem aos 30 anos da instituição. No próximo dia 04 de outubro vai acontecer o lançamento da nova edição do livro OrixásDeuses Iorubás na África e no Novo Mundo, das 19 às 21 horas, na Livraria da Travessa (Botafogo). A noite vai contar ainda com um bate-papo com a griô e Iakekerê Vovó Cici, e com os escritores Carolina Cunha e Reginaldo Prandi, aberto ao público.

O livro, um dos primeiros registros da cultura dos orixás na África e no Novo Mundo, é o resultado de pesquisas etnográficas que retratam os cultos aos deuses Iorubás nos países de origem, como Nigéria, ex-Daomé – atual Benin, e Togo e no Novo Mundo (Brasil e Antilhas), para onde os rituais foram trazidos quando da diáspora negra, durante o tráfico de escravos. A publicação traz 250 fotos e textos destacando as cerimônias, as características de cada orixá, além do descritivo dos arquétipos da personalidade dos devotos dos respectivos orixás.

Orixás, Deuses Iorubás na África eno Novo Mundo é, até hoje, um dos títulos mais importantes e considerado uma das obras mais completas e precisas sobre o assunto, utilizado por pesquisadores em todo o mundo. O livro estava esgotado há anos, com uma lista de espera enorme e tido como objeto de colecionador. Foi exatamente essa demanda vinda de diferentes públicos que fez a Fundação Pierre Verger reeditar o título, mas com uma edição totalmente nova, que inclui novo projeto gráfico, algumas fotos inéditas e um prefácio assinado por Mãe Stella de Oxóssi.

A nova edição apresenta uma outra novidade: vem acompanhada de uma Linha de Produtos inédita e limitada intitulada “Orixás”, especialmente desenvolvida com o objetivo de expandir a experiência relacionada à temática. A criação é da designer Juliana Rabinovitz, que integra a equipe de comunicação da campanha 30 anos, e é responsável pela identidade visual da mesma. Toda a linha estará à venda, assim como o livro, nos locais de lançamento pelo Brasil, nas livrarias e também nos canais oficiais da Fundação Pierre Verger.

A campanha dos 30 anos
Além da reedição do livro, a celebração terá ações até 2019 que contemplam exposições, doações de fotografias, lançamentos de outros livros, seminários, workshops, ambientações em locais de acesso público e intervenções urbanas artísticas, dentre outros eventos comemorativos.

Após ser apresentada ao público baiano, a nova edição de Orixás segue para ser lançada também em outras capitais, além da Travessa no Rio de Janeiro, o lançamento ocorrerá também no Museu da Fotografia em Fortaleza, Ceará; em Curitiba, no Museu Oscar Niemeyer; no salão nobre da Sala São Paulo (SP), Porto Alegre, entre outras, com trabalhos que desvendam que o que tinha de grandioso tinha também de profícuo, na diversidade de suas temáticas, não fosse ter Verger construído uma vasta documentação visual em muitos países e em todos os continentes.

À frente da Fundação Pierre Verger desde 2001, o presidente Gilberto Sá, destaca o trabalho realizado na instituição ao longo desses 30 anos e as principais ações para o futuro. “Como projeto para novas ações desejamos montar em nossa sede um Memorial, além de manter as atividades das mostras de fotos no Brasil e no exterior, e a publicação de livros, inéditos e em novas edições. Mas o que mais desejo é que a cada dia esta Fundação seja uma fonte para pesquisadores de todo o mundo neste tema de África-Brasil, sua história e seu desenrolar, ainda muito por estudar, e a fotografia como documento para entendermos a história da humanidade. Esta é uma Fundação para o conhecimento dos povos e do mundo e sua base está em preservar, divulgar, pesquisar, e manter vivo a obra e o pensamento de Pierre Verger”.

A fundação foi presidida pelo próprio Verger até sua morte e, depois, pelo seu grande amigo Carybé. Após a nomeação de Gilberto Sá como presidente, uma de suas primeiras grandes realizações foi, em 2002, com as celebrações do centenário de nascimento de Pierre Verger, a realização da exposição itinerante O Olhar Viajante de Pierre Fatumbi Verger, pelas principais capitais brasileiras, em todas as regiões do país.

Trajetória de Pierre Verger
Pierre Verger nasceu em Paris, França, no dia 4 de novembro de 1902. Em 11 de fevereiro de 1996 faleceu em Salvador, Bahia. Aos 30 anos inicia na fotografia e nas viagens. Com o falecimento de sua mãe, sua última parenta viva, Verger decidiu se tornar naturalmente um viajante solitário e levar uma vida livre e não conformista.

De dezembro de 1932 até agosto de 1946, foram quase 14 anos consecutivos de viagens ao redor do mundo, sobrevivendo exclusivamente da fotografia. Trabalhou para as maiores publicações da época, mas como nunca almejou a fama, estava sempre de partida: “A sensação de que existia um vasto mundo não me saía da cabeça e o desejo de ir vê-lo me levava em direção a outros horizontes”, afirmou ele.

As coisas começaram a mudar no dia em que Verger desembarcou na Bahia. Em 1946, enquanto a Europa vivia o pós-guerra. Foi logo seduzido pela hospitalidade e riqueza cultural que encontrou na cidade e acabou ficando. Como fazia em todos os lugares onde esteve, preferia a companhia do povo e dos lugares mais simples. Os negros, em imensa maioria na cidade, monopolizavam a sua atenção. Além de personagens das suas fotos, tornaram-se seus amigos, cujas vidas e história procurou conhecer com detalhes. Quando descobriu o candomblé, acreditou ter encontrado a fonte da vitalidade do povo baiano e se tornou um estudioso do culto aos orixás.

SERVIÇO

LANÇAMENTO DA NOVA EDIÇÃO DO LIVRO: OrixásDeuses Iorubás na África e no Novo Mundo, de Pierre Fatumbi Verger
Data
: 04 de outubro, das 19h às 21h
Local: Livraria da Travessa (Botafogo).
Endereço: R. Voluntários da Pátria, 97 – Botafogo, Rio de Janeiro – RJ.

Posts relacionados

Lançamento traz um dos primeiros relatos sobre o Holocausto

Redação

Livro “As Cidades Invisíveis” é  escolhido para Clube de Leitura do Museu do Amanhã neste sábado

Redação

Páginas sangrentas de uma história imperial

Redação

Carreira ideal aos cinquenta: Dupla estreia no mercado de livros infantis e explora narrativa sobre os dramas da infância

Redação

Criança e Natureza apresenta publicação “Desemparedamento e ressignificação do espaço escolar” na Flip 2018

Redação

Autor Gabriel Murga lança seu primeiro livro, “Brisas” pela Autografia Editora, em 20 de dezembro

Redação

Deixe um comentário